Marcado como: beatles Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • mateus 16:45 em 26/09/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: abbey road, apple records, beatles   

    43 anos de “Abbey Road” 

    Em 26 de setembro de 1969 era lançado na Inglaterra o 12º disco dos Beatles, “Abbey Road”.

    O álbum foi gravado meses depois das sessões que originaram “Let It Be”, embora tenha sido lançado antes do mesmo, sendo este o último registro dos Beatles em estúdio.

    A capa contém, talvez, uma das imagens mais emblemáticas de todos os tempos no cenário do rock, mas a mesma era só um dos elementos de um álbum histórico, cujo título remete à rua, de mesmo nome, onde se situa o Abbey Road Studio.

    A foto foi tirada no dia 8 de agosto de 1969 numa sessão de seis fotos que levaram não mais do que 10 minutos, nos quais Lennon só queria “tirar a foto e sair logo dali, deveríamos estar gravando o disco e não posando pra fotos idiotas”.

    Idiota ou não, a capa foi objeto de teorias de que Paul McCartney teria morrido em um acidente de carro em 1966 e substituído por um sósia. Segundo alguns “beatlemaníacos”, a foto contém pistas disso, como por exemplo, os pés descalços de Paul, seus olhos fechados, o carro vindo em sua direção, entre outras.

    Para brincar com a lenda, o próprio McCartney, em 1993, lançou o álbum “Paul is Alive”, cuja capa mostra ele na mesma faixa de pedestres.

    A lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame coloca “Abbey Road” na 12ª posição, atrás de outros discos como “Ten” do Pearl Jam, “Nevermind” do Nirvana, “IV” do Led Zeppelin e “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” dos próprios Beatles.

    Segundo a revista Rolling Stone, “Abbey Road” é o 14º melhor álbum de todos os tempos.

    Ficha Técnica:

    Gravação: Abbey Road e Trident Studios (Londres) entre 22 e fevereiro e 20 de agosto de 1969

    Produção: George Martin

    Gravadora: Apple Records

    Traklist:

    1 – Come Together
    2 – Something
    3 – Maxwell’s Silver Hammer
    4 – Oh! Darling
    5 – Octopus’s Garden
    6 – I Want You (She’s So Heavy)
    7 – Here Comes the Sun
    8 – Because
    9 – You Never Give Me Your Money
    10 – Sun King
    11 – Mean Mr. Mustard
    12 – Polythene Pam
    13 – She Came in Through the Bathroom Window
    14 – Golden Slumbers
    15 – Carry That Weight
    16 – The End
    17 – Her Majesty

     

     
  • paulocarames 0:46 em 29/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 50 músicas mais pesadas antes do sabbath, beatles, , , deep purple, , , , , , steppenwolf, , , the kinks, , , the yardbirds   

    50 músicas mais pesadas do rock antes do Sabbath 

    Apesar da criação do heavy metal ser tema de controvérsia até hoje, em um ponto todos concordam, o primeiro álbum do gênero é sem dúvida do Black Sabbath em 1970. A revista Guitar World publicou uma lista com as 50 músicas mais pesadas do rock antes que o Black Sabbath fosse criado:

    01 – LED ZEPPELIN, “Dazed and Confused” (1969)
    02 – MC5, “Kick Out the Jams” (1969)
    03 – HIGH TIDE, “Death Warmed Up” (1969)
    04 – PINK FLOYD, “The Nile Song” (1969)
    05 – EDGAR BROUGHTON BAND, “Evil” (1969)
    06 – BITTER CREEK, “Plastic Thunder” (1967)
    07 – JACULA, “Triumphatus Sad” (1969)
    08 – THE BEATLES, “Helter Skelter” (1968)
    09 – CROMAGNON, “Caledonia” (1969)
    10 – THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE, “Voodoo Child (Slight Return)” (1968)
    11 – THE 31 FLAVORS, “Distortions of Darkness” (1969)
    12 – THE STOOGES, “I Wanna Be Your Dog” (1969)
    13 – VALHALLA, “Hard Times” (1969)
    14 – DEEP PURPLE, “Wring That Neck” (1968)
    15 – SCREAMIN’ JAY HAWKINS, “I Put a Spell on You” (1956)
    16 – KING CRIMSON, “21st Century Schizoid Man” (1969)
    17 – CREAM, “Tales of Brave Ulysses” (1967)
    18 – STONE GARDEN, “Oceans Inside Me” (1969)
    19 – BLUE CHEER, “Summertime Blues” (1968)
    20 – LED ZEPPELIN, “Communication Breakdown” (1969)
    21 – STEPPENWOLF, “Born to be Wild” (1967)
    22 – THE CRAZY WORLD OF ARTHUR BROWN, “Fire” (1968)
    23 – THE KINKS, “All Day and All of the Night” (1964)
    24 – VELVET HAZE, “Last Day on Earth” (1967)
    25 – ANDROMEDA, “Keep Out ’Cos I’m Dying” (1969)
    26 – THE SONICS, “The Witch” (1965)
    27 – BLACK WIDOW, “Come to the Sabbat!” (1969)
    28 – VANILLA FUDGE, “You Keep Me Hangin’ On” (1967)
    29 – IRON BUTTERFLY, “In-A-Gadda-Da-Vida” (1968)
    30 – JIMI HENDRIX, “Purple Haze” (1967)
    31 – LED ZEPPELIN, “Whole Lotta Love” (1969)
    32 – TEN YEARS AFTER, “Bad Scene” (1969)
    33 – ARZACHEL, “Leg” (1969)
    34 – THE BEATLES, “I Want You (She’s So Heavy)” (1969)
    35 – HUMBLE PIE, “Desperation” (1969)
    36 – CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, “Fortunate Son” (1969)
    37 – BUNKER HILL, “The Girl Can’t Dance” (1963)
    38 – CAPTAIN BEEFHEART, “Diddy Wah Diddy” (1966)
    39 – DRAGONFLY, “Blue Monday” (1968)
    40 – THE KINKS, “You Really Got Me” (1964)
    41 – CREAM, “Sunshine of Your Love” (1967)
    42 – SAM GOPAL, “Season of the Witch” (1969)
    43 – THE WAILERS, “Out of Our Tree” (1966)
    44 – THE COUNT FIVE, “Psychotic Reaction” (1966)
    45 – PINK FLOYD, “Interstellar Overdrive” (1967)
    46 – THE GUESS WHO, “American Woman” (1970)
    47 – COVEN, “Pact With Lucifer” (1969)
    48 – THE WHO, “My Generation” (1965)
    49 – THE YARDBIRDS, “Happenings 10 Years Time Ago” (1966)
    50 – THE TROGGS, “Wild Thing” (1966)

     
  • paulocarames 21:21 em 27/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: beatles, , papo de homem, trapalhões   

    Trapalhões: os Beatles brasileiros 

    Caro leitor, prepare-se. O conteúdo do texto que começa agora pode chocar, causar revolta e até mesmo pequenas isquemias cerebrais, principalmente para quem gosta de música.

    As ideias apresentadas a seguir representam uma linha racional e lógica de pensamento, expressada a partir de criteriosa análise e pesquisa. Ou não.

    Tudo começou quando eu estava no bar (novidade!), ao lado do meu grande amigo Luiz Miani, quando surgiu um pensamento que ecoou em nossas cabeças: os Trapalhões são os Beatles brasileiros!

    Seriam os Beatles “os Trapalhões” ingleses?

    Fã de música como sou, relutei em concordar com esta premissa, entretanto, tive que me render aos fatos, assim como você se renderá ao final deste absurdo travestido de texto.

    Para dar mais veracidade a argumentação, pedi a ajuda de diversos amigos, que me auxiliaram e foram obrigados a concordar com essa verdade irrefutável. Para uma análise definitiva, farei a comparação individual entre os integrantes de cada grupo.

    Lennon e Mussum: os gênios

    John Lennon sempre foi o típico inglês dos anos 60. Com uma veia rebelde e contestadora que muitas vezes era aparente na genialidade de suas letras, as mais famosas e marcantes dos Beatles.

    Mussum seguia a mesma linha, perfil típico do sambista carioca do morro da mesma época, demonstrava em seu humor genial, toda a malandragem e alegria do Rio de Janeiro, mostrando que existe sim, muita felicidade em meio a tantas dificuldades. Lennon e Mussum eram os gênios.

    Link YouTube | Mussum, o mé e a malandragem

    Link YouTube | A Malícia inglesa de Lennon ao pedir para os ricos balançarem suas jóias (não etendeu o inglês?)

    George Harrison e Zacarias: os excêntricos

    George Harrison sempre foi o integrante mais exótico dos Beatles. Seu fascínio pela cultura oriental, mais precisamente pelo lado espiritual comprova isso. Entretanto, o talento de Harrison foi desvalorizado por muitos, que não o consideravam fundamental na composição da banda, e só entenderam a importância dele após sua morte.

    Assim foi também com Zacarias, sem dúvida nenhuma o integrante mais excêntrico dos Trapalhões, com seu jeito diferente e sua careca que insistia em aparecer nos momentos mais oportunos. Zacarias nunca foi o mais badalado da trupe, muito pelo contrário, muitas vezes era ofuscado e fazia papéis secundários. Entretanto, sua morte comprovou seu grande talento, os Trapalhões nunca foram os mesmos sem o grande Zaca.

    A cabeleira também é parecida…

    Dedé e Ringo: os secundários (leia-se insignificantes)

    Dedé e Ringo Star eram os mais discretos, até mesmo por serem os menos talentosos. No meio de grandes figuras do humor e da música, ambos figuravam como coadjuvantes.

    A grande prova disso é que após o término dos Trapalhões e dos Beatles, nem Dedé, muito menos Ringo tiveram projetos paralelos de sucesso, vivem do passado até hoje, afinal: “Ninguém pode ter o Ringo Star como Beatle favorito”, tanto quanto “Ninguém pode ter o Dedé como Trapalhão favorito”.

    Sortudos ou ‘escadas’ competentes

    Didi e Paul McCartney: os esforçados e populares

    Didi e Paul McCartney podem não ser os mais excêntricos ou talentosos, mas certamente eram os mais esforçados.

    Além de terem a pegada pop necessária para êxito, o esforço dos dois foi fundamental para o sucesso de Beatles e Trapalhões, tanto que, após o término dos grupos, Didi e Paul mantiveram suas carreiras baseadas no forte alicerce que Beatles e Trapalhões forneceram e continuam até hoje ganhando muito dinheiro, com um grande número de programas de televisão e shows, respectivamente.

    Link YouTube | Veja como o Didi dominava toda a cena de seu grupo…

    Link YouTube | McCartney tomou as rédeas de sua banda e gravou o considerado melhor disco de todos os tempos

    Apresentados os argumentos, agora, meu caro leitor, grite, esperneie, se revolte, mas no fundo, reconheça que Os Trapalhões eram os Beatles brasileiros!

    Reprodução. Postado originalmente no blog Papo de Homem.

     
  • paulocarames 14:45 em 10/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , beatles, , , , lennon signature box,   

    Box – John Lennon: Lennon Signature Box 2010 


    “John Lennon Signature Box” é uma caixa com 11 CDs lançada como a obra definitiva do ex-beatle assassinado em 1980, em Nova York. O lançamento, importado pela EMI Brasil custa cerca de R$ 1000,00 e trás a obra completa do polêmico artista (contendo os discos lançados por Lennon, um álbum duplo com singles, gravações caseiras e um cd bônus ao vivo em 1972. A caixa contempla ainda a inédita India, India e a raríssima Move Over Ms. L. Confira abaixo a relação dos discos.

    01: John Lennon/Plastic Ono Band (1970)
    02: Imagine (1971)
    03 & 4: Some Time In New York City (1972)
    05: Mind Games (1973)
    06: Walls and Bridges (1974)
    07: Rock ‘n’ Roll (1975)
    08: Double Fantasy (1980)
    09: Milk and Honey (1984)
    10: Singles
    11: Home Tapes

     
  • paulocarames 1:35 em 09/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , assassinato de john lennon, beatles, , capítulo 27, chapter 27, , Killing of John Lennon, , ,   

    Há 30 anos, John Lennon era assassinado: Capítulo 27 / O Assassinato de John Lennon 

    Lado A – Capítulo 27 (Chapter 27) 2007
    No dia 8 de dezembro de 1980 Mark David Chapman, um lunático fã dos Beatles, assassinou John Lennon na porta de seu prédio, o edifício Dakota em Nova York. Capítulo 27 é uma referência ao livro O Apanhador no Campo de Centeio de JD Salinger que foi encontrado em posse de Chapman quando este foi preso. O livro contém 26 capítulos e o 27º seria a continuação da história, já que Mark Chapman inúmeras vezes dizia se chamar Holden Caufield, nome do protagonista fictício e que daria continuação a obra. O filme mostra três dias de Chapman rondando o prédio de Lennon e conta com a participação de Lindsei Lohan no papel de Jude, uma garota que simpatiza com o assassino ainda no período em que ele preparava-se para abordar seu ídolo. É ela que sugere a ele comprar um disco do ex-beatle para que o cantor pudesse autografá-lo. Diferente de O Assassinato de John Lennon, desta vez Chapman é visto como uma pessoa extremamente perturbada e determinada a acabar com seu ídolo, que no seu ponto de vista, era um hipócrita por cantar o fim da propriedade e da riqueza e ainda assim andar pela cidade em carros caros com motorista e morar num endereço elegante em Nova York.

    Lado B – O Assassinato de John Lennon (The Killing of John Lennon) 2008
    “Eu era ninguém até que matei o maior alguém da Terra” – foram as palavras de Mark Chapman, assassino de John Lennon. Em O Assassinato de John Lennon, boa parte da narrativa se passa na mente de Chapman que é o enfoque principal do filme, mostrando Lennon de maneira muito discreta. O filme começa em Honololu de onde Chapman parte em direção a Nova York deixando pra trás sua esposa. Lá chegando, não consegue encontrar o alvo de sua ira, deixando de lado momentaneamente o sentimento de raiva que toma conta de si. Numa segunda tentativa ele faz uma vigília em frente ao edifício onde o ex-beatle mora com a família conseguindo finalmente o desfecho desejado. O álbum Double Fantasy autografado por Lennon e que foi usado pela polícia como evidência do crime na época, foi recentemente a leilão por R$ 850 mil, este é provavelmente o mais valioso artefato relacionado ao rock que se tem notícia.

     
    • Leandro 20:45 em 11/12/2010 Link Permanente | Resposta

      Tenho Catcher In The Rye (apanhador no campo de centeio), alias foi indicado pela minha querida mãe pq ela era e é muito fã de John Lennon, ela leu e nao gostou, eu li e achei bom, apesar de ser um livro um tanto rebelde 😀

  • paulocarames 23:47 em 08/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , beatles, , estados unidos contra john lennon, , , , us vs john lennon   

    Filme – Os Estados Unidos Contra John Lennon (The U.S. vs. John Lennon) 2006 

    Mostra a mudança na vida de John Lennon no período de 1966 a 1976 quando transformou-se de músico de sucesso e compositor de baladas em ativista político e anti-guerra. Com o final dos Beatles logo após Abbey Road, Lennon investe em sua carreira solo contando com o apoio de sua mulher Yoko Ono. Morando em Nova York ele passa a ser alvo do governo americano que tenta silenciá-lo e expulsá-lo do país por conta de suas críticas e protestos contra a guerra que os Estados Unidos travavam no Vietnã. Com imagens recuperadas de diferentes momentos de Lennon durante sua conturbada estadia em Nova York o documentário vai além e motra também a guerra sangrenta que era travada num território distante, a luta pelos direitos civis e os escândalos do governo Nixon, um período de intensas mudanças na vida dos americanos.

     
  • paulocarames 0:33 em 04/11/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: beatles, , ,   

    Paul McCartney saúda fãs brasileiros 

    Ensaiando para sua passagem pelo Brasil o ex-Beatle gravou um depoimento em sua página no youtube para os fãs brasileiros. Paul apresenta a turnê “The Up and Coming” no próximo domingo, no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre com ingressos esgotados.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: