Marcado como: inseto social Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 10:00 em 08/05/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , inseto social,   

    Inseto Social – a história da banda 

     
  • paulocarames 10:00 em 02/05/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , inseto social,   

    Inseto Social – Hardcore Tio Bilia 

     
  • paulocarames 1:13 em 12/08/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , inseto social   

    Inseto Social: Hardcore Tio Bilia 

     
  • paulocarames 1:56 em 11/10/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , inseto social, , , , , ,   

    Saldo do primeiro final de semana do Morrostock 2011 

    Versão curta: quem foi, presenciou a história sendo escrita diante dos próprios olhos. Para quem deixou de ir, lamentar-se não será suficiente.

    Versão sem cortes:
    Começou no último final de semana o Festival Morrostock que, mesmo sendo bem menos badalado e sem as atrações midiáticas trazidas pelo Rock in Rio ou SWU, chega a sua 5ª edição em 2011 .

    Sediado em Sapiranga, a 60 km de Porto Alegre, o evento reúne bandas do cenário alternativo gaúcho e nacional apresentando atrações underground já veteranas e outras tantas sem o mesmo tempo de estrada.

    A abertura dos trabalhos ficou por conta da banda Atrito (de Campo Bom) que no começo da noite da última sexta-feira (7/10) abriu caminho para as porto alegrenses Draco, Phornax e Tierramystica (que coverizou a clássica Fear of the Dark) além dos paulistas da Soulspell.

    A inclusão de bandas de diferentes vertentes do hardcore e do heavy metal garantiu um público heterogêneo: bikers, bangers e punks dividiram democraticamente o espaço destinado aos shows e a área de camping anexa ao complexo conhecido como Bar do Morro.

    A ameaça de temporal que se anunciava desde o princípio da semana felizmente converteu-se em poucos pingos que não foram suficientes para estragar a festa. Os atrasos é que, sim, desafiaram a paciência da galera. A afinação de instrumentos por parte de algumas bandas acabou durando tanto tempo quanto a própria apresentação.

    Com o cronograma atrasado em até duas horas teve banda que não se apresentou por conta do atraso e por divergências com a organização do evento. A grande expectativa da noite ficou por conta da lendária banda precursora do punk paulista Condutores de Cadáver.

    Fora dos palcos por um longo período a banda declarou estar feliz pelo retorno apesar do único “ensaio” ter ocorrido horas antes – eles faziam referência a apresentação no programa Radar da TVE.

    Por volta das 6 da manhã a formação que abriga figurinhas carimbadas do cenário alternativo: Índio (ex-Hino Mortal) nos vocais, Calegari (ex-Inocentes e 365) na guitarra, Hélio (ex-Cólera) no baixo e Babão (ex-Hino Mortal) na bateria, subiu ao palco e fez um show vigoroso com músicas como Choque, Condução para o Inferno e Futebol – que bem poderia ser o hino da copa no Brasil.

    Em um set de 45 minutos eles mostraram porque serviram de influência para tantas bandas como Cólera e Ratos de Porão e merecem serem considerados os Stooges tupiniquins.

    Já com sol nascendo, a banda argentina Diferent encerrou a primeira noite que deixou a promessa de mais para o dia seguinte.

    Iniciando mais cedo que no dia anterior (17h ao invés de 21h) e contando com representantes do hardcore e seus subgêneros, a segunda noite destacou-se pela pontualidade das bandas caminhando para um desfecho de luxo com a aguardada apresentação do Olho Seco – inativa por 10 anos e que agora volta ao front.

    Antes deles, o hardcore da 4 Acordes (Sapiranga) e da Inseto Social (Santa Maria) deram mostra do que estaria por vir. O set dos santamarienses deve estar entre os melhores shows que já fizeram. Na sequência, o rock n’ roll de saia da Stella Can e o peso da Barulho Ensurdecedor (ambas de Porto Alegre). Chute no Rim (Alvorada) fechou o primeiro tempo de shows tão contundente quanto o título sugere.

    Imagine um jogo de futebol onde o técnico conversa no vestiário e a equipe volta ainda melhor pro segundo tempo. E este segundo tempo se mostraria avassalador com um show surpresa da Condutores de Cadáver que premiou aqueles que não haviam comparecido no dia anterior ou que não agüentaram esperar até 6 da manhã.

    Desta vez eles fizeram o show da noite anterior parecer um simples ensaio. A química entre banda e público (que comparecia em número expressivo já naquela altura) resultou em uma aula de hardcore. A performance do vocalista Índio era de um touro bravo solto na arena e a guitarra de Calegari conduzia a banda com poderosos riffs. Difícil de ser batido.

    Ainda se apresentaram Audioterapia (Osório), The Efficients (Canoas) e Out of Reason (Canoas) até que problemas técnicos afetaram o fornecimento de energia elétrica.

    Enquanto a galera esperava uma solução para o problema pode trocar uma idéia com os músicos de bandas lendárias do punk/hardcore nacional que circulavam pelo local além de poder comprar discos, DVDs e camisetas de bandas do gênero. Destaque para atenção que as bandas deram aos fãs demonstrando verdadeiro respeito por todos. Algo a ser aprendido por bandas mainstream.

    Depois de alguma espera o problema foi parcialmente solucionado, foi o suficiente para Conduta Destrutiva e a veterana Pupilas Dilatadas irem ao palco.

    Já eram 3 horas da madrugada quando a politizada banda paulista Ação Direta levou sua mensagem de consciência e contestação e aproveitou para fazer uma homenagem ao guitarrista Redson do Cólera, que morreu na semana passada.

    Finalmente a banda mais aguardada do primeiro final de semana começou a afinar os instrumentos. Liderada pelo vocalista Fábio Sampaio (único membro da formação original) acompanhado por André (bateria) e pelos integrantes do Agrotóxico Marcos (guitarra) e Jeferson (baixo). A vontade era tanta que durante a queda de energia Fábio ameaçou bem humorado: ‘vamos tocar mesmo sem luz, vai ser um acústico’.

    O que aconteceu logo depois foi uma catarse coletiva. A banda emendou Olho de Gato, Nada, Eu não sei, Sinto e óbvio, o hino Isto é Olho Seco em uma performance tão feroz que jamais se encaixaria em um projeto acústico. Punk rock de verdade, classudo e pegado. Ainda deu tempo para Ignorante, cover do Ulster e uma homenagem a Redson com a música Botas, Fuzis, Capacetes.

    Após a volta da Condutores de Cadáver aos palcos (com direito a dois shows) e o primeiro show do Olho Seco em solo gaúcho em 30 anos de banda os músicos ainda acharam tempo e disposição para dar entrevistas a documentaristas que estavam no local.

    Se nem o Rock in Rio com toda grife e o investimento feito escapou ileso de falhas, podemos dizer que a organização do Morrostock está de parabéns. Principalmente por se apropriar tão bem do conceito ‘faça você mesmo’ tão presente na filosofia punk.

    O festival, que tinha ainda no domingo a Confraria do Blues com Solon Fishbone, Fernando Noronha e Gaspo Harmônica vai até dia 16 deste mês com apresentação de diversas bandas. Acesse aqui a programação completa.

    O brother Homero Pivotto, responsável pelo programa Let’s Start também repercutiu os shows. Confira no site da web rádio Putzgrila.




     
  • paulocarames 15:34 em 21/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , caminando y cantando, , inseto social, macondo, , , sangue sujo, ,   

    Wander Wildner e Inseto Social se reencontram em Santa Maria 

    Em 19 de novembro fui no show dos Replicantes, aqui em Santa Maria. Um mês depois, fecho a cota hard core deste final de ano com Wander Wildner tocando com a Inseto Social, neste caso, no Macondo Lugar. O show comemorou os 10 anos em que ambos se encontraram em palcos santamarienses, na época a Inseto Social viajou 11 dias a pé no trajeto Santa Maria/Porto Alegre para ganhar direito a se apresentar no Planeta Atlântida daquele ano.
    Diferente da impressão que tive horas antes ao assistir Ratos de Porão, desta vez a frustração foi muito grande. Talvez pelo show dos RDP ter sido memorável. Ou, talvez, por ter ido a um show marcado para começar onze da noite que começou depois das duas da manhã – um completo absurdo.
    Com o show rolando, Wander fez um set solo acompanhado apenas de sua guitarra, apresentando músicas de seu mais novo cd (Caminando y Cantando) e a clássica Sandina, do seu tempo de Replicantes. Nos dois terços seguintes do show ele teve a companhia da Inseto Social, agora interpretando seus sucessos com uma levada rock n’ roll de maneira competente (mesmo sendo chamado de traidor e playboy por alguns presentes).
    Além de músicas do novo álbum, canções de sua carreira solo como Eu tenho uma camiseta escrita eu te amo, Sou feio mas sou bonito também foram lembradas. Destaque para as covers 2×2 e Amigo Punk além de Eu acredito em milagres (versão para I Believe in Miracles dos Ramones) e Garoto Solitário (Lonely Boy dos Sex Pistols) que fizeram parte do EP da Sangue Sujo, banda de Wander Wildner após sua saída dos Replicantes.
    Simplesmente fui embora na quinta música da excelente Inseto Social sem poder aproveitar o restante do show já que o cansaço naquela altura era demais. Fui, com a certeza que quando os Ramones se apresentarem no Macondo, eu volto lá. Antes disso, NÃO.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: