Atualizações de dezembro, 2010 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 22:32 em 30/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , chech marin, danni trejo, freak show, jessica alba, , lindsay lohan, , , Nude Nuns with Big Guns, , , robert rodriguez, , vingança   

    Vingança num prato frio e com muito sangue: Machete / Nude Nuns with big Guns 

    Lado A – Machete (Machete) 2010
    Robert Rodriguez (Sin City e Era uma vez no México) criou um trailer fictício exibido em Grindhouse (produção conjunta com Quentin Tarantino) e a partir daí surgiu a idéia para Machete, que é candidato a virar um clássico já que lembra muito os violentos filmes de Tarantino e conta com um time de estrelas como Robert De Niro, Steven Seagal, Jessica Alba e Cheech Marin da dupla Cheech e Chong.
    Machete (Danny Trejo) é um agente federal mexicano que tem sua família morta por um traficante (Seagal), mas consegue sobreviver. Contratado para assassinar um senador americano (De Niro) que defende a morte de imigrantes ilegais, ele descobre que o plano era uma cilada.
    Machete então parte em busca de vingança com a ajuda da policial interpretada por Jessica Alba. Destaque para o herói mexicano não usa tecnologia (celular, por exemplo) nem armas de fogo, somente facas e instrumentos cortantes.
    Tão inacreditável quanto as exageradas cenas de ação, é a performance de Machete, que traça todas as mulheres do filme, incluindo mãe e filha (Lindsay Lohan e Jeff Fahey) durante um banho de piscina.

    Lado B – Nude Nuns with Big Guns (Nude Nuns with Big Guns) 2010
    A recém ordenada freira, irmã Sarah, é drogada e violentada logo após presenciar a morte de suas colegas que fazem parte de um clero corrupto que inclui padres e freiras que traficam drogas para a gangue de motoqueiros Los Muertos.
    Sarah consegue se recuperar após estar à beira da morte e parte em busca de vingança. Armada até os dentes ela elimina um a um de seus oponentes. Esta é uma produção da Freak Show Entertainment, responsável também por Run! Bitch! Run!. Não faltam belas mulheres nuas e miolos voando pra todo lado, produção interessante, mas para poucos. Não vai passar na sessão da tarde.

     
  • paulocarames 21:09 em 30/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , ruby soho   

    Pra quem acha que o Punk morreu 

     
  • paulocarames 13:22 em 30/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , Editora L&PM, gillian mccain, , , mate-me por favor, , , , , , , , , , velvet underground   

    Livro – Mate-me por favor, uma história sem censura do Punk 

    Mate-me por Favor é um registro definitivo do começo deste movimento que antes de política e estilo é um movimento artístico que salvou o rock da mesmice.

    Deixe de lado tudo que você sabe (ou pensa que sabe) a respeito da criação do Punk. Achar que os Sex Pistols foram os responsáveis por tudo, por exemplo, ou que usar corte de cabelo moicano é obrigação.

    Tudo começou com Velvet Underground, Iggy Pop and The Stooges, New York Dolls e MC5 que criaram os alicerces para mais tarde abrir espaço para os Ramones e estes, influenciaram toda uma geração – The Clash, Sex Pistols e todos que vieram depois como Green Day, Offspring e Rancid.

    Cansados dos longos solos de guitarra e dos visuais pomposos que dominavam o cenário rock n’ roll da época, este movimento surgiu como reflexo do que acontecia nas ruas e nos palcos precários do Bowery e, do hoje lendário, CBGB’s.

    O título do livro é uma referência a uma camiseta de Richard Hell (ex-Television e Richard Hell & the Voidoids) com a inscrição Please Kill Me.

    Gillian McCain junto com Legs McNeil (ex-editor da Punk Magazine) compilaram uma série de entrevistas que incluem Lou Reed (Velvet Underground), Iggy Pop (Stooges), Ray Manzarek (The Doors), Joey e Dee Dee Ramone (Ramones), Cheetah Chrome e Stiv Bators (Dead Boys) entre outros artistas e produtores criando um relato absolutamente exclusivo e sem censuras.

    Você fica por dentro de todas as brigas, os problemas com as drogas e claro, a verdade por trás de cada banda que fez deste estilo, único, contestador e vivo até hoje. Editora L&PM, 444 páginas ou em versão pocket dividida em dois volumes.

    matemeporfavorlegsmcneil-2matemeporfavorlegsmcneil-3

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: