Marcado como: james stewart Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 10:00 em 06/03/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , Curiosidades do Western, , james stewart, , , , , , ,   

    Livro – Curiosidades do Western 2003 

    livrocuriosidadesdowesternEngana-se quem imagina o faroeste como mero filme de tiroteio ou com foco no conflito entre colonos e indígenas. O Western ou Faroeste é um gênero que abriga outros tantos em si próprio.

    Situado em um determinado local no tempo e espaço da história norte-americana o Western pode ser classificado como drama, romance, ação e até mesmo comédia.

    Ao lado de Publique-Se A Lenda: a história do western e 100 Anos de Western, Curiosidades do Western celebra o centenário do gênero com um guia rápido de obras que ajudam a mergulhar na mística do velho oeste.

    Uma interessante seleção de fotos e dados pitorescos estimulam a curiosidade do leitor a conhecer mais de obras clássicas e outras menos conhecidas. Opera Graphica Editora, 144 páginas.


     
  • paulocarames 10:00 em 13/02/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , james stewart, , , , , Publique-Se A Lenda, , ,   

    Livro – Publique-Se A Lenda: a história do western 2004 

    livro-publiquesealendaO autor, A. C. Gomes de Mattos, é professor de História do Cinema Americano e aborda nesta obra os principais elementos do western, os primeiros filmes, a era mais clássica e o western moderno – embora produzido em menor escala, mantendo a mística e resultando em grandes produções.

    Mattos empresta o título para o livro de uma frase do clássico O Homem Que Matou o Facínora (1962) de John Ford: “No Oeste, quando a realidade se converte em lenda, publicamos a lenda.”. Na trama, James Stewart, John Wayne e Lee Marvin compõe a história de um senador americano que ainda jovem fica famoso após a morte de um renomado bandido da região.

    O autor faz uma minuciosa pesquisa e entrega, além de um panorama abrangente do western, detalhada ficha técnica e breve sinopse de uma filmografia selecionada proporcionando aos leitores uma experiência mais completa.

    Lançado durante a celebração do centenário do gênero, é acompanhado por 100 Anos de Western ajudando na perpetuação de atores, diretores e obras excepcionais. Editora Rocco, 224 páginas.


     
  • paulocarames 1:08 em 27/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 1962, , , , james stewart, , , , O Homem Que Matou o Facínora, , The Man Who Shot Liberty Valance   

    Filme – O Homem Que Matou o Facínora (The Man Who Shot Liberty Valance) 1962 

    Filme clássico dirigido pelo mestre do Western, John Ford e protagonizado por James Stewart, Lee Marvin e por John Wayne – que faria 104 anos hoje se fosse vivo.

    Ransom Stoddard (James Stewart) é um senador que viaja para Shinbone para o enterro de seu amigo de longa data, Tom Doniphon (John Wayne), um bêbado que morre incógnito e sem nenhum centavo no bolso. Filmado em preto-e-branco e utilizando o recurso de flashback o filme nos apresenta a história destes dois amigos que disputam o amor da mesma mulher e divergem em relação ao confronto armado. Enquanto Ransom recusa-se a usar uma arma, Tom defende não haver forma mais adequada de resolver os problemas.

    No retorno à cidade, Ransom começa a recordar seu começo como advogado recém formado e o incidente que mudou sua vida. O Liberty Valance (Lee Marvin) do título original, é o típico bandido do velho oeste, perturba quem cruza seu caminho e impõe sua vontade à força. Até que ele é morto em um confronto em uma noite escura. Resta descobrir quem matou o tal facínora.

    Um faroeste longe de ser um filme comum que obedece a máxima que John Ford bem definiu: Na dúvida, publique-se a lenda.

     
  • paulocarames 4:05 em 18/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , grace kelly, james stewart, peter bogdanovich, rear window, , , suspeita, , voyeur   

    Filme – Janela Indiscreta (Rear Window) 1954 

    Em Janela Indiscreta, Alfred Hitchcock desafia o espectador num exercício de voyeurismo que causou controvérsia devido aos costumes da época que repudiavam a idéia de um filme onde o protagonista passava o tempo espionando a vida alheia.

    Em Greenwich Village, o fotógrafo profissional L.B. Jeffries (James Stewart) está confinado em seu apartamento após quebrar a perna em um acidente. Seguindo o conceito de ‘não dizer aquilo que pode ser mostrado’, o diretor apresenta com genialidade a história do personagem. Mostrando as diversas fotos em sua parede entendemos que se trata de um fotógrafo que adora velocidade e compreendemos assim o motivo de sua perna quebrada.

    Ele recebe a visita da noiva Lisa (Grace Kelly) com a qual tenta evitar o casamento. Sem opções de entretenimento ele passa a observar a vida dos vizinhos. A trilha ilustra o dia-a-dia de cada um deles – um músico solteiro que se embriaga, uma bela dançarina, um casal sem filhos que adotou um cachorrinho e um casal constantemente metido em brigas violentas. Observando este casal ele percebe o desaparecimento da mulher e, imobilizado na cadeira de rodas, envolve a noiva e uma amigo policial na tentativa de desvendar o que teria acontecido com ela.

    Hitchcock dirigiu todo o filme a partir do apartamento de Jeffries e quase todas as cenas mostram o seu ponto de vista, ou seja, o que acontece no conjunto de apartamentos em frente ao seu. Para as filmagens foi construído o maior set até então já feito pela Paramount. Os atores que trabalhavam do outro lado da rua utilizaram fones de ouvido para receber as orientações do diretor.

    O filme foi baseado em um conto de Cornel Woolrich de 1942 e apesar da controvérsia inicial tornou-se um grande sucesso sendo, a exemplo de Psicose refilmado em 1998 (Com Daryl Hannah e Christopher Reeve) além de ter a história adaptada em diversos outros filmes como Paranóia, de 2007. A edição especial do filme conta extras como a entrevista de Peter Bogdanovich e mostra o processo de restauração feito para conservação dos negativos originais.

     
  • paulocarames 0:03 em 09/02/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , james stewart, , , , , , , true grit,   

    Livro – 100 Anos de Western 

    O Grande Roubo do Trem de 1903 é o pontapé inicial na saga dos Western (ou faroestes  como são conhecidos no Brasil) e também do livro 100 Anos de Western – A epopéia do velho oeste no cinema, obra de Primaggio Mantovi. A partir deste filme mudo do começo do século passado o gênero se desenvolveu e se estabeleceu tendo consagrado muitos atores e diretores. O mestre John Ford realizou clássicos e épicos enquanto Sergio Leone fez uma revolução com os western spaghetti. Quanto aos atores, John Wayne, James Stewart, Clint Eastwood e até Ronald Reagan (que mais tarde seria eleito presidente americano) tiveram papéis marcantes assim como Lee Van Cleef destacou-se como o bandido clássico.
    Apesar de ter sofrido forte concorrência da televisão na década de 1950, o faroeste permaneceu forte e ampliou seu leque com diversos filmes abordando diferentes temáticas. Os filmes narravam o conflito entre o homem branco e os nativos norte-americanos além dos duelos entre xerifes e gangues de pistoleiros. Havia também aqueles em que prevaleciam romances ou em oposição a isto, abordavam temas como a vingança, assaltos e crimes. Enfim, diversão para toda a família.
    Com a chegada dos anos 80 o faroeste foi dado como morto. Dança com Lobos (90), Os Imperdoáveis (92), Dead Man (95) e Pacto de Justiça (03) demonstram que, se o lançamento de diversas obras por ano não é mais uma realidade, ao menos os poucos faroestes tardios são repletos de qualidade, excelente narrativa e atuações irretocáveis.
    A refilmagem de Bravura Indômita (filme homônimo de 1969 que deu a John Wayne o único oscar de sua carreira) é uma prova da qualidade das obras ainda produzidas concorrendo ao oscar em 10 categorias. Voltando ao livro, repleto de fotografias e dados históricos, recria o ambiente e retrata diversos fatos que ajudaram a criar o mito que envolve o Bang Bang. Em edição limitada e numerada, é fundamental para quem curte um duelo ao pôr-do-sol. Opera Graphica Editora, 144 páginas.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: