Filme – A Noite dos Mortos Vivos (The Night of the Living Dead) 1968/1990/2006


Se o livro Eu sou a Lenda (1956) de Richard Matheson é o pai das histórias de zumbis (ou mortos vivos, como preferirem) sem dúvida alguma A noite dos mortos vivos fez o mesmo para os zumbis nas telas, embora o termo nunca tenha sido usado no decorrer do filme. Dar esta importância não é nenhum exagero já que este clássico de George A. Romero de 1968 praticamente criou um subgênero para os filmes de terror, seguido posteriormente por uma infinidade de produções que exploram o tema – como a série The Walking Dead que estreou esta semana sendo o primeiro seriado a abordar o assunto.
Que me perdoem os mais conservadores, afinal, falar de mortos vivos no dia de finados pode soar um tanto estranho. Mas, não se deixem levar pelas aparências, pois distúrbios civis, racismo, fim do núcleo familiar e a possibilidade de um final de vida apocalíptico eram medos vividos pelos americanos e são magistralmente explorados por Romero enquanto usa o conflito entre vivos e mortos para entreter o público.

Trama:
Um casal de irmãos (Johnny e Barbra) viaja em direção a uma cidadezinha para visitar o túmulo onde sua mãe está enterrada. Em meio ao cemitério deserto são atacados por um homem de aparência grotesca que por fim acaba por matar Johnny. Barbra foge e refugia-se em uma casa afastada onde um grupo de pessoas também buscou abrigo. Eles pregam portas e janelas enquanto a casa vai sendo cercada por cambaleantes criaturas renascidas dos mortos que buscam a todo custo carne humana para alimentar-se.
Transmissões de rádio e tv dão informações desencontradas de uma possível epidemia que poderia ter escala mundial e que faz com que as pessoas revivam e saiam de seus túmulos. Dentro da casa, os conflitos para decidir o rumo a seguir nesta jornada faz com que os sobreviventes fiquem ainda mais em perigo enquanto esperam por uma ajuda que não sabem se virá.

Principais Diferenças:
1968 – Em preto e branco tem 96 minutos e além da narrativa acima, mostra, numa das primeiras vezes no cinema americano, um negro como herói da trama.
1990 – Remake colorido com 92 minutos, teve o argumento re-escrito pelo próprio Romero. Além de mudanças sutis, como a grafia no nome dos protagonistas tem o final totalmente alterado em relação a obra original.
2006 – Uma homenagem explícita durante os 80 minutos do filme, que tem início com a mesma cena do filme de 68. No instante seguinte revela-se que na verdade é um televisor transmitindo o filme em preto e branco. Então temos um corte para mesma estrada nos dias atuais em filmagem colorida e em 3D. Desta vez Barbra e Johnny vão ao enterro de uma tia onde eles são atacados por criaturas reanimadas e Johnny foge deixando a irmã em apuros. Fica devendo em relação aos demais.

Qual assistir:
O original, de 1968. Extremamente perturbador, todo em preto e branco, retrata os conflitos da época além de ter inovado os filmes de terror. Uma verdadeira obra prima que jamais foi alcançada por outros filmes do gênero, seja por remakes ou por aqueles que deveriam ser a continuação da trama, “Despertar dos Mortos” (Dawn of the Dead, 78) e “O Dia dos Mortos” (Day of the Dead, 85) ou mesmo pelas demais obras de Romero para o tema, “Terra dos Mortos” (Land of the Dead, 2005), “Diário dos Mortos” (Diary of the Dead, 2007) e “Survival of the Dead” (idem, 2009).