Filme – Cemitério Maldito (Pet Sematary) 1989/2019 

Sinopse: Um médico muda para a pequena e fictícia Ludlow (onde vai assumir uma posição na Universidade do Maine) acompanhado pela esposa e os dois filhos do casal, além do gato da família.

Eles irão descobrir que uma perigosa estrada frequentada por caminhões em alta velocidade cruza na porta da sua casa, enquanto nos fundos de sua propriedade está localizado um cemitério de animais.

Baseado em obra de Stephen King, não é um conto de terror, mas uma história de escolhas entre vida e morte.

———————— SPOILERS A SEGUIR ————————

1989:
O primeiro terço da trama é autobiográfico. King havia mudado com a família para lecionar na Universidade do Maine e não só o gato de sua filha morreu atropelado como seu filho quase teve o mesmo fim, sendo salvo pelo vizinho. E, claro, nos fundos da propriedade havia um cemitério de animais.

A partir desta experiência surgiu o livro que quase não foi lançado devido a trama macabra. Para saldar o débito de um título frente a editora, acabou publicado em 1983 e em inglês preservou o mesmo nome (Pet Sematary, algo como Simitério de Bichos) embora por aqui tenha ganho títulos distintos (Cemitério Maldito para o filme e O Cemitério para o livro).

A grafia errada do título é fruto do cemitério em questão ter sido idealizado por crianças, que enterravam seus animaizinhos vitimados na estrada. Os direitos para adaptar a obra haviam sido comprados mas o projeto não avançava. Até que uma greve de roteiristas foi o pretexto ideal para que a produção começasse a tomar forma.

O experiente Fred Gwynne (da série Car 54, Where Are You?) incorpora com fidelidade tanto sotaque quanto figurino do Jud Crandall da literatura. Ao se apresentar, o vizinho logo é questionado a respeito da misteriosa trilha presente nos fundos do terreno da recém chegada família Creed. Constrangido, o idoso promete uma explicação satisfatória em momento mais adequado.

Apesar do desgosto de Rachel (Denise Crosby), Jud cumpre a promessa e apresenta o tal cemitério e os motivos da sua existência, o que semeia no imaginário da pequena Ellie (Blaze Berdahl/Beau Berdahl Oliver) o medo de perder seu gato, Church.

Na escola o doutor Louis (Dale Midkiff) tenta sem sucesso salvar o jovem Victor Pascow (Brad Greenquist), vítima de um atropelamento. Pascow, agradecido, aparece em sonho para alertá-lo a não ir além do Cemitério de Bichos.

No entanto, sem cultivar uma boa relação com os sogros, ele deixa de acompanhar a família em uma viagem a Chicago no feriado de ação de graças. É quando ele e Jud descobrem que Church foi morto, provavelmente atropelado. Eles partem em uma jornada além do Cemitério de Bichos e enterram o gato em um antigo cemitério indígena.

Ocultando o real significado deste ato, Jud acredita estar preservando Ellie da dura realidade de encarar uma perda tão cedo. O segundo terço do filme começa com Church retornando pra casa. Jud então conta a Louis a lenda dos Micmac e a história de como ele próprio enterrou seu cão Spot que ressurgiu com vida, apesar de precisar sacrificá-lo após algum tempo pois todos que retornam de lá, não voltam exatamente os mesmos de antes.

A empregada da família comete suicídio, numa aparente influência do mal que fora despertado no cemitério índio. Neste ponto vem à tona a dificuldade de Rachel em lidar com a morte, culpando-se pelo sofrimento da irmã de quem ela cuidava quando esta morreu.

Stephen King, que tem grande apreço pelos Ramones, em seu livro cita Rockaway Beach, enquanto no filme vemos um caminhoneiro ao som de Sheena is a Punk Rocker, ele não freia a tempo e o pequeno Gage é morto. Inevitável prever o desdobramento da situação.

Louis finge ignorar a rixa com o sogro e despacha esposa e filha rumo a Chicago para buscarem alento. Sua real intenção é trazer o filho de volta, a despeito dos conselhos de Pascow e do arrependido Jud.

Pascow, que agora tentar alertar Ellie através de sonhos, também passa a ajudar Rachel na tentativa de chegar em casa para evitar que o marido cometa uma loucura.

O ato final faz jus a avaliação de King, que considera esta sua obra mais sombria. Quando Gage volta dos mortos, mata Jud e Rachel. Louis em aparente momento de lucidez dá fim a Church e Gage mas, em mais uma atitude desesperada, enterra a esposa – que retorna e por fim o mata.

Ao final, os créditos sobem ao som de Pet Sematary, composta pelos Ramones a pedido do próprio autor. A canção acabou sendo um dos maiores sucessos da banda e seu videoclipe teve duas versões. Na primeira, a banda toca enquanto são enterrados intercalando cenas do filme. Na versão alternativa, as cenas do filme dão lugar a uma filmagem da banda em preto e branco caminhando por um cemitério em meio às lápides.

Stephen King impôs que Cemitério Maldito fosse rodado em sua terra natal (Maine) e assinou o roteiro promovendo a mudança no papel de dois personagens em relação ao livro: Norma, esposa de Jud, já é falecida (no livro ela morre durante a trama) enquanto a empregada, Missy (Susan Blommaert), aqui ganha mais destaque em cena.

A trama é permeada pela disputa entre o espírito de Pascow e os conselhos de Jud, como anjos (do bem e do mal) tentando influenciar Louis em relação a ir ou não ao cemitério Micmac.

Uma outra forma de encarar a trama é considerar este um conto tendo o cemitério como gênio que concede três desejos. Louis usa todos (reviver Church, Gage e Rachel) e paga com a vida.

George Romero chegou a ser cotado para direção que acabou a cargo de Mary Lambert (responsável pelo videoclipe de Say You Will de Mick Jagger e por Material Girl de Madonna). King faz uma pequena participação como padre, no enterro de Missy. A trilha sonora ficou a cargo de Elliot Goldenthal (Drugstore Cowboy, Alien 3 e Batman Eternamente).

2019:
Os remakes servem pra tirar a poeira da versão anterior, a exemplo de Carrie (1977/2013) e do bem sucedido caso de IT (1990/2017), ambas obras primas de King e clássicos do cinema. No entanto, os diretores Kevin Kölsch e Dennis Widmyer ao tentar atualizar a trama para uma audiência renovada, pecam ao alterar elementos chave.

No intuito de não realizar uma mera refilmagem, promovem mudanças que descaracterizam tanto o livro quanto o filme anterior. O cenário permanece, assim como a estrutura familiar, embora Missy desapareça da trama, o papel de Pascow seja reduzido (tinha tamanha importância no anterior que compunha com Church a capa do filme) e a disputa com o sogro não exista. A esta altura trocar Boston por Chicago ou Ação de graças por Halloween não é nada demais.

A primeira cena entrega o que está por vir, com uma casa em chamas, e do outro lado da rua, uma residência com rastros de sangue porta adentro. O icônico gato britânico de pelo curto foi trocado por gatos da raça Maine Coon. No livro, Zelda repete ‘o grande e teível’, que Rachel relembra em seus pesadelos com a irmã morta. Ignorada no roteiro do próprio autor, aqui é a primeira fala de Ellie.

Ellie descobre por si só o cemitério de bichos, e é quando Jud se apresenta, repreendendo ela – a exemplo do que faz algumas cenas mais tarde quando a menina entra em sua casa sem permissão.

A história se repete com Jud acolhido pela família até Ellie morrer ao invés de Gage. Ela então revive e mata Jud por tentar convencer Louis a dar um fim nela (ao contrário de Gage que o mata em uma espécie de justiça poética por ter apresentado o cemitério à Louis).

A reta final é ainda mais comprometida com cenas de sustos e uma indecisão do tipo de obra que os diretores se propõe a entregar, oscilando entre A Órfã e os clichês de filmes de possessão. Rachel é morta pela filha e juntas elas enterram Louis que assim completa a família zumbi tendo Gage à sua mercê.

Como positivo, a sacada modernização do acidente fatal atribuído a um motorista distraído pelo celular (quem liga pra ele é uma tal Sheena) e a bem executada cena do sonho em que Pascow tenta alertá-lo sobre os perigos do cemitério Micmac. A lenda do Wendigo é citada mas acaba deixada de lado. Já a morte de Zelda é retratada como, de fato, culpa da ação direta de Rachel.

Em ambos os filmes foram usadas crianças gêmeas na filmagem. No longa de 1989, duas meninas interpretaram Ellie, enquanto em 2019 dois meninos interpretaram Gage. O clima de filme cover se completa com os créditos ao som de Pet Sematary na versão da banda Starcrawler. Apesar dos ótimos Jason Clarke e John Lithgow no elenco, a versão 2019 usando os mesmos 100 minutos, sentiu os efeitos do cemitério Micmac. Sometimes, dead is better.

Livro

VHS

Laserdisc

DVD

Bluray

Bluray (ed 30 anos)

Documentário Unearthed and Untold: The Path to Pet Sematary

Trilha Sonora LP




Trilha Sonora CD


Trilha Sonora CD Limited Edition













Singles Pet Sematary (Ramones)




















Memorabilia