Há 30 anos, John Lennon era assassinado: Capítulo 27 / O Assassinato de John Lennon


Lado A – Capítulo 27 (Chapter 27) 2007
No dia 8 de dezembro de 1980 Mark David Chapman, um lunático fã dos Beatles, assassinou John Lennon na porta de seu prédio, o edifício Dakota em Nova York. Capítulo 27 é uma referência ao livro O Apanhador no Campo de Centeio de JD Salinger que foi encontrado em posse de Chapman quando este foi preso. O livro contém 26 capítulos e o 27º seria a continuação da história, já que Mark Chapman inúmeras vezes dizia se chamar Holden Caufield, nome do protagonista fictício e que daria continuação a obra. O filme mostra três dias de Chapman rondando o prédio de Lennon e conta com a participação de Lindsei Lohan no papel de Jude, uma garota que simpatiza com o assassino ainda no período em que ele preparava-se para abordar seu ídolo. É ela que sugere a ele comprar um disco do ex-beatle para que o cantor pudesse autografá-lo. Diferente de O Assassinato de John Lennon, desta vez Chapman é visto como uma pessoa extremamente perturbada e determinada a acabar com seu ídolo, que no seu ponto de vista, era um hipócrita por cantar o fim da propriedade e da riqueza e ainda assim andar pela cidade em carros caros com motorista e morar num endereço elegante em Nova York.

Lado B – O Assassinato de John Lennon (The Killing of John Lennon) 2008
“Eu era ninguém até que matei o maior alguém da Terra” – foram as palavras de Mark Chapman, assassino de John Lennon. Em O Assassinato de John Lennon, boa parte da narrativa se passa na mente de Chapman que é o enfoque principal do filme, mostrando Lennon de maneira muito discreta. O filme começa em Honololu de onde Chapman parte em direção a Nova York deixando pra trás sua esposa. Lá chegando, não consegue encontrar o alvo de sua ira, deixando de lado momentaneamente o sentimento de raiva que toma conta de si. Numa segunda tentativa ele faz uma vigília em frente ao edifício onde o ex-beatle mora com a família conseguindo finalmente o desfecho desejado. O álbum Double Fantasy autografado por Lennon e que foi usado pela polícia como evidência do crime na época, foi recentemente a leilão por R$ 850 mil, este é provavelmente o mais valioso artefato relacionado ao rock que se tem notícia.