Homem primata, capitalismo selvagem: Capitalismo / Trabalho Interno


Lado A – Capitalismo: Uma História de Amor (Capitalism: A Love Story) 2009

Após abordar os atentados de 11 de setembro (Fahrenheit, 2004), o sistema público de saúde (SICKO, 2007) e as eleições presidenciais (Slacker Uprising, 2008) Michael Moore volta a carga questionando desta feita o sagrado capitalismo americano em Capitalismo: Uma História de Amor.

Após a bolha do mercado imobiliário que gerou recessão e desemprego, Moore entrevista pessoas comuns afetadas pela crise e que perderam todas as suas economias enquanto banqueiros receberam 700 billhões de dólares do congresso e destinaram milhões em bônus para seus executivos (remunerando exatamente os principais causadores da crise).

Com a desregulação do sistema financeiro, Wall Street criou uma bolha a partir de derivativos usados como garantia de tal maneira que o resultado que vimos em 2008 não poderia ter sido outro.

Um mesmo imóvel era dado como garantia para diferentes empréstimos até o ponto em que era impossível que as dívidas fossem executadas gerando um calote em cascata.

Com o senso de humor e a ironia peculiares, característicos de suas obras, Michael Moore vai até congressistas entender o motivo deles autorizarem uma ajuda bilionária para os bancos causadores de toda crise enquanto saúde e educação foram deixadas de lado pela administração Bush.

Lado B – Trabalho Interno (Inside Job) 2010

Vencedor do Oscar de melhor documentário em 2011, Trabalho Interno, narrado por Matt Damon expõe de forma menos caricata mas não menos contundente os motivos que levaram à crise financeira que abalou o mundo entre 2007 e 2009.

Derivativos, desregulação, mercado de ações, hipoteca. De cunho bem mais sério e técnico que Capitalismo de Michael Moore, Trabalho Interno investiga os motivos pelos quais uma crise anunciada foi tratada com tamanho descaso e depois remediada a custa dos contribuintes sem que ninguém fosse responsabilizado.

O diretor Charles Ferguson retrata os lados obscuros de Wall Street que com a conivência do Secretário do Tesouro Hank Paulson (ex-CEO do Goldman Sachs, uma das principais envolvidas no escândalo dos derivativos) manteve a mesma estrutura sem que regras mais rígidas fossem implementadas para evitar novas fraudes financeiras.