Marcado como: kiss Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 10:00 em 25/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 6 de março, , , , , , , Brassneck TV, , , , , , , , , , , kiss, , , , , , , , , Rock 'N' Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, , , Sky Arts, , , , , , ,   

    Documentário – Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen 2011 

    SkyArts_RocknRollExposed_Title-348x196bob gruen
    Com sua obra divulgada em livros como Rock Seen, Rockers, The Clash: Photographs by Bob Gruen e John Lennon: The New York Years eis que surge a cereja no bolo do fotógrafo Bob Gruen.

    Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, documentário lançado em 6 de março 2011, é uma obra de arte. Dirigido por Don Letts (The Punk Rock Movie, The Clash: Westway to the World e Punk Attitude) conta com depoimentos do próprio Gruen e muito mais.

    Tommy Ramone, Legs Mcneil, Iggy Pop, Billie Joe Armstrong, Debbie Harry, Alice Cooper, Yoko Ono e Sean Lennon põe a cara na tela para atestar a importância do fotógrafo que entrou pra história da música empunhando sua câmera.

    Praticamente imperceptível em ação, ele registrou as principais bandas de seu tempo sem poses combinadas – tudo com muita autenticidade e com poucos cliques. Segundo ele, só depois de muito tempo percebeu a importância do seu trabalho ao proporcionar a fãs a sensação de estar em uma época que ainda nem haviam nascido.

    Nas quase duas horas de documentário onde suas fotos desfilam na tela a trilha sonora é impecável: Rock n Roll All Night (Kiss); Lucille (Chuck Berry); Immigrant Song (Led Zeppelin); Dont Look Back (Bob Dylan); Brown Sugar, It’s Only Rock and Roll (Rolling Stones); Walk this way (Aerosmith); Eighteen (Alice Cooper); I Wanna Be Your Dog (Iggy and The Stooges); I Wanna Be Your Boyfriend, I Don’t Wanna Walk Around With You (Ramones); Horses (Patti Smith); Woman is The Nigger of The World (John Lennon); Personality Crisis, Looking for a Kiss (New York Dolls); Psycho Killer (Talking Heads); Blank Generation (Richard Hell and the Voidoids); Anarchy in The UK, Submission, Pretty Vacant (Sex Pistols); Complete Control, The Call Up, Radio Clash, Brand New Cadillac (The Clash); New York, New York (Frank Sinatra); Born to Run (Bruce Springsteen); Welcome to Paradise (Green Day); Seven Nation Army (White Stripes).

    Com uma seleção tão robusta e inúmeros detentores de direitos autorais o vídeo foi licenciado, por enquanto, apenas para tv a cabo – ou seja, nada de dvd à venda. Ainda assim vale a pena garimpar na programação e acompanhar esta aula de música e fotografia.

    Ficha Técnica:
    Brassneck TV – produzido por John Osborne

    ramonesbob_gruen_5
    Bob-Gruen_-1976BobGruen_008

     
  • paulocarames 10:00 em 04/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , Cosac Naify, , , , , , , kiss, , , , , , , , rockers, , , , , , ,   

    Livro – Rockers 2007 

    bob gruen - rockersI Speak Music de George DuBose e Ramones Photographs de Chip Dayton são belos registros fotográficos de parte da trajetória dos Ramones – infelizmente nenhum lançado no Brasil.

    Rockers de Bob Gruen também mostra os Ramones com fotos icônicas, mas vai muito além. Conhecido como o fotógrafo do rock, Bob registrou os Ramones indo para o ensaio carregando seus instrumentos em sacolas de mercado e em momentos íntimos no backstage.

    Esteve frente a frente com John e Yoko por muito tempo enquanto viviam em Nova Iorque a poucas quadras de distância de onde morava – o livro John Lennon: The New York Years é dedicado a este período.

    Registrou também o Green Day reproduzindo uma sessão que já havia entrado para história ao clicar o The Clash no topo de um prédio e se não fosse o bastante, foi o único fotógrafo a acompanhar a famigerada última turnê dos Sex Pistols pelo território americano viajando no ônibus da banda.

    Este livro é resultado de uma exposição em São Paulo com mais de 270 fotos do catálogo de Gruen e que aconteceu entre maio de julho de 2007.

    Além dos já citados, a exibição incluiu fotos de Elvis Presley, Tina Turner, Rolling Stones, Led Zeppelin, The Who, Alice Cooper, Queen, Kiss, New York Dolls, Blondie, e o brasileiro Supla. Lançado por aqui com texto português/inglês é no mínimo, obrigatório. Cosac Naify, 220 páginas.

    NYCbig_Gruenstrummer-nyc-gruen
    Ramones-Bob-Gruen-Subway-1975R-2_Gruen


     
  • paulocarames 11:00 em 15/01/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , kiss, , , , The Casablanca Singles 1974-1982   

    LP/CD – Kiss: The Casablanca Singles 1974-1982 

    kiss-casablanca-singles
    Em comemoração aos 40 anos de banda celebrados em 2013, o Kiss lançou um box com 29 singles referentes a discografia do grupo pela Casablanca Records de 1974 a 1982. Gene Simmons declarou que o box representa o começo de suas carreiras e registra os primeiros sucessos e o consequente amadurecimento do quarteto.

    O pacote reproduz também singles da carreira solo além de incluir um livro e máscara de cada integrante. O lançamento tem edição limitada em 2500 cópias e pode ser adquirido aqui.

    The Casablanca Singles 1974-1982:
    01: Nothin’ to Lose / Love Theme from KISS (1974)
    02: Kissin’ Time / Nothin’ to Lose (1974)
    03: Strutter / 100,000 Years (1974)
    04: Let Me Go, Rock ‘N’ Roll / Hotter Than Hell (1974)
    05: Rock and Roll All Nite / Getaway (1975)
    06: C’mon and Love Me / Getaway (1975)
    07: Rock and Roll All Nite (ao vivo) / Rock and Roll All Nite (1975)
    08: Shout It Out Loud / Sweet Pain (1976)
    09: Flaming Youth / God of Thunder (1976)
    10: Detroit Rock City / Beth (1976)
    11: Beth / Detroit Rock City (1976)
    12: Hard Luck Woman / Mr. Speed (1976)
    13: Calling Dr. Love / Take Me (1976)
    14: Christine Sixteen / Shock Me (1977)
    15: Love Gun / Hooligan (1977)
    16: Shout It Out Loud (ao vivo) / Nothin’ to Lose (ao vivo) (1977)
    17: Rocket Ride / Tomorrow and Tonight (ao vivo) (1977)
    18: Strutter ’78 / Shock Me (1978)
    19: Hold Me, Touch Me / Goodbye – Paul Stanley (1978)
    20: New York Groove / Snow Blind – Ace Frehley (1978)
    21: Radioactive / See You in Your Dreams – Gene Simmons (1978)
    22: Don’t You Let Me Down / Hooked on Rock ‘N’ Roll – Peter Criss (1978)
    23: You Matter to Me / Hooked on Rock ‘N’ Roll – Peter Criss (1978)
    24: I Was Made for Lovin’ You / Hard Times (1979)
    25: Sure Know Something / Dirty Livin’ (1979)
    26: Shandi / She’s So European (1980)
    27: Tomorrow / Naked City (1980)
    28: A World Without Heroes / Dark Light (1981)
    29: I Love It Loud / Danger (1982)


     
  • paulocarames 12:19 em 05/10/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , kiss, lua vai,   

    Kiss: Lua Vai 

     
  • paulocarames 15:21 em 30/06/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , , kiss, marilyn manson, , , , pete yorn, , , , , , , , , , , rooney, , , we're a happy family   

    CD – VA: We’re a Happy Family 2003 


    Projeto tributo com bandas de peso rendendo tributo aos Ramones. De Red Hot Chili Peppers a Green Day, de Kiss a Metallica. O fã e amigo Stephen King ficou encarregado pelo texto do encarte onde afirma só ter aceito a tarefa por tratar-se dos Ramones e de Rob Zombie.

    Zombie aliás foi convidado por Johnny Ramone e além de co-produzir o álbum, ficou responsável pela arte da capa.

    Você pode conferir (aqui) o Metallica recebendo o retorno dos produtores escolhendo a versão de 53rd & 3rd para fazer parte da coletânea.

    Ficha Técnica:
    Columbia Records – produzido por Rob Zombie e Johnny Ramone

    Edição Original
    01 Havana Affair – Red Hot Chili Peppers
    02 Blitzkrieg Bop – Rob Zombie
    03 I Believe in Miracles – Eddie Vedder & Zeke
    04 53rd & 3rd – Metallica
    05 Beat On The Brat – U2
    06 Do You Remember Rock ‘n’ Roll On Radio – Kiss
    07 The KKK Took My Baby Away – Marilyn Manson
    08 I Just Wanna Have Something To Do – Garbage
    09 Outsider – Green Day
    10 Something to Believe In – The Pretenders
    11 Sheena Is a Punk Rocker – Rancid
    12 I Wanna Be Your Boyfriend – Pete Yorn
    13 I Wanna Be Sedated – The Offspring
    14 Here Today, Gone Tomorrow – Rooney
    15 Return of Jackie & Judy – Tom Waits
    16 Daytime Dilemma (Dangers of Love) – Eddie Vedder & Zeke
    17 Today Your Love, Tomorrow The World – John Frusciante
















     
  • paulocarames 19:10 em 05/02/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , blood sugar sex magic, , Capas de álbuns feitas de Lego, dark side of the moon, dinasty, , , , kiss, , , , , , there is nothing left to lose, unfinished music nº 1, yoko ono   

    Capas de álbuns feitas de Lego 

    O artista britânico Aaron Savage resolveu juntar suas duas paixões, Lego e música, para recriar capas de álbuns famosas. E o resultado é divertidíssimo.

    Nirvana – Nevermind

    Foo Fighters – There is Nothing Left to Lose

    Red Hot Chili Peppers – Blood Sugar Sex Magik

    Elvis Presley – Elvis as Recorded at Madison Square Garden

    John Lennon e Yoko Ono – Unfinished Music Nº 1

    Kiss – Dynasty

    Blur – Best Of

    Queen – Queen II

    Pink Floyd – The Dark Side of The Moon

     
  • paulocarames 0:07 em 05/12/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , Discos clássicos com capas alternativas, , , , kiss, , , , , , , ,   

    Discos clássicos com capas alternativas 











     
  • paulocarames 3:05 em 27/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , black crowes, , , , , , burzum, , , , , , , , , , , hole, , , , kiss, , , limp bizkit, , , , , , , , , , , , , , , , , significado nome das bandas, , , , ,   

    Origem do nome de algumas, várias, bandas… 

    AC/DC – A irmã de Angus e Malcolm Young, Margaret, criou o nome. Aparentemente ela achou a sigla em um eletrodoméstico, e achou que casava bem com a banda, visto que tinha a ver com eletricidade (AC/DC é um indicativo de corrente contínua e alternada). Depois descobriram que era também uma gíria que designava bissexuais mas já era tarde. São infundadas as versões de que o nome seria uma sigla para Anti-Christ/Dead-Christ (anticristo, cristo morto).
    Aerosmith – O nome Aerosmith não significa absolutamente nada. Foi proposto por Joey Kramer e segundo Steven Tyler foi o único nome entre vários propostos que ninguém odiou.
    Alice In Chains – Paródia masoquista de Alice no País das Maravilhas. A idéia inicial (que nunca chegou a acontecer) era de tocarem covers de Slayer usando vestidos.
    Anthrax – É o nome de um microorganismo desenvolvido para guerra bacteriológica. Ficou famoso após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, quando a banda chegou a cogitar mudar de nome.
    Audioslave – Primeiro, a banda foi batizada Civilian. Mas acontece que já existia uma banda de nome Civilian, e foi preciso procurar outro nome. Chris Cornell (vocalista) sugeriu Audioslave e ninguém na banda ousou discordar. Só que também já existia um Audioslave. Desta vez, a banda resolveu entrar em acordo com a banda homônima para continuar sendo Audioslave. (Colaborou: Leonardo Apolinário)
    B. B. King – Abreviatura para “Blues Boy King”.
    Beastie Boys – Beastie quer dizer animalesco. Porém o nome dessa banda é na verdade um acrônimo para “Boys Entering Anarchistic States Toward Internal Excellence” (Rapazes Entrando em um Estado Anárquico Visando a Excelência Interna).
    Black Crowes – O nome original da banda era Uncle Crowe’s Garden, tirado de historia infantil.
    Black Flag – A bandeira preta é a bandeira dos piratas. É também uma marca de inseticida. Quando Adam Ant tocou na Califórnia, membros da banda distribuiram bottons com os dizeres “Black Flag kills ants!” (Black Flag mata formigas). Ainda segundo Henry Rolins, se inspiraram no nome do Black Sabbath.
    Black Sabbath – Um Sabbath Negro é uma reunião de bruxas e feiticeiras. A banda se chamava Earth e resolveu assumir o nome de uma música composta por Geezer Butler, inspirada em um suspense do novelista Denis Wheatley.
    Blur – A banda na verdade se chamava SEYMOUR porem uma das condições em seu primeiro contrato era de se mudar o nome para um contido em uma lista oferecida pela gravadora. Blur foi escolhido como a melhor opção.
    Bob Dylan – Seu nome verdadeiro é Robert Zimmerman. Achando o nome excessivamente étnico e sendo grande admirador do poeta Dylan Thomas, ele mudou para Bob Dylan.
    Burzum – Significa “Mais Trevas” na língua fictícia inventada por JRR Tolkien para seu livro “O Senhor Dos Anéis”. Essa banda de Black Metal está atualmente desativada pois seu fundador está descansando na penitenciária após ter assassinado Euronymous da banda Mayhem.
    Bush – Alusão a “Sheperd’s Bush”, bairro em Londres.
    CBGB’s – Templo Nova Yorquino para o new wave, punk e thrash. O nome completo do lugar é CBGB and OMFUG, lendo “Country, Bluegrass, Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers”.
    Clash – Tirado de manchete do jornal “A Clash With Police”. Paul Simmon teve a idéia e todos concordaram.
    Dead Kennedys – Kennedys mortos era uma alusão aos assassinatos do presidente John Fitzgerald Kennedy e seu irmão senador Robert Fitzgerald Kennedy. Uma citação famosa de East Bay Ray (guitarrista) sobre este assunto: “Um Show dos Dead Kennedys no dia 22 de novembro, aniversário da morte de John Kennedy, não seria de mau gosto? Claro! Mas os assassinatos também não são de mau gosto?”
    Engenheiros do Hawaii – Tudo começou em 1984 na Faculdade de Arquitetura em Porto Alegre, onde o grupo estudava. Existia uma rixa entre o pessoal de arquitetura e engenharia. Os estudantes se envolviam em rixas curriculares, filosóficas, estilos de vidas, etc. Enfim, o pessoal da arquitetura inventou um apelido para acabar com os inimigos. “Todo estudante de arquitetura é meio arrogante, acha que os engenheiros estão abaixo. Tinha um pessoal na engenharia que usava aquelas roupas de surfista, e, para irritá-los, nós fazíamos questão de chamá-los de ‘engenheiros’ e, mais do que isso, ‘engenheiros do hawaii’, que é um paraíso meio kitsch”. Na época, havia uma explosão de bandas punk, todas com nomes heróicos entre elas: Cavaleiros do apocalipse, Virgens Nucleares, Titãs, etc. Disse Humberto: “Sempre me assustou essa coisa heróica da música pop, porque te leva a ser meio semideus. Engenheiros do Hawaii era um nome desmistificador, ninguém nos levaria muito a sério. É um nome que até hoje nos protege de nos encararem como sacerdotes”. (Colaborou: Leandro Silva)
    Exploited – Explorado.
    Faith No More – Fé Nunca Mais. O nome anterior era Sharp Young Men, que depois mudou para Faith No Man quando seu crooner era Mike “The Man” Morris. Quando Morris saiu em 1982, evoluíram para Faith No More.
    Foo Fighters – Gíria originada durante a Segunda Guerra Mundial significando UFO’s (OVNI’s). A palavra Foo é uma corruptela do francês “feu” significando “fogo” ou “fou”, significando “insano”. Dizem que tudo começou quando um grupo de pilotos da aeronáutica tentaram atirar em possíveis UFO’s.
    Green Day – Trata-se de uma referência a maconha. Um dia verde é um dia em que você deixa de fazer suas obrigações para ficar fumando. Também cotado como inspiração, uma placa no filme “Soilent Verde” escrito “Green Day”. A banda se chamava Sweet Children.
    Guns N’Roses – Tirado dos nomes de Tracii Guns e Axl Rose ou de suas respectivas bandas, LA Guns e Hollywood Roses.
    Heavy Metal – Termo criado pelo autor beatnick William Burroughs nos anos sessenta sem nenhuma relação a música. Steppenwolf em “Born to be Wild” é o primeiro a usá-lo, “Heavy Metal Thunder”, referindo-se ao barulho alto do motor das motorcicletas.
    Hole – Frase da mãe de Courtney, “Você não pode seguir com um buraco (hole) na cabeça só porque teve uma infância ruim”.
    Iggy Pop & The Stooges – Iggy adotou este apelido em 64/65 no High School (2º Grau) por conta de ser o baterista da banda The Iguanas. Essa banda chegou a lançar um compacto em 1965. Stooges é homenagem aos Três Patetas (The Three Stooges).
    Iron Maiden – O nome “Iron Maiden” foi tomado do filme “The Man in The Iron Mask”. A “donzela de ferro” é um instrumento de tortura composto de uma caixa repleta de lanças pontiagudas em seu revestimento interior onde o condenado era trancafiado. “Donzela de Ferro” é também um dos apelidos da ex-primeira ministra inglesa Margareth Tatcher.
    Johnny Rotten – “Joãozinho Podre” ganhou seu apelido por causa dos seus dentes poderes.
    Kiss – Significa Beijo. O nome foi escolhido por soar perigoso e sexy. O acrônimo “Knights In Satan’s Service” (“Cavaleiros a Serviço de Satã”) foi uma inteligente e lucrativa maneira para ajudar evangelistas a colocarem o medo de Deus no homem comum.
    Korn – Varias versões propagadas pela própria banda. Referente a lenda urbana sobre um homem que comeu milho estragado e teve diarréia. Corruptela para Kiddy Porn (Pornografia Infantil). Ou não quer dizer nada mas a banda gostou do nome assim mesmo.
    Led Zeppelin – O baterista do the Who, Keith Moon, achou que a banda de Jimmy Page, que ainda se chamava The New Yardbirds, era pesada como chumbo e flutuava como um Zepelim. Daí Lead Zeppelin (Zepelim de Chumbo). Um Zepelin trata-se de um balão dirigível em forma de charuto. Mais tarde o nome foi mudado para Led Zeppelin para não ter dúvidas quanto à pronúncia.
    Limp Bizkit – O nome Limp Bizkit surgiu durante uma conversa entre o vocalista Fred Durst e um amigo que diz que seu cérebro parece um “limp biscuit” (uma bolacha amolecida). Ele gostou da idéia e adotou o nome.
    MC5 – “Motor City Five” são cinco hippies de Detroit, cidade cujo o apelido é Motor City pela pesada industria automobilística existente.
    Megadeth – Depois de sair do Metallica, Dave Mustane formou sua banda e a batizou com um nome inspirado no termo militar “megadeath”. Uma megadeath é a morte de um milhão de pessoas, portanto, exemplificando, a Segunda Guerra Mundial obteve 80 megadeaths.
    Metallica – Lars Ulrich ajudava um amigo bolar o nome de um metal fanzine. Uma das sugestões foi Metallica que não foi aproveitado para a revista. Lars então pegou para ele.
    Motorhead – Cabeçote de motor. Gíria para quem está sempre tomando anfetamina e nome de uma poderosa anfetamina que o vocalista Lemmy usava quando fazia parte da banda Hawkwind. Era também o nome de uma das músicas deste seu primeiro grupo.
    Muddy Waters – Águas Lamacentas. Seu nome é McKinley Morganfield e ganhou seu apelido em uma referência as águas lamacentas do Mississippi de onde ele vem.
    Nirvana – Estado avançado de espírito na cultura hindú.
    Nofx – Forma simplória para “no effects” (“sem efeitos”). Uma banda punk honesta não quer mesmo muita parafernália tecnológica no som.
    Offspring – Tiraram o nome do filme B “The Offspring – They Were Born To Kill” (Os Decendentes – Eles Nasceram Para Matar).
    Pearl Jam – Uma das prováveis origens do nome Pearl Jam tem a ver com uma geleia (jam em inglês) feita pela avó de Eddie Veder (chamada Pearl) cuja composição incluía peyote. Outras versões informam que Pearl Jam seria gíria, significando esporra. Eles quase se chamaram de “Mookie Blaylock” em homenagem a um jogador de basquete.
    Pennywise – Nome do palhaço no livro “It” de Stephen King.
    Pink Floyd – O nome Pink Floyd é a junção dos nomes de dois antigos músicos de Blues, Pink Anderson e Floyd Council (Dipper Boy), que influenciaram Syd Barret. Syd nomeou a banda com o nome de um dos discos da dupla, The Pink Floyd Sound, mais tarde abreviado para Pink Floyd. Por pouco eles não se chamaram de “Anderson Council” ou “Megadeath”.
    Radiohead – Tirado da música “Radio Head” dos Talking Heads.
    Rage Against The Machine – A primeira banda do vocalista Zack De La Rocha se chamava Inside Out, e chegou a lançar um CD. O nome do segunto CD desta banda seria Rage Against The Machine, mas esse segundo CD nunca chegou a ser lançado. Zack então aproveitou o nome para a sua nova banda.
    Ramones – O Beatle Paul McCartney usou o pseudônimo Paul Ramone durante a primeira excursão dos Beatles à Escócia. A banda tomou emprestado dele o sobrenome.
    Rolling Stones – Pedras Rolantes. Brian Jones escolheu o nome por causa da frase “A rolling stone gathers no moss” (Pedras rolantes não criam limo) e da música Rollin’ Stone, ambas frase e canção de Muddy Waters.
    Rush – Estavam todos preocupados pois já tinham uma apresentação marcada porem ainda não tinham nome. O irmão mais velho de John Rustley deu como suggestão Rush.
    Sex Pistols – O nome da banda foi baseado no nome da loja de Malcolm McLaren (Sex). É também uma conotação para o pênis.
    Soulfly – Alma Voa. Max Cavalera homenageou seu afilhado falecido.
    Supergrass – Grass (grama) é gíria para maconha.
    Ultraje à Rigor – Durante uma festa em que se apresentavam, Roger pensou em Ultraje, mas achou punk demais para a época. Resolveu perguntar a Edgard Scandurra (então guitarrista da banda), que chegou no meio da conversa e, sem entender direito a pergunta, disse: “Que traje? O traje a rigor?”
    White Zombie – Título de filme B estrelado por Bela Lugosi.
    ZZ Top – De acordo com o livro “Z.Z Top: Bad and Worldwide”, o nome foi inspirado num poster do bluesman texano chamado Z.Z. Hill. Queriam também um nome que sugerisse o melhor (“top”).

    O post completo e o significado do nome de outras bandas você confere no blog da Putzgrila

     
  • paulocarames 10:10 em 29/03/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: ace frehley, , , david leaf, Editora Nacional, , ken sharp, kiss, Kiss: Por Trás da Máscara, paul stanley, peter criss,   

    Livro – Kiss: Por Trás da Máscara 

    Kiss, Por trás da máscara – A Biografia Oficial Autorizada cumpre aquilo que promete. A história dos mascarados do Kiss é apresentada por David Leaf e Ken Sharp sem censura ou panos quentes. Dividido em três partes distintas o livro começa com uma entrevista concedida pela banda a David Leaf em 1979. O começo da banda foi difícil, até que os quatro membros do que viria a ser o Kiss encontraram-se, definiram seu visual e seu estilo musical. A esta altura tudo eram flores: a banda experimentava o sucesso, os discos solo vendiam como água e por aí vai. Na segunda parte Ken Sharp literalmente derruba a máscara da banda mostrando tudo aquilo que acontecia nos bastidores, guerra de egos, disputa por espaço na mídia e os tradicionais excessos com sexo e drogas que deixaram pouco espaço para o rock n’ roll. Na parte três, o mesmo Ken Sharp disseca álbum a álbum, música a música a obra completa da banda desde o Wicked Lester (com Gene Simmons e Paul Stanley antes do Kiss), os álbuns solo e a extensa discografia que inclui coletâneas, discos ao vivo memoráveis e clássicos como Destroyer de 1976 e Psycho Circus de 1998. Leitura fundamental mesmo para quem não é fã de carteirinha. Editora Nacional, 479 páginas.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: