Marcado como: 2014 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • carames 10:00 em 28/03/2015 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, 25 de novembro, , , , David Hidalgo Jr, , , last chance to dance, , , , , , , , , The Racket Room, The Raven and The Crow Inc   

    LP/CD – CJ Ramone: Last Chance to Dance 2014 

    CJ Ramone - Last Chance to Dance 0
    Em agosto de 2014 foi anunciado que a gravadora Fat Wreck Chords de Fat Mike (NOFX) iria lançar o novo álbum de CJ Ramone e já no mês seguinte saiu o single com Understand Me? (falando que é preciso acreditar para as coisas darem certo) e Rise Above (cover do Black Flag gravada e mixada por Daniel Rey durante as sessões do álbum anterior de CJ, Reconquista).

    Last Chance To Dance (segundo disco em que o artista assina como CJ Ramone), lançado em 25 de novembro, tem a faixa título do single abrindo caminho para mais onze músicas sendo que algumas delas apresentadas por CJ em sua mais recente turnê no Brasil.

    Para as gravações nada menos que Steve Soto e Dan Root (Adolescents) nas guitarras/backing vocals e David Hidalgo Jr (Social Distortion) na bateria, além da produção executiva de Jiro Okabe (também produtor de Reconquista e baixista em Entitled de Richie Ramone).

    A autobiográfica Won’t Stop Swinging ganhou vídeo gravado no Bar Opinião em Porto Alegre e conta a trajetória do músico antes de ficar conhecido como baixista dos Ramones.

    One More Chance é a promessa de fazer a coisa certa depois de um arrependido pedido de desculpas e Carry Me Away fala sobre ficar três anos no mar longe de Evangeline, suplicando aos amigos que o levem de volta pra casa. O Final é de cortar o coração.

    ‘Til The End é uma bela balada com letra simplista que se encaixaria muito bem em um single com Life’s a Gas enquanto Long Way To Go fecha o lado A deixando claro que há um longo caminho pela frente.

    Mr. Kalashnikov (tributo a Mikhail Kalashnikov, criador da AK-47) dá início à segunda metade da empreitada e é a única a chegar a quatro minutos de duração e precede as rápidas Pitstop e Grunt que logo são interrompidas pela balada You Own Me (que se identifica mais com as primeiras canções do disco).

    Pra fechar, impossível não lembrar de Teenage Lobotomy logo nas primeiras batidas de Last Chance To Dance, canção animada mas também nostálgica. Clusterfuck é um rolo compressor sem freios ladeira abaixo durante 59 segundos.

    A exemplo do single (lançado nas cores preta e verde) o disco ganhou duas edições em LP: rajado em branco/preto e todo preto além do CD em formato digipack.

    Fica a torcida para que CJ continue lançando bons discos como este e que não seja de fato nossa última chance de dançar ao som de um Ramone.

    Ficha Técnica:
    The Raven and The Crow Inc e Fat Wreck Chords – produzido por CJ Ramone, Jim Monroe e Steve Soto.

    CJ Ramone – baixo e vocal
    Steve Soto – guitarra e backing vocal
    Dan Root – guitarra e backing vocal
    David Hidalgo Jr – bateria
    Pete Sosa – percussão

    Edição Original
    01 Understand Me? 2:08
    02 Won’t Stop Swinging 2:00
    03 One More Chance 1:51
    04 Carry Me Away 3:10
    05 ‘Til The End 2:48
    06 Long Way To Go 2:33
    07 Mr. Kalashnikov 4:04
    08 Pitstop 2:26
    09 Grunt 1:33
    10 You Own Me 2:42
    11 Last Chance To Dance 3:12
    12 Clusterfuck 0:59
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 6CJ Ramone - Last Chance to Dance 7
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 8CJ Ramone - Last Chance to Dance 9
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 10CJ Ramone - Last Chance to Dance 11
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 12CJ Ramone - Last Chance to Dance 13

    Edição em CD Digipack:
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 1
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 2
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 3
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 4
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 5

    Edição Argentina em CD:
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 14
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 15
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 16
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 17
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 19CJ Ramone - Last Chance to Dance 18
    CJ Ramone - Last Chance to Dance 20
    pinhead records 1pinhead records 2

    Single:
    CJ Ramone - Understand Me 0CJ Ramone - Understand Me 1
    CJ Ramone - Understand Me 8CJ Ramone - Understand Me 9
    CJ Ramone - Understand Me 4CJ Ramone - Understand Me 5




     
  • carames 10:00 em 25/11/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , 2014, Aidan Gillen, Alfie Allen, Ben Crompton, , Charles Dance, Conleth Hill, Daniel Portman, Emilia Clarke, Finn Jones, , Gwendoline Christie, , Iain Glen, Ian McElhinney, Isaac Hempstead Wright, Jack Gleeson, Jerome Flynn, Joe Dempsie, John Bradley, Julian Glover, Kit Harington, Kristian Nairn, Lena Headey, Liam Cunningham, Maisie Williams, Mark Stanley, Michelle Fairley, Natalie Dormer, Nathalie Emmanuel, Nikolaj Coster-Waldau, Peter Dinklage, Richard Madden, Rory McCann, Rose Leslie, , Sibel Kekilli, Sophie Turner, Stephen Dillane,   

    Trailer: Game of Thrones 2011 

     
  • carames 10:00 em 24/11/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, 21 de novembro, , curitiba, , , music hall, , , , , , ,   

    Marky Ramone: Ao vivo no Music Hall, Curitiba – 21 de novembro de 2014 

    10799598_10153340373163032_1611688821_n
    Não conheço outro gênero musical que, tal como o rock n’ roll, crie tamanho senso de unidade em seus adeptos. Você chega no primeiro dia de aula e no fundo da sala vê alguém com uma camiseta de banda e instintivamente já sabe que vai ter companhia e assunto para o restante do ano.

    E ninguém melhor que os Ramones para personificar este conceito de irmandade. A adoção de sobrenomes idênticos (o que faz muitos leigos acharem que eram todos parentes) mas principalmente a persistência por tocar tanto tempo juntos apesar de todas as divergências – como se fossem de fato uma família de quem você pode até não gostar eventualmente, mas que não se desfaz por nada.

    Este sentimento ao longo do tempo foi incorporado pelos fãs da banda. Seja no Brasil, Argentina, Chile, Finlândia, Itália ou Japão, eles absorveram este espírito em parte por culpa de Joey e Dee Dee com suas letras sobre famílias disfuncionais mas ao mesmo tempo felizes (We’re a Happy Family e Cretin Family, para dar apenas dois exemplos mais explícitos).

    Foi com este espírito de família reunida que na noite de sexta, 21 de novembro, fãs de vários lugares do Brasil se reuniram na capital paranaense para prestigiar o lendário baterista Marky Ramone. Ele tocou em mais discos e em mais shows que qualquer outro que assumiu este posto ao longo dos 22 anos de carreira da banda.

    É verdade que nem por isto ele é uma unanimidade, principalmente nos últimos anos quando não se esquiva de declarações polêmicas se autointitulando o único e verdadeiro defensor do legado ramônico na terra – mesmo sendo esta uma discussão estéril.

    Polêmicas à parte, ele recebeu fãs no lobby do hotel onde tirou fotos e por um bom tempo autografou, literalmente, mais de uma centena de itens esbanjando simpatia e pedindo “publiquem as fotos no twitter e instagram” e ao final da sessão improvisada fez questão de posar para foto com alguns dos itens que recém assinara.

    10633680_10153337887543032_2829969891257160077_o

    Para o show no Music Hall, ele contou com a companhia do guitarrista Marcelo Gallo e a surpresa Oscar (John Fontaine, vocalista da italiana Wardogs) substituindo Michale Graves que o acompanhou nas últimas turnês de sua Marky Ramone’s Blitzkrieg. Passagem de som feita e casa com boa presença de público, restou ao quarteto subir ao palco e mandar ver três dezenas de hits ramônicos.

    O estilo de Oscar lembra Joey no começo da carreira, claro que o biotipo alto e magro ajuda, mas sua principal contribuição é a execução sem firulas nem paradas o que contribuiu para fluidez do show. Com Menos pausas restou a Marc Bell surrar a bateria impiedosamente.

    Clássicos absolutos como Cretin Hop, Rockaway Beach, I Wanna Be Sedated e Judy is a Punk foram apresentados em velocidade ultrasônica ao longo de pouco mais de uma hora e dois bis.

    Do you remember Rock n’ Roll Radio embalou a homenagem a Tommy Ramone, baterista a quem Marky sucedeu na banda. Tomorrow She Goes Away surgiu como uma bela surpresa em meio a hits que não poderiam ficar de fora como I Believe in Miracles e The KKK Took My Baby Away.

    Numa clara homenagem a Joey, a dobradinha Life’s a Gas (uma pérola de uma linha só: “não fique triste pois eu estarei lá, não fique triste mesmo”) e What a Wonderful World (única que não faz parte do repertório do quarteto).

    Ao final, vários amigos unidos a partir do interesse comum nesta banda única e o êxtase de ver um ‘senhor’ de 56 anos tocando bateria como fosse uma locomotiva sem freios e fechando o show com Blitzkrieg Bop. Você pode estar pensando “mas então foi um show tributo aos Ramones?”, sim, mas com um Ramone na bateria.

    Setlist:
    rockaway beach / teenage lobotomy / psycho therapy / do you wanna dance / i don’t care / sheena is a punk rocker / 53rd and 3rd / now i wanna sniff some glue / gimme gimme shock treatment / rock ‘n’ roll high school / oh oh i love her so / tomorrow she goes away / surfin’ bird / judy is a punk / i believe in miracles / the kkk took my baby away / pet sematary / chinese rock / i wanna be sedated / i don’t wanna walk around with you / pinhead

    rock ‘n’ roll radio / i just want to have something to do / i don’t wanna grow up / cretin hop / ramones

    i wanna be your boyfriend / life’s a gas / what a wonderful world / blitzkrieg bop

     
  • carames 10:00 em 18/11/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2014, , Constance Zimmer, Corey Stoll, Elizabeth Norment, , house of cards, Jeremy McLain, Kate Mara, Kevin Spacey, Kristen Connolly, Larry Pine, Mahershala Ali, Michael Gill, Michael Kelly, , Nathan Darrow, Rachel Brosnahan, , Robin Wright, Sakina Jaffrey, Sebastian Arcelus, ,   

    Trailer: House of Cards 2013 

     
  • carames 10:00 em 11/11/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , 2014, , Angela Bassett, , Denis O'Hare, Emma Roberts, Evan Peters, Frances Conroy, , , Kathy Bates, Lily Rabe, Sarah Paulson, , Taissa Farmiga,   

    Trailer: American Horror Story 2011 




     
  • carames 10:00 em 04/11/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , Danny Fischer, Dominic West, Jadon Sand, Jake Richard Siciliano, Joshua Jackson, Julia Goldani Telles, Kaija Matiss, Maura Tierney, Michael Godere, Nicolette Robinson, Ruth Wilson, , , the affair, , Victor Williams   

    Trailer: The Affair 2014 

     
  • carames 10:00 em 28/10/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , 2014, abc, Bellamy Young, , Columbus Short, Dan Bucatinsky, Darby Stanchfield, George Newbern, Guillermo Díaz, Jeff Perry, Joe Morton, Joshua Malina, Kate Burton, Katie Lowes, Kerry Washington, scandal, Scott Foley, , Tony Goldwyn,   

    Trailer: Scandal 2012 

     
  • carames 10:00 em 21/10/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, Andrew Stewart-Jones, Ben McKenzie, , Camren Bicondova, Cory Michael Smith, David Mazouz, David Zayas, Donal Logue, Erin Richards, gotham, Jada Pinkett Smith, John Doman, Robin Lord Taylor, Sean Pertwee, , , Victoria Cartagena, Zabryna Guevara   

    Trailer: Gotham 2014 

     
  • carames 10:00 em 14/10/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2014, , , Demian Bichir, Diane Kruger, Emily Rios, Eric Lange, Franka Potente, Johnny Dowers, Matthew Lillard, Ramón Franco, , Ted Levine, the bridge, Thomas M. Wright,   

    Trailer: The Bridge 2013 

     
  • carames 10:00 em 13/09/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 19 de abril, , 2014, , , , , , , Meltdown With The Ramones, , , , , , ,   

    Compacto – Ramones: Meltdown With The Ramones 1980/2014 

    ramones-meltdown with the ramones
    EP 7″ inglês lançado em 1980 com quatro canções dos Ramones tiradas dos discos Ramones, Rocket to Russia e Road to Ruin.

    Em 19 de abril de 2014 uma edição em 10″ foi lançada durante o Record Store Day com tiragem limitada (750 rosa e 5000 azuis) e em 45rpm.

    Ficha Técnica:
    Sire Records / Rhino Records

    Joey Ramone – vocal
    Johnny Ramone – guitarra
    Dee Dee Ramone – baixo, backing vocal
    Tommy Ramone/ Marky Ramone – bateria

    Traklist:
    A1 – I Just Want To Have Something To Do
    A2 – Here Today Gone Tomorrow
    B1 – I Wanna Be Your Boyfriend
    B2 – Questioningly
    ramones-meltdown with the ramonesramones-meltdown with the ramones (1)
    ramones-meltdown with the ramones (2)ramones-meltdown with the ramones (3)
    ramones-meltdown with the ramones (4)ramones-meltdown with the ramones (6)
    ramones-meltdown with the ramones (8)ramones-meltdown with the ramones (9)



     
  • carames 10:00 em 09/09/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , , , cond show, , , lugh, , , , , , , , ,   

    CJ Ramone em dose tripla no sul (2014) 

    cj ramone - 6 de setembro
    Tal como ocorrido em sua última passagem pelo Rio Grande do Sul em setembro de 2012, a tour de CJ Ramone pelo estado em 2014 ofereceu três momentos para os fãs interagirem com o músico.

    Começando em Novo Hamburgo na noite de 5 de setembro (após tocar em São Paulo, Goiânia, Santos, Uberlândia, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Florianópolis – num ritmo digno das intermináveis turnês dos Ramones) o ex-ramone se apresentou no Rock Show com abertura dos gaúchos da Tequila Baby, que já gravaram cd/dvd com o ex-parceiro de CJ, Marky Ramone.

    Na serra gaúcha o evento aconteceu no Cond Show Bar, em Caxias do Sul, com abertura da banda local Dones Primata. Em seguida foi a vez dos paulistas da Gritando HC com clássicos como Ande de skate e destrua, Quero ser punk com você e a apropriada Quero meu ingresso pro show dos Ramones.

    Em seguida foi a vez dos Replicantes com Festa Punk, Eu Quero é mucra, Astronauta e outras tantas, chamar a galera pra pista. Os veteranos irmãos Cláudio e Heron Heinz, ao lado do batera Cléber Andrade e de Júlia Barth, fizeram jus aos mais de 30 anos de estrada em show rápido mas com pegada que contou com um guitarrista adicional.

    O som, infelizmente deixou a desejar e acabou comprometendo não só as bandas convidadas mas também a atração principal. Após certa demora, CJ subiu ao palco acompanhado de Steve Soto e Dan Root (ambos do Adolescents) nas guitarras e Michael Wildwood (do D Generation– única mudança na formação que passou por aqui dois anos antes) na bateria.

    No setlist, um mix de canções do novo disco que será lançado em novembro, músicas do álbum Reconquista e, claro, vários clássicos dos Ramones. Chama atenção a predileção pelos primeiros discos do grupo. Exceção feita por Strenght to Endure, nenhuma interpretação remete ao tempo de CJ na banda, inaugurado em estúdio com Mondo Bizarro – e a lista não é pequena: Cretin Family, Scattergun, Makin Monsters for my friends, The Crusher, Main Man, My back pages, The Shape of things to come e Journey to the center of the mind.

    No dia em que se comemora a independência do Brasil foi a vez da capital gaúcha receber o último show desta tour no Bar Opinião – palco onde dois anos antes CJ fizera uma participação especial com os Ratos de Porão tocando Commando.

    Na noite de domingo a abertura ficou por conta dos santamarienses da Lugh. Com presença de palco e composições próprias o punk celta logo deu lugar a uma atração de última hora com a proposta de prestar um tributo aos Ramones mas que mostrou-se uma grande roubada.

    O pano de fundo com seu nome e a parede de tijolos do disco de estréia da banda já decoravam o palco pouco antes das 22h quando CJ e cia deram início ao show que durou pouco mais de uma hora mas, mais recheado que o da noite anterior.

    Algumas variações no set valeram o ingresso de quem pode acompanhar mais de um show. Entre as músicas novas destaque para Clusterfuck, hardcore no estilo Wart Hog. Para I wanna be your boyfriend uma mensagem dedicando a canção aos namorados e namoradas mas também namorados e namorados, namoradas e namoradas.

    Não poderia faltar Three Angels, homenagem a Joey, Dee Dee e Johnny (com a adequada menção a Tommy). Dannys Says foi uma das surpresas da noite, incluída de última hora. R.A.M.O.N.E.S. do Motorhead fechou a noite de reencontro, não só de CJ com os fãs mas de amigos que se encontram a cada evento ramônico. Agora é esperar pelo cd em novembro e pela próxima passagem dos caras por aqui.

    Setlist:
    judy is a punk/ understand me/ what we gonna do now/ commando/ king cobra/ judy is a punk/ ghost ring/ low on ammo/ danny says/ carry me away/ last chance to dance/ rockaway beach/ you’re the only one/ strength o endure/ 3 angels/ won’t stop swinging/ i wanna be your boyfriend/ glad to see you go/ clusterfuck/ one more chance/ 53rd and 3rd/ cretin hop/ blitzkrieg bop/ do you wanna dance/ california sun/ i wanna be sedated/ what’s your game/ i just want to have something to do/ sheena is a punk rocker/ r.a.m.o.n.e.s.

     
  • carames 10:00 em 26/08/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , , fat wrec chords, , , , , , , understand me   

    CJ Ramone lança novo single pela Fat Wreck Chords 

    cj ramone understand me CJ Ramone lança novo single pela Fat Wreck Chords

    O lendário baixista CJ Ramone assinou com o selo Fat Wreck Chords e novidades muito boas já foram anunciadas.

    A primeira delas é um novo single que será lançado no dia 30 de Setembro. Understand Me? comemorará os 25 anos do primeiro show de CJ com os Ramones, que aconteceu em 30 de Setembro de 1989, na Inglaterra. A segunda é a oficialização do novo álbum, intitulado Last Chance To Dance, ainda sem data de lançamento definida.

    Dan RootSteve Soto (ambos da banda The Adolescents) e David Hidalgo Jr.(Social Distortion) acompanham CJ tanto no single quanto no disco. Os músicos também participaram do primeiro registro solo do baixista (Reconquista, de 2012).

    O lado B de Understand Me? é uma versão da música “Rise Above“, do Black Flag. Dez Cadena (Black Flag, Misfits) toca guitarra e faz os vocais de apoio na faixa.

    Adquira o single na pré-venda clicando aqui e ouça ”Understand Me?” no fim da postagem.

    CJ RAMONE NO BRASIL

    No fim de de Agosto e início de Setembro, CJ Ramone excursionará pelo Brasil. Confira abaixo as datas e os locais por onde a turnê brasileira de CJ passará:

    cj ramone1 CJ Ramone lança novo single pela Fat Wreck Chords

    Post original TMDQA.

 
  • carames 10:00 em 29/07/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 10th Anniversary, 2014, 24 de agosto, , Duff McKagan, hollywood forever cemetery, , Johnny Ramone Tribute, , , , , ,   

    Johnny Ramone Tribute 10th Anniversary 

    JohnnyRamoneTribute10
    Acontece no dia 24 de agosto (no Hollywood Forever Cemetery em Los Angeles) o Johnny Ramone Tribute – 10th Anniversary, evento em homenagem ao ex-guitarrista dos Ramones. Organizado por Linda, viúva do músico, o evento contará ainda com Rob Zombie, Steve Jones (Sex Pistols) e Duff McKagan (Guns N’ Roses) entre outros.

    O evento terá exibição do filme Rejeitados pelo Diabo (de Rob Zombie), exposição de memorabilia de horror da coleção de Kirk Hammett e muito mais.

     
  • carames 10:00 em 08/07/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , , , d generation, , Michael Wildwood, , , , , ,   

    CJ Ramone anuncia datas de nova turnê pelo Brasil 

    CJ Ramone anuncia datas de nova turnê pelo Brasil

    Publicado em ZonaPunk.

    Após ser a primeira atração confirmada do renomado Porão do Rock, CJ Ramone, ex-baixista dos Ramones, anuncia praticamente todas as datas da terceira turnê consecutiva pelo Brasil.

    Acompanhado dos renomados Steve Soto (guitarra – Adolescents), Dan Root (guitarra – Adolescents) e Michael Wildwood (bateria – D Generation), CJ Ramone excursionará, entre 26 de agosto e 7 de setembro, em cidades as quais ainda não havia se apresentado.

    Considerado um dos artistas mais carismáticos da música mundial, o ex-integrante da histórica banda americana de punk tem os seguintes shows confirmados:
    28/08 – Bolshoi Pub – Goiânia/GO
    29/08 – Tribal Club – Santos/SP
    30/08 – TBA
    31/08 – Porão do Rock – Brasília/DF
    01/09 – TBA
    02/09 – TBA
    03/09 – Espaço Cult – Curitiba /PR
    04/09 – John Bull – Florianópolis/SC
    05/09 – Rock and Roll Sinuca Bar – Novo Hamburgo/RS
    06/09 – Associação Rural – Pelotas/RS
    07/09 – Opinião – Porto Alegre/RS

    O repertório será recheado por diversos clássicos dos Ramones, além das excelentes composições de seu álbum solo “Reconquista”. Também existe a possibilidade de que canções de seu novo disco integrem o set list.

    São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Brasília (DF), Curitiba (PR), Santos (SP), Florianópolis (SC), Palmas (TO), Taguatinga (DF), Maringá (PR), Bragança Paulista (SP), Fortaleza (CE), Estância Velha (RS) e Betim (MG) são as cidades que já receberam o ilustre músico.

    Christopher Joseph Ward foi escolhido para substituir Dee Dee, o lendário baixista dos Ramones, em 1989, e ficou até o fim da banda em 1996. Com o grupo, e já usando nome de CJ Ramone, lançou os álbuns Loco Live (1991), Mondo Bizarro (1992), Acid Eaters (1994) e Adios Amigos (1995). Depois disso, o artista montou outros projetos como o Los Gusanos e Bad Chopper, e inclusive chegou a receber um convite para tocar no Metallica, mas recusou a oferta para cuidar do filho, que havia sido diagnosticado com autismo.

    Promotores interessados em contratar o espetáculo devem entrar contato através dos e-mails contato@cacapratesmanagement.com.br, runawayrec@hotmail.com, cacaprates@live.com ou pelos telefones ID 55*11*43758, (55 11) 98149.9987 e (55 11) 99557.8358.

     
  • carames 10:00 em 17/06/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2014, disco de ouro, , ,   

    Ramones: primeiro álbum ganha disco de ouro após 38 anos 

    Post original em TMDQA.

    ramones ramones Ramones: primeiro álbum ganha disco de ouro após 38 anos

    Em 23 de Abril de 1976 o Ramones lançou seu primeiro disco de estúdio, homônimo, e emplacou verdadeiros hinos do punk e do rock’n’roll através de músicas como “Blitzkrieg Bop”“Beat On The Brat”, “I Wanna Be Your Boyfriend”, “Havana Affair” “53rd And 3rd”.

    Apesar do disco e da banda terem se tornado nomes dos mais conhecidos da história do rock, levaram 38 anos para que Ramones alcançasse a marca de 500.000 cópias vendidas, para ser certificado como um Disco de Ouro, o que aconteceu no último dia 30 de Abril.

    Vale lembrar que antes disso o grupo tinha alcançado a marca com Ramones Mania,coletânea lançada em 1988.

     
  • carames 10:00 em 05/06/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , , , , , os mercenários 3, , The Expendables, , wesley snipes   

    Trailer – Os Mercenários 3 (The Expendables 3) 2014 

     
  • carames 10:00 em 13/05/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, 9 de maio, , caxias do sul, , , , , , ,   

    Marky Ramone empolga público de Caxias com repertório de 37 canções 

    16471344

    siliane.vieira@pioneiro.com
    Marky Ramone entrou no palco do Cond Show Bar alguns minutos antes do previsto (0h30min), no início da madrugada deste sábado. Vestindo uma camiseta sem manga do lutador Muhammad Ali, ele parou bem no meio do palco e mandou alguns beijos ao público. Depois, posicionou-se atrás da bateria e começou a trabalhar. Não disse nada. Seria legal se arriscasse alguma palavra em português, se falasse que estava feliz, que era um prazer tocar novamente em Caxias? Talvez, mas ele preferiu as baquetas aos diálogos clichês. Menos palavras, mais punk rock. A noite começava bem.

    Antes do desfile de clássicos ter início, porém, o público (estimado em quase mil pessoas) foi situado do que estava prestes a acontecer. Tal qual no disco Loco Live, foi largada a trilha de Ennio Morricone para o spaghetti The Good, the Bad and the Ugly. A escolhida para abrir a apresentação foi Rockaway Beach, do terceiro e talvez mais icônico álbum dos Ramones, Rocket to Russia.

    Mas se Marky Ramone não interagia muito — ainda que tenha o poder de hipnotizar pessoas com seus movimentos de braços precisos na bateria — havia a presença marcante de Michale Graves, ex-vocalista dos Misfits. Com seu tradicional chapéuzinho, mas sem a franja preta e a pintura facial que o caracterizavam na banda, foi ele (e sua simpatia) o responsável por fazer a ponte entre a banda e o público. Graves pegou em muitas mãos, ganhou beijo de fã, deu água para a galera e até protagonizou um mini stage dive na beirinha do palco. Isso sem contar sua empolgante performance, remexendo os ombros ou simulando soquinhos no ar, dancinhas velhas conhecidas dos fãs dos Misfits.

    Com uma voz muito mais aguda que a do vocalista original dos Ramones, Joey, Graves conferiu nova personalidade a maioria das músicas, sem mudá-las ao ponto de irritar qualquer fã. Pontos muito altos da noite foram o coro dos fãs em músicas como Rock ‘N’ Roll High School, Beat on the Brat, I Wanna Be Sedated e Pet Sematary, talvez o maior hit dos Ramones. Apesar do repertório com 37 canções, algumas ficaram de fora e fizeram falta. Poison Heart, por exemplo. Apesar disso, outras menos usuais apareceram, como Loudmouth.

    Mesmo com público e bandas animados, um problema no som deu uma bela atrapalhada no show. Foi na sexta música, Sheena is a Punk Rocker que, como bem definiu uma fã, parecia que o Cond todo tinha começado a subir a Serra (com aquela pressão característica que a gente sente nos ouvidos). Tudo ficou abafado e a banda só podia ser escutada com melhor nitidez muito perto do palco. O problema permaneceu praticamente até o final. Uma pena.

    Durante o momento acústico e solo de Michale Graves a deficiência do som ficou mais evidente. Porém, não foi o suficiente para barrar a comoção do público com as versões intimistas e completamente repaginadas de Dig Up Her Bones e Saturday Night (dedicada por ele a Joey Ramone, morto em 2001). Sim, teve isqueiro aceso, aplausos nas pausas e coro de “Graves, Graves”. Até Marky foi motivado pelo vocalista em sua única “ida” ao microfone. O Ramone falou ao público: “Não existe Misfits sem Michale Graves”. Talvez ele tenha ouvido alguém da plateia que gritava pelo nome de Danzig, primeiro vocalista do Misfits.

    Com Marky de volta ao palco, o show se encaminhava ao fim. Para fechar, veio a balada Life’s a Gas e o cover de Louis Armstrong, What a Wonderful World, canção regravada por Joey Ramone em seu primeiro álbum solo e cantada quase em forma de celebração pela plateia. A última, Blitzkrieg Bop abriu uma roda punk gigantesca e descabelou até quem estava mais longe do palco. Terminada a canção, uma porta atrás do palco abriu-se e Marky Ramone entrou em sua van sem olhar para trás. O trabalho da noite estava feito.

    Veja repertório completo

    Rockaway Beach
    Teenage Lobotomy
    Psycho Therapy
    Do You Wanna Dance? (Bobby Freeman cover)
    I Don’t Care
    Sheena Is a Punk Rocker
    Havana Affair
    Tomorrow She Goes Away
    Commando
    I Wanna Be Well
    Beat on the Brat
    53rd & 3rd
    Now I Wanna Sniff Some Glue
    Gimme Gimme Shock Treatment
    Rock ‘N’ Roll High School
    Oh Oh I Love Her So
    Judy Is a Punk
    I Believe in Miracles
    The KKK Took My Baby Away
    Pet Sematary
    Chinese Rock
    I Wanna Be Sedated
    Loudmouth
    I Don’t Wanna Walk Around With You
    Pinhead
    Do You Remember Rock ‘N’ Roll Radio?
    I Just Want to Have Something to Do
    She’s the One
    California Sun
    Have You Ever Seen the Rain?
    Cretin Hop
    R.A.M.O.N.E.S.
    Dig Up Her Bones (Michale Graves)
    Saturday Night (Michale Graves)
    Life’s a Gas
    What a Wonderful World
    Blitzkrieg Bop

    Texto retirado do site do jornal Pioneiro.


     
  • carames 10:00 em 06/05/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: 2014, , , , , século sinistro   

    Novo disco do Ratos de Porão chega em maio 

    rdp - século sinistro

     
  • carames 10:00 em 18/02/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2014, , , , , , , , , , , , , , , ,   

    Entrevista exclusiva com Craig Leon, produtor do disco de estréia dos Ramones 

    RamonesFirstAlbum

    Crédito: Site oficial de Craig Leon


    A história já é um tanto conhecida: entre 2 e 19 de fevereiro de 1976 os Ramones gravaram no estúdio Plaza Sound em Nova York (ao custo de meros 6400 dólares) 14 músicas que somadas tem 28 minutos e 53 segundos e que fariam parte de seu primeiro lançamento.
    A mixagem foi feita da mesma forma que os discos dos Beatles nos anos 1960, baixo no canal esquerdo e guitarra no direito com bateria e vocal misturados no meio.

    A foto da capa, simples mas incomum para época, mostrava quatro outsiders do Queens em Nova York vestindo calças jeans surradas e jaquetas de couro, mesmo visual de rua usado por eles no palco (ao contrário de astros de hard rock que se produziam/fantasiavam antes das apresentações).

    ramones-ramonesphotosession

    Crédito: Roberta Bayley


    As fotos feitas inicialmente não agradaram o selo que acabou pagando 125 dólares a Roberta Bailey que os clicou em frente a um muro em uma rua próxima ao CBGB’s (clube onde fizeram seus primeiros shows e que seria lendário para cena punk). Além da capa, suas fotos foram usadas na divulgação da banda.

    O disco lançado em 23 de abril daquele ano vendeu apenas 7 mil cópias mas acabou entrando para história não pela vendagem mas por ser um marco definitivo estabelecendo: ANTES e DEPOIS dos Ramones.

    Nesta entrevista exclusiva o produtor deste clássico, Craig Leon, fala destes temas e também dos recentes relançamentos que tem sido feitos com diferentes reedições, principalmente dos primeiros álbuns.

    Nascido em Miami a 7 de janeiro de 1952, ele ainda desmente a versão que muitas biografias dão de que as demos produzidas por Marty Thau seriam decisivas para o pouco tempo e baixo orçamento das sessões.

    No currículo de produtor, além dos Ramones, Leon trabalhou com, Blondie, Luciano Pavarotti, Richard Hell & The Voidoids, Suicide, Andreas Scholl, James Galway e Cassell Webb e tem ainda vários trabalhos como compositor.

    craig-leonSequela Coletiva: Como Você se tornou produtor do primeiro disco dos Ramones?
    Craig Leon: Eu trabalhava como responsável por Artista & Repertório para um pequeno selo (Sire Records). Eu vi a banda tocando no CBGB e os levei para o selo. Quando eles assinaram eu produzi o disco como parte do meu trabalho.

    SC: Os temas das músicas dos Ramones eram bastante incomuns naquela época. Você ficou surpreso com elas?
    CL: De forma alguma. Eu gostei muito das letras deles.

    SC: Você acreditava em 1976 que os Ramones se tornariam uma banda importante?
    CL: Sim. Pq? Porque eles éram ótimos.

    SC: No começo, o selo ofereceu contrato para apenas um single. Como você convenceu-os a reconsiderar e oferecer contrato para um disco?
    CL: Disse que poderia gravar um disco inteiro pela quantia que eles queriam gastar pra fazer um ou dois singles. Meu chefe disse que se conseguisse fazer isto poderia gravar um álbum. Então foi o que fiz.

    SC: Quem na banda era responsável por tomar decisões?
    CL: Tommy era o líder da banda e inventor de sua identidade visual (junto com Arturo Vega). Acho que ele tomava as decisões pelo grupo.

    SC: E quem era o cara mais engraçado?
    CL: Todos.

    rockscene-set1976-1

    Revista Rockscene (set/1976): divulgação do disco de estréia da banda

    SC: É sabido que a banda não tinha muito conhecimento técnico em como tocar os instrumentos. Como eles lidaram com isto?
    CL: Ensaiamos um pouco para deixar a banda no ponto para gravar. É um mito que eles tocaram ao vivo no estúdio sem preparação. Não funciona desta maneira.

    SC: Isto atrapalhou as sessões de alguma forma?
    CL: Não. Eles estavam completamente preparados para fazer as gravações quando nós fomos para o estúdio.

    SC: A mixagem do disco é bem conhecida por ter baixo e guitarra em canais diferentes. O que pode nos dizer sobre isto?
    CL: A respostas está nas prensagens inglesas das primeiras gravações dos Beatles.

    SC: De onde veio a idéia de gravar desta forma?
    CL: Eu amava os Beatles do início e trabalhei numa sessão que George Martin fez pouco antes de eu trabalhar com os Ramones. A banda também amava essas sessões.

    SC: Qual o papel das demos produzidas por Marty Thau em 1975 para o resultado final do disco?
    CL: Quase nenhum. Quando meus chefes ouviram aquelas demos, quase decidiram não assinar com a banda. Prometi que o primeiro disco dos Ramones não se pareceria em nada com aquelas demos.

    SC: O Ramones sempre enfrentou dificuldades em estúdio durante a carreira, pois os produtores não sabiam como trabalhar uma banda como eles. No entanto, você fez uma obra prima já na primeira oportunidade. Como conseguiu isto?
    CL: Odeio ser presunçoso mas eu sabia o que estava fazendo. Continuo sabendo. Os outros citados, não.

    SC: Outro grande momento a respeito deste disco está relacionado com a capa. Como foi decidido usar a foto de Roberta Bayley ao invés das feitas inicialmente?
    CL: Você tem que perguntar isso a Toni Scott (Wadler) que fez aquele trabalho. Não sei nada a respeito. Exceto que pedi que a capa invocasse o espírito do primeiro Fugs, o que aconteceu.
    the-fugs-the-fugs-first-album

    SC: Existe alguma foto da sessão original que se tornou conhecida depois da escolha da foto de Roberta?
    CL: Acho que não, mas de novo… Não sei muito sobre esta parte do projeto.

    SC: Mickey Leigh (irmão de Joey) reinvindica em seu livro algum crédito nas gravações. Você lembra dele nas sessões?
    CL: Ele estava lá. Era o roadie da banda.

    SC: Você interferiu na escolha de que músicas se tornariam single?
    CL: Sim. Bastante.

    rockscene-jul1976-1

    Revista Rockscene (jul/1976): cobertura da curta sessão de gravação.

    SC: Antes de assinar com a Sire Records os Ramones já haviam feito várias músicas. Tem alguma das canções incluídas nos discos posteriores que você gostaria de ter gravado neste primeiro?
    CL: A banda escolheu as músicas para o disco. Era direito deles fazer isto. Apoio a escolha.

    SC: Você foi consultado sobre algum dos recentes relançamentos?
    CL: Não, e isto é triste. Os relançamentos dos Ramones sonoramente são terríveis. Tanto Ed Stasium quanto eu coçamos a cabeça tentando imaginar porque os idiotas que estão relançando estes discos não perguntam nossa opinião a respeito dos discos que produzimos.

    SC: Na sua opinião, porque este disco não vendeu tanto mas influenciou tantas gerações?
    CL: Vendeu o suficiente com o passar dos anos. A Sire não tinha estrutura para vender a banda.

    SC: Qual sua canção favorita no primeiro disco e porque?
    CL: Todas. São grandes músicas. Porque? Por ser 100% eles.

    SC: Qual sua opinião a respeito da produção dos outros discos?
    CL: Gosto muito do trabalho de Ed. O disco do Spector é uma merda. Ele era um gênio, mas não mais quando produziu a banda. Ficou cada vez pior depois disto.

    SC: Para terminar: Qual o legado que os Ramones nos deixaram?
    CL: Eles representam o fim de uma era – do verdadeiro rock and roll.


     
  • c
    escrever novo post
    j
    post seguinte/ comentário seguinte
    k
    post anterior/comentário anterior
    r
    Resposta
    e
    Editar
    o
    mostrar/esconder comentários
    t
    voltar ao topo
    l
    vá para login
    h
    mostrar/ocultar ajuda
    shift + esc
    Cancelar
    %d blogueiros gostam disto: