Marcado como: 2013 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 10:00 em 17/12/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , , , ,   

    Entrevista exclusiva com Mickey Leigh, autor de I Slept with Joey Ramone 

    1_
    Mickey Leigh passou pelo país recentemente divulgando a versão em português de seu livro (no Brasil sob o título Eu Dormi Com Joey Ramone – memórias de uma família punk rock). Foi extremamente simpático e atencioso com todos que o procuraram nas sessões de autógrafos organizadas em livrarias de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre (nas fotos abaixo) e Caxias do Sul.

    2_

    Com a agenda lotada dada a repercussão dos eventos em jornais, portais web e programas de tv, restou a este humilde blog tentar realizar a entrevista por e-mail. Fui avisado de cara pela divulgação da editora que demoraria, mas se atendido, minhas perguntas renderiam uma das entrevistas mais amplas mesmo considerando veículos oficiais.

    33_34_

    eu dormi com joey ramoneEis que a espera compensou: começando por um “isto é tudo por hora, retorno pra você com o restante, eventualmente” Mickey respondeu quase todas as perguntas que eu havia enviado. Deixou de fora poucos pontos, mas respondeu o mais relevante para os fãs da banda.

    Já havia lido sua versão original então tentei evitar perguntas que pudessem comprometer a leitura de quem ainda não conferiu a obra – uma das melhores escritas sobre um ramone e que teve a colaboração de Legs Mcneil (Mate-me Por Favor).

    Da mesma forma que no livro que divulga, Mickey foi direto e fez algumas revelações que, no meu caso, foram novidade. Confira abaixo:

    Sequela Coletiva: Esta é a primeira versão de seu livro em outro idioma? O que os fãs brasileiros irão encontrar?
    Mickey Leigh: Não é a primeira versão em outro idioma. Ele já foi publicado na Finlândia e na França. Eles irão encontrar o mesmo que as pessoas encontraram nestas edições: uma história incrível, inspiradora e de apelo universal.

    SC: Os fãs podem esperar algum tipo de atualização em relação ao livro original lançado em 2009? Algo como os bastidores da produção de …ya know por exemplo?
    ML: Não. Ele não é sobre discos na verdade. É sobre irmãos e familias. Como médicos disseram a um cara problemático que ele nunca seria capaz de ser funcional em sociedade, como sua mãe e seu irmão o estimularam depois disto, e como ele chegou ao ápice.

    SC: Como foi produzir Ya Know? Conte-nos sobre a escolha dos músicos**.
    ML: Eu quis pessoas que eram próximas a Joey, aqueles que colaboraram muitas vezes durante a carreira dele, que todos trabalhassem juntos. Então, consegui reunir todos eles e o resultado foi tal como eu esperava. O resultado é uma jóia.

    SC: A versão que Joey and 22 Jacks fizeram para I’ll be with you tonight do Cheap Tricks é uma canção poderosa. Você considerou incluí-la em um álbum solo de Joey?
    ML: Não em um álbum solo propriamente. Quero fazer um álbum com todas estas colaborações. Acho que há o suficiente para um grande disco.

    SC: No último ano três ex-integrantes (CJ, Marky e Richie) excursionaram pelo Brasil e também vários livros foram lançados em português (Na Estrada com os Ramones, Eu Falo Música, Commando e Eu Dormi com Joey Ramone). Como é o interesse dos fãs dos Ramones nos Estados Unidos e na Europa atualmente?
    ML: Não se compara ao interesse na Argentina e Brasil.

    SC: Tivemos recentemente várias coletâneas e diferentes relançamentos dos discos dos Ramones. Os familiares (de Joey, Johnny e Dee Dee) são consultados a respeito destes lançamentos? Quais são os planos para o futuro relacionado ao legado da banda?
    ML: Somente as famílias de Joey e Johnny são consultadas, já que eles foram os únicos dois membros originais que permaneceram até o fim. Este foi o acordo que Johnny e Joey fizeram com Tommy e Dee Dee.

    SC: Existe alguma chance de descobrir uma canção inédita dos Ramones ou mesmo do Joey?
    ML: Qualquer coisa é possível neste mundo.

    SC: Ao invés de canções dos Ramones, no filme CBGB temos duas músicas da carreira solo de Joey. Você foi envolvido na criação do personagem de Joey ou deu algum tipo de suporte?
    ML: Não, não tive envolvimento com isto.

    SC: O que achou do filme?
    ML: Eles fizeram o melhor que puderam.

    *O crédito pelas fotografias é da própria livraria e podem ser conferidas aqui junto com o restante da cobertura fotográfica do evento.
    ** a lista é grande e de respeito. Participaram do disco Ed Stasium (co-produtor de Leave Home, Rocket to Russia, Road to Ruin, Too Tough to Die e Mondo Bizarro), Daniel Rey (produtor de Halfway to Sanity, ¡Adios Amigos! e vários trabalhos solo pós-Ramones), Jean Beauvoir (produtor de Animal Boy) e músicos como Steven Van Zandt (da E-Street Band, de Bruce Springsteen), Andy Shernoff (ex-the Dictators e parceiro de Joey em músicas como I Won’t Let It Happen, Ignorance Is Bliss e It’s Gonna Be Alright) e Richie Ramone (baterista dos Ramones em três discos de estúdio).
    *** colaboraram Homero Pivotto Jr; César Marcelo Caramês, Luciana Thomé e Allen Nunes.


     
  • paulocarames 12:00 em 12/11/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , livraria saraiva, , , , , , , sessão de autógrafos   

    Mickey Leigh divulga seu livro com sessões de autógrafo no Brasil 

    eu dormi com joey ramone
    Mickey Leigh, irmão de Joey Ramone (falecido vocalista dos Ramones) está no Brasil para divulgação de seu livro Eu Dormi Com Joey Ramone. Lançado originalmente em dezembro de 2009 (I Slept With Joey Ramone) foi co-escrito por Leigh e Legs Mcneil (autor de Mate-me por favor) e agora ganha versão em português pela Editora Dublinense.

    A agenda inclui sessões de autógrafo em livrarias de São Paulo (12/11), Rio de Janeiro (18/11), Porto Alegre (19/11) e Caxias do Sul (20/11).

    Além do livro Leigh tem em seu currículo trabalhos como músico com as bandas Stop e The Rattlers além de ter produzido o segundo disco solo de Joey lançado no ano passado (…ya know?).



     
  • paulocarames 10:00 em 12/11/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , ,   

    Documentário – Inocentes 30 Anos 

     
  • paulocarames 10:00 em 05/11/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , ,   

    Dropkick Murphys irá lançar box com discografia completa em vinil 

    dropkick murphys boxsetA moda pegou de vez e depois de Bad Religion, Rancid e NOFX, agora é o Dropkick Murphys que irá lançar uma caixa contendo toda sua discografia em vinil.

    O pacote compreende de 1998 a 2013, incluindo The Singles Collection vol 1 e 2, até então inéditos em LP. A edição, como de costume nestes casos, é limitada. São 2000 cópias que ainda incluem uma bandeira e já estão em pré-venda aqui. confira a lista dos discos:

    DO OR DIE
    THE GANG’S ALL HERE
    SING LOUD, SING PROUD
    BLACKOUT
    THE WARRIOR’S CODE
    THE MEANEST OF TIMES
    GOING OUT IN STYLE
    SIGNED & SEALED IN BLOOD
    THE SINGLES COLLECTION VOL. 1 & VOL. 2


     
  • paulocarames 10:00 em 22/10/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , war dogs   

    CJ Ramone na Itália, julho de 2013 

    cj ramone italy
    Eu estava no Oltrasuoni Festival em Trento (a primeira de três datas de CJ na Itália) e no Troublefest Festival em Desio (terceira e última data). Escrevi para CJ alguns dias antes para ter oportunidade de encontrá-lo. Estava em Trento antes da passagem de som. Lá encontrei primeiro com The Manges e Marco Zuanelli do Fã Club Italiano dos Ramones e seu projeto de um novo livro: Ramones Sniffin’ Poster. Será uma coleção de mais de 300 cartazes de show originais da banda.

    Encontrei também com Florian Hayler do Ramones Museum Berlin. O lugar em Trento era cercado por montanhas altas. Oltrasuoni Festival era um festival com entrada grátis com venda de discos e outros materiais.

    CJ Ramone, and Jonny “Two Bags” Wickersham e David Hidalgo Jr do Social Distortion fizeram uma longa passagem de som, cerca de um hora e meia. Não acompanhei pois achei que eles tocariam o mesmo set do show. Quando a passagem acabou, encontrei CJ. Fantástico! CJ lembrou que mandei pra ele nosso cd Raw & Dirty Days e outras coisas, foi muito legal ouvi-lo dizer: “Vocês estão fazendo um grande trabalho!”.

    CJ autografou minha guitarra, alguns cartazes, nosso disco e nossa foto oficial. CJ foi muito gentil e amigável: isto significa ser punk!

    IMG_3764

    The Manges abriu para CJ e tocou por uma hora. Havia muita energia, muitas pessoas que pularam o show todo com muito stage diving: CJ gostou muito! abaixo você pode encontrar o set list. Observe que eles terminaram o show com R.A.M.O.N.E.S. do Motorhead. Foi muito explosivo, tanto quanto Commando dos Ramones.

    CJ Ramone, David Hidalgo Jr. e Jonny “Two Bags” Wickersham tocaram músicas dos Ramones, do novo solo de CJ Ramone (Reconquista) e duas músicas do último disco do Social Distortion.

    A respeito do show gostaria de dizer mais três coisas:
    1) Ver um show do CJ é sempre mágico, ele é um RAMONE e isto é muito especial.
    2) CJ é realmente cheio de energia, e muito profissional.
    3) David é muito legal: toca bateria de forma perfeita e poderosa.

    O show no Troublefest Festival em Desio foi melhor. O palco e o som eram maiores, mas as pessoas não estavam tão afim como em Trento. As pessoas em Trento são realmente loucas! O set list foi um pouco diferente com uma mudança nas músicas dos Ramones.

    Set list: 12 de julho de 2013: Oltrasuoni Festival, DRO (TN), Itália.
    por algum motivo não foram listadas as músicas do Social Distortion.
    01) Judy Is A Punk
    02) Blitzkrieg Bop
    03) Cretin Hop
    04) What We Gonna Do Now? (from CJ’s Reconquista album).
    05) Beat On The Brat
    06) Listen To My Heart
    07) She’s The One
    08) Ghost Ring (from Reconquista)
    09) Psycho Therapy
    10) You’re The Only One (from Reconquista)
    11) Strength To Endure
    12) Rockaway Beach
    13) I Wanna Be Your Boyfriend
    14) Glad To See You Go
    15) Aloha Oe (from Reconquista)
    16) Teenage Lobotomy
    17) 53rd And 3rd
    18) Commando
    19) Pinhead
    20) Three Angels (from Reconquista)
    21) R.A.M.O.N.E.S.

    Release por Sandro Mariuz guitarrista da banda italiana War Dogs dedicada aos Ramones.

     
  • paulocarames 10:00 em 12/10/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2013, , , , , CBGB O FILME, , , , , , , , , , , Omnivore Recordings, , , , , , , , , ,   

    LP/CD/DVD – CBGB 2013 

    CBGB_club_facade
    CBGB (o clube, localizado na 315 Bowery) foi inaugurado em dezembro de 1973 e surgiu da idéia de Hilly Kristal em dar abrigo a bandas autorais de Country, BlueGrass e Blues. Kristal acabou enganado pelo Television que nada tinha de bluegrass em seu som e estreou na casa em 31 de março de 1974. Dali por diante vieram Patti Smith, Dead Boys, Talking Heads e tantos outros que consolidaram este como o templo do punk em Nova Iorque.

    cbgb 75 summer festivalOs Ramones fariam sua estréia em 16 de agosto daquele ano e se apresentariam lá em 87 datas, algumas com sessões duplas e na companhia de Blondie, Cramps, Talking Heads e Suicide. Foi lá que em 4 de maio de 1978 Tommy Ramone fez seu último show com a banda. Em 10 de abril de 1979 eles tocariam lá pela última vez.

    Antes disto, em julho de 1975 (dias 16, 17 e 18) um festival de verão promoveria o clube e bandas que estavam ganhando destaque mas ainda não tinham contrato como Ramones, Blondie e Talking Heads.

    No caso dos Ramones, ainda demoraria até janeiro do ano seguinte para assinarem com a Sire Records. Já a casa fecharia as portas em outubro de 2006 com Patti Smith fazendo o último show no dia 15. Hoje, em seu lugar, está a sofisticada loja John Varvatos.

    Hilly Kristal morreria em 28 de agosto de 2007 vítima de câncer de pulmão.

    cbgb_ver5_xlgAnunciado em maio do ano passado, CBGB (o filme) é o retrato na visão do diretor Randall Miller desta cena e principalmente deste cenário icônico (anunciado como 50 mil bandas e um banheiro nojento). Em maio deste ano foram divulgadas imagens da produção que foi lançada oficialmente no dia 11 de outubro de 2013.

    Teve quem reclamasse que os atores não se parecem com os artistas originais (veja o comparativo aqui) e que, diferente do tom trágico que muitos acontecimentos tiveram na vida real, o estilo cartoon do filme alivia o drama das drogas e o amadorismo das bandas naquela época.

    A cena dos Ramones andando por um beco vestindo suas camisetas listradas faz parte do clipe de We Want the Airwaves do disco Pleasant Dreams de 1981 e no período retratado quem dava as cartas na banda eram Johnny/Tommy e não Joey que só ganharia confiança e espaço com a saída de Tommy e a tutoria de Phil Spector (nas gravações de End of The Century em 1980).

    Eles aparecem tocando músicas da carreira solo de Joey (Spirit in my House e I Got Knocked Down, ambas do póstumo Don’t Worry about Me de 2002) e não suas próprias canções. Segundo Brad Rosenberger que co-produziu o filme, apenas os representantes do vocalista morto em 2001 mostraram interesse pela trama. (“We showed the band or representation the film, and for whatever reason, they couldn’t seem to go for it,” says Rosenberger. “The Joey Ramone side – they were fine. There was no animosity. I personally thought it was a lost opportunity.”)

    Por outro lado, perceber que finalmente alguém resolveu retratar este período e esta cena que sempre foi marginalizada pelas rádios e pelo cinema em geral é no mínimo, elogiável. Também é preciso perceber que se fosse Iggy Pop de verdade, seria um documentário e não um filme.

    Exceção pelas músicas de Joey Ramone, as demais são parte da história do CBGB e você dificilmente irá se deparar com uma trilha sonora como esta novamente (Blondie, Dead Boys, Johnny Thunders and the Heartbreakers, Mc5, New York Dolls, Patti Smith, Richard Hell and the Voidoids, Talking Heads, Television, The Police, The Stooges).

    Como dito nos créditos iniciais do filme ‘a maioria dos acontecimentos são verdade’. As primeiras apresentações do Television ou dos Dead Boys estão lá, assim como o incidente em que Johnny Blitz foi esfaqueado ou a famosa camiseta Please Kill Me. As portas e a mesa usadas no cenário pertenceram de fato ao bar e foram emprestadas para as filmagens. As incríveis ilustrações de John Holmstrom que costuram este divertido conto também tem os dois pés na realidade.

    Legs Mcneil se manifestou declarando que o filme foi um erro. Holmstrom, seu antigo parceiro na Punk Magazine, deu o troco dizendo que “não tem nada de bom a dizer a respeito de Mcneil”.

    Ficamos entre procurar defeitos ou aproveitar Mate-me por favor passando diante dos nossos olhos com trilha sonora e tudo. Já fiz a minha escolha.

    Ficha Técnica:
    Omnivore Recordings

    Ramones:
    Joey Ramone – vocal
    Johnny Ramone – guitarra
    Dee Dee Ramone – baixo, backing vocal
    Tommy Ramone – bateria

    Tracklist:
    Lado A:
    01. Talking Heads – “Life During Wartime”
    02. MC5 – “Kick Out the Jams (Uncensored Version)”
    03. New York Dolls – “Chatterbox”
    04. Television – “Careful”
    05. Richard Hell and the Voidoids – “Blank Generation”
    Lado B:
    06. Flamin’ Groovies – “Slow Death”
    07. The Velvet Underground – “I Can’t Stand It”
    08. Wayne County and the Electric Chairs – “Out of Control”
    09. The Count Five – “Psychotic Reaction”
    10. Tuff Darts “All For the Love of Rock ‘n’ Roll” (Live)
    Lado C:
    11. Johnny Thunders and the Heartbreakers – “All By Myself”
    12. The Dictators – “California Sun” (Original Demo)
    13. Dead Boys – “Caught With the Meat in Your Mouth”
    14. Joey Ramone – “I Got Knocked Down (But I’ll Get Up)”
    15. The Laughing Dogs – “Get Outta My Way”
    Lado D:
    16. Blondie – “Sunday Girl” (2013 Version)
    17. The Stooges – “I Wanna Be Your Dog”
    18. Dead Boys – “Sonic Reducer”
    19. The Police – “Roxanne”
    20. Hilly Kristal – “Birds and the Bees”
    CBGB-10-8

    Elenco:
    Josh Zuckerman – John Holmstrom
    Peter Vack – Legs McNeil
    Parker Gant – Baby Hilly
    Arthur Bridgers – Shamai Kristal
    Danielle Shaw – Young Bertha
    Holly Hubbell – Sarah Brown
    B. Todd Johnston – Benjamin Brown
    Tyler Tunney – Judge
    Freddy Rodríguez – Idaho
    Tom Nowicki – Palace Bartender
    Estelle Harris – Bertha Kristal
    Donal Logue – Merv Ferguson
    Max Reinhardsen – Tom Verlaine
    Luke Dressler – Richard Lloyd
    Richard de Klerk – Taxi
    Evan Alex Cole – Richard Hell
    Aaron Munoz – Palace Hotel Manager
    Michael Massee – Officer Stan
    Darin Heames – Bert
    Ahna O’Reilly – Mary Harron
    James Edwards – Psychotic Fan
    Jared Carter – David Byrne
    Dominic Bogart – Michael Sticca
    Mickey Sumner – Patti Smith
    Taylor Hawkins – Iggy Pop
    Joel David Moore – Joey Ramone
    Steven Schub – Dee Dee Ramone
    Julian Acosta – Johnny Ramone
    Caleb McCotter – Wayne County
    Justin Bartha – Stiv Bators
    Bronson Adams – Johnny Blitz
    Vincenzo Hinckley – Da Thug
    Cheetah Chrome – Cabbie
    Kamille Dawkins – Bank Teller
    Blake Shutterly – Female Reporter
    Katherine DuBois – Genya’s Friend
    Juan Piedrahita – Angry Hombre #1
    Richard Marrero – Angry Hombre #2
    Bob Lipka – Ye Ol’ Farmer
    Keene McRae – Sting
    Teddy the Dog – Nathan the Dog
    Malin Akerman – Debbie Harry
    Johnny Galecki – Terry Ork
    Kyle Gallner – Lou Reed
    Ashley Greene – Lisa Kristal
    Rupert Grint – Cheetah Chrome
    Ryan Hurst – Mad Mountain
    Stana Katic – Genya Ravan
    Alan Rickman – Hilly Kristal
    Bradley Whitford – Nicky Gant
    John Deifer – Homeless Person
    Johnathan Staggs – Tommy Ramone




     
  • paulocarames 10:00 em 08/10/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 1948, , , 2013, , , , , ,   

    Aniversariantes do dia 8 de outubro 

    Era 1989, os Ramones já tinham 15 anos de estrada e eu nem isto de vida. Naquele ano eles lançariam Brain Drain que viria a ser o primeiro disco deles que tive embora só fosse tomar conhecimento deste disco no meu aniversário, três anos depois – atraso típico de quem cresceu em cidade perto de nada, a 100m de lugar nenhum.

    No meu caso, o disco que neste ano garantiria passagem só de ida para o universo ramônico seria outro: Rocket To Russia, uma obra maestra como dizem os hermanos. Era um disco emprestado, sem capa mesmo e com exceção de Surfin’ Bird, todo lado B havia sido inutilizado por éter ou algum outro produto químico inadvertidamente usado na tentativa de limpar o vinil. Não importa, começava pra mim a Ramonesmania.

    Em tantos anos dedicado a obra do quarteto sempre resisti à tentação de adotar o sobrenome Ramone. Ao invés disto, acordo a cada 8 de outubro pensando em como seria montar uma banda com os aniversariantes do dia: Johnny Ramone (1948), CJ Ramone (1965) e Eu (1978). Um power trio mesmo, três gerações, três acordes e tudo resolvido. Aí Johnny, quem sabe um dia?

    156500_421035564620108_2121540545_n

     
  • paulocarames 10:00 em 24/09/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , , ,   

    Richie Ramone libera cinco canções para audição 

    richieramone-entitled
    Com pré-venda já está disponível no site da Interpunk.com e Shopradiocast, Entitled é o primeiro disco solo de Richie Ramone com previsão de lançamento para 8 de outubro (aniversário de outros dois ramones: Johnny e CJ).

    Recentemente ele disponibilizou em seu site oficial cinco músicas deste disco para audição. Confira abaixo:

    Criminal

    I Know Better Now

    Entitled

    Take My Hand

    Smash You

     
  • paulocarames 10:00 em 17/09/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , , , ,   

    CBGB: Trailer e trilha sonora divulgados 

    cbgb-soundtrack
    CBGB – O Filme teve trailer e trilha sonora divulgados recentemente. O lançamento deve ocorrer no dia 8 de outubro. Nesta mesma data também deve ser lançado o primeiro disco solo de Richie, ex-baterista dos Ramones. A data também celebra o nascimento do ex-baixista CJ Ramone e do, já falecido, ex-guitarrista Johnny Ramone.

    Tracklist:
    01. Talking Heads – “Life During Wartime”
    02. MC5 – “Kick Out the Jams (Uncensored Version)”
    03. New York Dolls – “Chatterbox”
    04. Television – “Careful”
    05. Richard Hell and the Voidoids – “Blank Generation”
    06. Flamin’ Groovies – “Slow Death”
    07. The Velvet Underground – “I Can’t Stand It”
    08. Wayne County and the Electric Chairs – “Out of Control”
    09. The Count Five – “Psychotic Reaction”
    10. Tuff Darts “All For the Love of Rock ‘n’ Roll” (Live)
    11. Johnny Thunders and the Heartbreakers – “All By Myself”
    12. The Dictators – “California Sun” (Original Demo)
    13. Dead Boys – “Caught With the Meat in Your Mouth”
    14. Joey Ramone – “I Got Knocked Down (But I’ll Get Up)”
    15. The Laughing Dogs – “Get Outta My Way”
    16. Blondie – “Sunday Girl” (2013 Version)
    17. The Stooges – “I Wanna Be Your Dog”
    18. Dead Boys – “Sonic Reducer”
    19. The Police – “Roxanne”
    20. Hilly Kristal – “Birds and the Bees”

     
  • paulocarames 10:00 em 10/09/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , ,   

    The Clash prepara lançamento de box de cds remasterizados 

    The Clash prepara lançamento de box de cds remasterizados

    The Clash vai lançar um novo box de cds com versões remasterizadas de seus primeiros cinco discos: The Clash (1977), Give ‘Em Enough Rope (1978), London Calling (1979), Sandinista! (1980) e Combat Rock (1982).
    Todos os cinco discos foram remasterizados a partir das fitas originais por Mick Jones, e além deles a caixa trará três cds com faixas raras, demos e singles, além de um DVD com material inédito da época e uma nova edição do fanzine da banda, o Armageddon Time. A caixa em si é outro espetáculo, em forma de boombox, aqueles antigos rádios americanos, tudo com direção de arte do baixista Paul Simonon.
    Mick Jones comentou sobre a caixa: “A remasterização é uma coisa realmente maravilhosa. É o ponto musical disso tudo, pois tem tanta coisa ali que você nunca ouviu antes. É como descobrir coisas. pois os avanços da masterização são imensos desde a última vez que (o catálogo passado do Clash) foi remasterizado nos anos 1990… Tivemos que cozinhar as fitas antes de tudo, a oxidação delas é onde a música está, então se você não coloca-las no forno e cozinha-las, tudo se perde, pois elas estão bem velhas“.
    A caixa será lançada lá fora no dia 9 de setembro. Assista abaixo a um teaser trailer do box.


    Fonte: Zona Punk.

     
  • paulocarames 12:31 em 29/08/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , 2013, , , , james caviezel, Jim Caviezel, Kevin Chapman, Michael Emerson, person of interest, , , Taraji P. Henson   

    Série – Person of Interest (2011-) 

    person of interestApós os atentados de 11 de setembro o governo americano implanta um novo sistema de vigilância capaz de monitorar toda comunicação eletrônica desde e-mails e celulares até câmeras de segurança.

    A ferramenta desenvolvida por Mr. Finch (Michael Emerson) é capaz de prever ameaças terroristas com base nos dados que coleta. Além de dados sobre atentados o sistema também prevê outras ameaças, que afetam o cidadão comum mas que são irrelevantes para os interesses do governo.

    O sistema fornece um número de seguro social do envolvido, podendo ele ser a vítima ou o agressor mas sem determinar quando o crime irá acontecer. Cabe a John Reese (Jim Caviezel) ex-boina verde e ex-agente da CIA descobrir se terá que impedir ou proteger a pessoa em questão.

    Ele utiliza informações de campo de Lionel Fusco (Kevin Chapman), um policial corrupto que se vê obrigado a mudar de lado ao colaborar com a dupla Reese/Finch – força bruta e cérebro das operações.

    Com boas cenas de ação ao estilo dos melhores filmes de Steven Seagal, Caviezel derruba os oponentes na porrada mas quando necessário também dá seus tiros com a precisão de quem foi treinado para ser o melhor.

    A produção é de JJ Abrams (diretor de Star Trek e Super 8) e a direção fica a cargo de Jonathan Nolan (co-roterista de Batman, o cavaleiro das trevas), irmão de Christopher Nolan (diretor de Batman, o cavaleiro das trevas e A Origem).

     
  • paulocarames 10:00 em 13/08/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , , , ,   

    Richie Ramone anuncia primeiro disco solo 

    richie
    Substituto de Marky Ramone na bateria dos Ramones nos discos Too Tough to Die (1984), Animal Boy (1986) e Halfway to Sanity (1987), Richie Ramone anunciou o lançamento de seu primeiro álbum solo.

    Com considerável atraso em relação aos demais – Marky e CJ já estão na estrada desde 96 lançando diferentes projetos – o disco deverá chamar-se Entitled e foi gravado e produzido pelo próprio músico. A mixagem foi feita em Los Angeles onde ele vive e conta com Tommy Bolan (Warlock), Clare Misstake (Antiproduct) e Ben “Wah” Reagan (The Feederz).

    O lançamento está previsto para o sugestivo dia 8 de outubro (aniversário de outros dois ramones: Johnny e CJ).

    A pré-venda já está disponível no site da Interpunk.com ou Shopradiocast.
    richieramone-entitled


     
  • paulocarames 10:00 em 30/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , ,   

    CJ Ramone no Hangar 110 

    05/07/2013 – Hangar 110 – São Paulo/SP

    CJ Ramone no Hangar 110
    A turnê de 11 datas pelo Brasil, a mais extensa que já fez, vem confirmando o que todo mundo já sabia, o quanto o show de CJ é bom e funcional em cena. Pude conferir o show em Santos, e agora no nosso CBGB’s, o Hangar 110, e a recepção foi igualmente calorosa, bem como a satisfação na cara dos presentes ao final do show. Com pouquíssima variação de um show pro outro (em SP tocaram “Today Your Love, Tomorrow The World” ao invés de “I Wanna Be Sedated” executada em Santos, além da ordem do set ser outro), a animação em palco ao menos era igual, com o quarteto tocando com garra e vontade.

    “Strenght To Endure” e “The Crusher” foram novamente as mais festejadas entre os covers ramônicos, talvez por serem as faixas que CJ cantava originalmente; já nas faixas do “Reconquista“, apenas uma parcela do público conhecia e cantava as canções, mas notavelmente mais pessoas que no ano passado e mais que em Santos no começo da semana.

    CJ vai terminar essa gira nacional consagrado como artista solo, e repito, com o melhor show que você pode assistir de um ex-Ramone. Set list impecável, simpatia e humildade, são ingredientes de uma fórmula imbatível. Ao terminar de tocar a última nota do show, CJ falou ao microfone, o óbvio que simboliza aquilo tudo: “Yeah, Ramones forever”.

    Um capítulo a parte na noite foi a escalação do supporting act, o polêmico Garotos, grupo que contém 50% do grupo conhecido como Garotos Podres, bem como seu repertório. Após desentendimentos internos, Mao e KK seguiram para uma nova banda (e brigam na justiça pela marca da banda original contra os outros integrantes e empresário), Sukata e Caverna seguem acompanhados de Denis Piui na guitarra e Gildo Constantino (ex-Pátria Armada) nos vocais, continuando sob o guarda-chuva de Garotos (Podres).

    Sem tomar partido ou se envolver em polêmicas, o fato é que o Garotos tem um set-list com alguns dos maiores clássicos do (punk) rock nacional, e fez bom uso disso pra animar o show, tocando “Oi! Tudo Bem?”, “Papai Noel Velho Batuta”, “Anarquia Oi!”, entre outros clássicos que foram cantados em uníssono. O conjunto aproveitou a ocasião também para tocar uma faixa nova chamada “Desaparecidos”. O resultado disso tudo? Aguardamos cenas do próximo capítulo.

    Clássicos imortais do cancioneiro punk, a melhor casa de show underground do Brasil, público legal e amistoso, cerveja gelada. Acho que não faltou nada. Passa a régua. Próximo.

    Por Wladimyr Cruz no Zona Punk em 5/7/2013.

     
  • paulocarames 10:00 em 23/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , ,   

    CJ Ramone em Bragança Paulista/SP 

    04/07/2013 – Clube De Regatas De Bragança – Bragança Paulista/SP

    CJ Ramone em Bragança Paulista/SP

    Já me antecipo e aviso que isso não é bem uma resenha de show, é um relato de um fã dos Ramones desde 1987 e elogios extremos não serão poupados. Agora podemos continuar.

    Bragança Paulista é uma simpática cidade do interior de SP situada entre Atibaia e a divisa de SP com Minas Gerais, famosa nacionalmente por ser a “terra da lingüiça” e depois pelos roqueiros do capeta do Leptospirose, somando tudo isso, imaginem um show praticamente gratuito (a entrada era apenas um litro de leite pra ajudar a criançada) com uma lenda viva do punk rock, ou melhor, um Ramone?

    Numa jogada de mestre da Secretaria de Cultura (leia-se Quique Brown), a população roqueira da cidade foi praticamente movimentada em sua totalidade, e até aqueles que não entendem muito da coisa também estavam lá, sem contar a correria durante a última hora para a troca de ingressos (nisso eu me incluo) e muita, mas muita gente da região comparecendo. Como já dizia a faixa na entrada do Clube de Regatas de Bragança Paulista, era uma “Quinta Dançante” e foi isso o que realmente aconteceu.

    A abertura da festa ficou a cargo dos locais do Space Cake que já é bem conhecida do pessoal da cidade e teve uma exposição maior nos anos 90, retornando a ativa recentemente pelo que me informei. O som embolado do salão que ainda não estava cheio sempre acaba comprometendo nessas horas mas a banda fez o seu set list com músicas próprias (e muitas na língua dos presentes) mesclando com alguns covers, destaque para “1, 2, 3, 4” do Little Quail and The Madbirds que foi uma grata surpresa e a bola fora “Rock n Roll High School” dos Ramones que começou e não terminou.

    Após meia hora e salão já praticamente lotado com gritos de “Hey Ho, Let´s Go!” aparece a lenda viva do punk rock, CJ Ramone. O set abre com “Judy is a Punk” e daí em diante há um desfile de clássicos do quarteto nova iorquino focando mais nos 3 primeiros álbuns. “Glad to see you go”, “Rockaway Beach”, “Beat on the brat”, “Listen my Heart”, “53rd & 3rd” e tantas outras tocadas com fidelidade por CJ e sua banda (lembrando que os guitarristas são Steve Soto e Dan Root, ambos do The Adolescents). “Danny Says” ganhou uma versão “direto ao assunto” e como uma das minhas preferidas dos Ramones, aquele sorriso besta ficou por 2 minutos estampado no rosto e o momento fofinho do show com “I wanna be your boyfriend” e “She´s the one” fez alguns casais se olharem com um brilho diferente e muitos ali inclusive com filhos pequenos. É o poder dos Ramones sobre as famílias.

    Vamos a outros pontos importantes: CJ veio pela segunda vez ao Brasil em tour do seu disco “Reconquista” e vou repetir o que alguns amigos já vem falando em outras resenhas: o diferencial desse Ramone é a humildade e a proximidade com o público. “Reconquista” é um puta discão, ainda que não tenha atingido um grande público, é um álbum de ótimas canções e CJ não soa como um cara que carrega o privilégio e a maldição da insígnia “Ramone” para fazer mais um caça-níquel. As músicas tem destaque legal também dentro do show (“What we gonna do now?”, “Three Angels” –dedicada a Joey, Johnny e Dee Dee) e ele está ali para mostrar que existe vida (e com grande qualidade musical) pós Ramones e isso pessoalmente me deixa muito feliz. “Baby Ramone” já não é mais baby, não tem mais o cabelo pinico (aliás, nem cabelo tem mais) e você ver seu ídolo da adolescência cantando “Strenght to Endure” e “The Crusher” há 3 metros de você, rapaz, é de derreter o coração mais gelado do mundo e cada porrada levada para chegar na grade (e apanhando para a namorada não apanhar também), não tem preço.

    Num show onde há um Ramone não sobra muito espaço para rótulos, essas coisas do tipo “isso é punk, isso é isso ou aquilo”, é simplesmente rock e numa festa dessa você encontra todos os tipos possíveis: havia uma menina na minha frente que a cada acorde agitava seu cabelo como uma hedbanger, tocava air guitar e parecia que a qualquer momento iria gritar “toca Sweet Child o mineeeeeee” com seu namorado há um passo atrás sem entender nada e ela pelo visto, ela também não conhecia uma música sequer dos Ramones, mas afinal de contas, o rock existe pra gente dançar, cantar junto e se divertir, não é mesmo?

    Por Fabiano Nick no Zona Punk em 4/7/2013.

     
  • paulocarames 10:00 em 18/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, Ana Maria Bahiana, , como ver um filme, Nova Fronteira,   

    Livro – Como ver um Filme 

    como-ver-um-filme-capaComo ver um filme é um livro pra quem gosta de cinema mas já passou da fase de apenas engolir os blockbusters e candidatos ao Oscar impunemente. Eles também estão no livro mas o espectro aqui é mais amplo.

    Desenvolvimento, pré-produção, produção, finalização, marketing e distribuição são vistos em detalhe por Ana Maria Bahiana mas apenas como aperitivo. O prato principal inclui um desfile de clássicos do porte de O Poderoso Chefão, Tubarão, Blade Runner e O Iluminado – pra citar alguns.

    Com uma filmografia tão seleta ela expõe com competência a maneira como os filmes são feitos desde fotografia e direção de arte chegando aos diferentes gêneros e o que mais os destaca e diferencia uns dos outros.

    Já a autora e escritora tem em seu currículo além da tradução do livro Como A Geração Sexo, Drogas E Rock N’ Roll Salvou Hollywood de Peter Biskind, uma entrevista com o próprio Francis Ford Coppola sobre o filme O Poderoso Chefão III. Um livro de quem conhece, destinado a quem quer entender.



     
  • paulocarames 10:05 em 16/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , ,   

    CJ Ramone em Santos 

    02/07/2013 – Tribal – Santos/SP

    CJ Ramone em Santos

    Este foi o segundo show que assisto de CJ Ramone defendendo o álbum “Reconquista“, e dá pra afirmar sem medo, o show de CJ é o melhor que você pode assistir de algum ex-Ramone. Marky pode ser “mais Ramone” (há quem diga isso), e Richie é o melhor músico, mas CJ tem gás, é fiel aos arranjos originais e, principalmente, tem um baita disco autoral que cada vez mais é reconhecido pelo público.

    Nesta noite de terça-feira, Santos pode conferir a volta de CJ por estes lados – ele esteve por aqui com o Bad Chopper no começo dos anos 2000 – em melhor forma do que antes, ao menos musical. Com um set recheado de Ramones de todas as fases e faixas de seu álbum solo, o script foi seguido à risca, quebrando o protocolo inicial com o segundo bis, com o cover de “I Wanna Be Sedated” e a própria “Aloha Oe”. No restante, os clássicos de sempre, abrindo com “Judy Is A Punk”, passando pelas menos óbvias “Danny Says” e “Endless Vacation”, levantando a massa em hinos como “Rockaway Beach”, “Blitzkrieg Bop”, “Sheena Is A Punk Rocker”, “Commando”, “Strenght To Endure” -a mais festejada do set-, “Do You Wanna Dance?”, “Teenage Lobotomy”, “Psycho Therapy”, e tantas outras. Do “Reconquista”, pintaram “What We Gonna Do Now?”, “Three Angels”, “You’re The Only One” e “Ghost Ring”.

    Acompanhado dos Adolescents Steve Soto e Dan Root, e do baterista Michael Stamberg, CJ festeja, deixa o público moshar, cantar junto, celebra a vida e obra dos Ramones como um fã, não como alguém que fez parte da história. A humildade é talvez uma das maiores e mais transparentes qualidades do baixista.

    Mesmo com o contra tempo da mudança de local em cima da hora, não podemos deixar de dar créditos e kudos para a produção local (Hard N’ Heavy, via Pepe Macia), que mais uma vez proporcionou a oportunidade de Santos conferir um show gringo durante a semana, mesmo com tudo jogando contra. Ah se todas as noites de terça fossem assim….

    Por Wladimyr Cruz no Zona Punk em 7/7/2013.

     
  • paulocarames 10:00 em 16/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , , ,   

    CJ Ramone: Santos FC homenageia artista em SP 

    Hey Ho, let’s go! Agora quem dá bola no Santos FC é CJ Ramone, ex-baixista do lendário Ramones e que atualmente segue em carreira solo. Considerado um dos artistas mais carismáticos do rock mundial, o músico está realizando uma nova longa turnê promocional do álbum “Reconquista” pelo Brasil. Ontem (05/07)*, momentos antes de se apresentar no Hangar 110, em São Paulo, ele ganhou camisa personalizada do alvinegro de Vila Belmiro.

    Imagem

    O presente é uma homenagem da torcida do Peixe, especialmente em nome de Walter Thiago, santista fanático e proprietário da London Calling, uma das lojas mais tradicionais de São Paulo. Outros importantes nomes como o vocalista Sebastian Bach (ex-Skid Row), o guitarrista Burce Kulick (ex-KISS) e a lendária banda feminina Girschool já entraram para o hall de artistas que ganharam este tipo de tributo.

    Christopher Joseph Ward foi escolhido para substituir Dee Dee, em 1989, e ficou até o fim da banda em 1996. Com o grupo, e já usando nome de CJ Ramone, lançou os álbuns Loco Live (1991), Mondo Bizarro (1992), Acid Eaters (1994) e Adios Amigos (1995). Depois disso, montou outros projetos como o Los Gusanos e Bad Chopper, e esteve outras oportunidades no Brasil para shows solo.

    Nesta nova excursão pelo país, CJ Ramone já passou por Florianópolis, Curitiba, Goiânia, Palmas, Taguatinga, Santos, Maringá, Bragança Paulista e São Paulo. Os próximos shows acontecem em Fortaleza (06/07 – Barraca Biruta) e Betim (07/07 – Espaço Garage Park). A CP Management agendou 11 shows, de 26 de junho a 7 de julho.

    No repertório, além de músicas de seu projeto solo, ele relembra clássicos como “Blitzkrieg Bop”, “Sheena Is A Punkrocker”, “Poison Heart”, “I Wanna Be Sedated”, “R.A.M.O.N.E.S.”, “Pin Head”, “Pet Cemetary”, entre outras.

    *Fonte: Whiplash.net em 7/7/2013.

     
  • paulocarames 10:00 em 09/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , , ramones interview, , ,   

    Entrevista com CJ Ramone 

    CJ Ramone

    Esta foi minha terceira oportunidade de entrevistar o grande CJ Ramone, o baixista que foi o motor na reta final da maior banda de punk rock da história.
    Humilde como sempre e como poucos, CJ conversa com quem vier, age como se não fosse uma estrela. E não é mesmo, é um cara comum, gente boa, daqueles de conversar no bar, sobre tudo, e por isso merece todo o respeito do mundo. Mostrou que um “moleque” pode chegar lá, e ao lado de mestres, mudar o rumo da história. Um papo rápido, com nosso amigo CJ Ramone.

    Você fez no final do ano passado uma campanha via Pledge, no esquema de crowdfunding, para o lançamento do “Reconquista“, em CD e Vinil, com recompensas tipo autógrafos, DVD, camisetas etc. Vi que você conseguiu enviar o material todo só na semana passada. Como foi essa experiência? Você acredita que foi a melhor forma de fazê-lo? Não demorou? Não seria mais fácil e rápido descolar uma gravadora, mesmo que independente?
    A minha experiência com o Pledge, e com o crowdfunding em si foi bem boa. É uma boa forma de manter as coisas DIY, e manter contato direto com seus fãs. Pra mim isso é uma coisa muito importante. O que aconteceu com o meu projeto foi que eu conheci o Pledge via um amigo meu que tinha uma empresa de management, e ia fazer a parte de produzir as coisas e enviar, e eu faria os updates, falaria com os fãs e tudo mais. A idéia era bem simples, a empresa faria o material, eu cuidaria dos fãs, mas infelizmente o que aconteceu foi que a empresa decidiu que ia mais fazer os produtos e envia-los pra mim…
    Eu vi que você fez os vinis com o pessoal da Pirate Press, você mesmo…
    Isso, eles fizeram um bom trabalho conosco inclusive. Então, eu e meu empresário ficamos numa situação bem ruim, pois tivemos que procurar quem prensaria os cds e dvds, os vinis, faria as camisetas, o que não é muito difícil de se fazer, mas estávamos despreparados para fazer isso, além de que estou sempre em tour, tenho três filhos, e era somente nós dois tendo que fazer tudo. Mesmo com as dificuldades, fizemos tudo, os produtos já foram enviados, conseguimos fazer os discos em um curto período de tempo e já enviamos. Eu e um amigo empacotamos tudo, escrevemos nos envelopes, selamos, preenchemos os formulários, mais ou menos umas mil encomendas, e tive que deixar tudo pronto antes de sair para esta turnê, pois não volto tão cedo pra Nova Iorque. Depois daqui do Brasil temos uma semana na Itália, então só volto pra casa depois do meio de julho.
    Mesmo com esse trabalho todo, você ainda acha que é a coisa certa a se fazer? Não acha que um selo independente iria facilitar as coisas?
    A coisa ficou difícil pra mim pois saiu do controle, mas normalmente me organizaria mais e faria tudo dentro da linha do (limite de) tempo do Pledge. Mas me pegaram de calças curtas. Mas ainda acho que o Pledge e o crowdfunding são um grande negócio.

    Você fala sobre manter o contato direto com seus fãs, e vejo que anda usando bastante o facebook, diariamente postando vídeos de artistas tipo Blondie, Motorhead, Cockney Rejects etc. É uma forma de mostrar isso aos seus fãs? Mostrar coisas, sons legais que talvez eles não conheçam? Acredita estar educando-os musicalmente?
    Quando eu comecei a postar vídeos no facebook, foi bem natural. Eu ouço música pra fazer tudo. Eu acordo, faço meu café e coloco um som. Tenho uma pequena rotina de manhã, de fazer o café e sentar e checar o facebook, e achei que seria legal colocar um som pra quando o pessoal chegar no facebook ter um som pra ouvir, se motivar, animar o dia, e foi assim que começou. Mas isso serve para muitos propósitos, não apenas para que conheçam ou curtam as músicas que eu curto, mas também para que se você ouvir e seguir o que coloco lá, vai ter uma… uma… como se diz?
    Uma espécie de linha do tempo do rock?
    É, mas eu gosto de música, de vários tipos de música, e coloco de tudo lá, desde Elvis até Social Distortion, e tudo que há entre um e outro. As vezes é um som que tem a ver com o clima que estou no dia, ou algum som que me surge na cabeça antes de ter ido deitar na noite anterior, sabe? É como se eu tivesse todos meus fãs em casa curtindo um som comigo.

    Ainda no facebook, na semana passada você pediu pros brasileiros contarem pra você o que estava rolando aqui, o lance dos protestos, passeatas etc. Não chequei todas as respostas, mas enfim, deu pra sacar? O que você achou? E por que você perguntou? Como ficou sabendo do que estava rolando?
    O motivo de eu ter perguntado no facebook foi porque a imprensa dos EUA estava noticiando que tudo aquilo era porque os brasileiros estavam putos com um aumento de 20 centavos na tarifa, e eu sabia que isso não era verdade. Eu venho aqui há mais de 15 anos, e não acho que eu saiba algo sobre sua política e seus problemas, mas eu sabia que não poderia ser só sobre isso, então eu perguntei, “contem pra mim, o que está acontecendo?”, assim todo mundo pode ficar sabendo o que realmente está rolando, que não é sobre o aumento. Acho que é um momento bem interessante no Brasil, acho que o mundo está vendo pela primeira vez o povo guiando o governo para a direção que o povo quer. E eu não acho que violência seja bom, coisas pegando fogo nas ruas e tal, mas as vezes você tem que fazer coisas para conseguir a atenção do governo, força-lo a ter que resolver os pontos. Nos EUA se conseguiu direito aos negros, às mulheres, se colocando dessa forma, tentando não ser um país injusto com essa parte da população. É um crescimento natural para qualquer país, e a coisa legal sobre o Brasil é que todo mundo no mundo pode ver isso agora, ver que a mudança é possível. Tavez o Brasil consiga ser o estopim para que outros países lutem contra os mesmos problemas.

    Pra finalizar, o que falar sobre essa nova tour? O que há de diferente destes shows para os do ano passado?
    Este ano estamos tocando mais música do “Reconquista”, Steve Soto e Dan Root do Adolescents estão comigo – apesar que estiveram comigo aqui da última vez também… Não posso dizer que vai ser muito diferente além do set ter mais do “Reconquista”, essa é uma das belezas da coisa, quando você vai ao meu show, você sabe o que você vai ter, um show de rock muito, muito bom. Esperamos vocês.

    Entrevista por Wladimyr Cruz no Zona Punk em 3/7/2013.

     
  • paulocarames 10:00 em 18/06/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , june carter cash,   

    Museu de Johnny Cash é aberto em Nashville 

    Museu de <B>Johnny Cash</b> é aberto em Nashville

    Foi inaugurado na última Quinta-feira em Nashville, Tennessee, Estados Unidos, um museu em homenagem a um dos maiores músicos de todos os tempos, o mestre Johnny Cash.

    Quem fundou o museu foi o casal formado por Bill e Shannon Miller, e de acordo com ela, os fãs do cantor estavam sem um lugar para visitar desde que a casa do cara em Hendersonville pegou fogo em 2007.

    Ela ainda completou:

    Elvis tem Graceland, mas não havia nada para nós. Nós precisávamos trazer isso de volta ao Tennessee. Precisávamos de algo para todos os fãs. Estamos muito felizes em podermos dizer aos fãs que há um lugar para celebrar a obra de Johnny Cash e se tornar parte de todas as festividades.

    Se você quiser ir ao museu quando viajar para Nashville, o endereço é 119 Third Ave. S.

    Fonte: Tennessean

    TÚMULOS DE JOHNNY CASH E JUNE CARTER CASH

    Em Abril desse ano, o TMDQA! esteve nos EUA e passou por diversos pontos do país, sendo que um deles foi o cemitério em Hendersonville, Tennessee, onde estão enterrados, lado a lado, Johnny Cash June Carter Cash.

    Logo abaixo você pode ver uma foto que tiramos por lá e publicamos em nosso Instagram oficial.

    Museu de <B>Johnny Cash</b> é aberto em Nashville

    Postado no TMDQA.

     
  • paulocarames 10:00 em 28/05/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2013, , , , ,   

    Rhino Records anuncia box set com 10 discos do ZZ TOP (Todos com a mixagem original) 

    Quando o CD surgiu e tomou conta do mercado, substituindo os discos de vinil, uma das ideias mais estúpidas das gravadoras foi relançar alguns títulos com novas remasterizações substituindo as originais. Entre as mais notórias vítimas dessa iniciativa estavam os primeiros álbuns do ZZ Top, que tiveram a empoeirada sonoridade original substituída pelos timbres saturados e eletrônicos tão em voga no final da década de 1980 e início da de 1990.

    Agora, finalmente, essa questão foi resolvida. A Rhino lançará no próximo dia 10 de junho o box The Complete Studio Albums 1970-1990, com os 10 álbuns gravados pelo trio no período em questão. O pacote inclui os discos ZZ Top’s First Album (1971), Rio Grande Mud (1972), Tres Hombres (1973),Fandango! (1975), Tejas (1976), Degüello (1979), El Loco (1981), Eliminator (1983), Afterburner(1985) e Recycler (1990). Todos tiveram sua mixagens originais mantidas, para alívio dos fãs. Esta também é a primeira vez que ZZ Top’s First AlbumRio Grande Mud e Tejas ganham edições em CD com as mixagens originais. Os tracklists também seguem o antigo alinhamento, sem faixas extras.

    Publicado no Collectors Room.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: