Marcado como: led zeppelin Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • carames 10:00 em 25/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 6 de março, , , , , , , Brassneck TV, , , , , , , , , , , , led zeppelin, , , , , , , , Rock 'N' Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, , , Sky Arts, , , , , , ,   

    Documentário – Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen 2011 

    SkyArts_RocknRollExposed_Title-348x196bob gruen
    Com sua obra divulgada em livros como Rock Seen, Rockers, The Clash: Photographs by Bob Gruen e John Lennon: The New York Years eis que surge a cereja no bolo do fotógrafo Bob Gruen.

    Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, documentário lançado em 6 de março 2011, é uma obra de arte. Dirigido por Don Letts (The Punk Rock Movie, The Clash: Westway to the World e Punk Attitude) conta com depoimentos do próprio Gruen e muito mais.

    Tommy Ramone, Legs Mcneil, Iggy Pop, Billie Joe Armstrong, Debbie Harry, Alice Cooper, Yoko Ono e Sean Lennon põe a cara na tela para atestar a importância do fotógrafo que entrou pra história da música empunhando sua câmera.

    Praticamente imperceptível em ação, ele registrou as principais bandas de seu tempo sem poses combinadas – tudo com muita autenticidade e com poucos cliques. Segundo ele, só depois de muito tempo percebeu a importância do seu trabalho ao proporcionar a fãs a sensação de estar em uma época que ainda nem haviam nascido.

    Nas quase duas horas de documentário onde suas fotos desfilam na tela a trilha sonora é impecável: Rock n Roll All Night (Kiss); Lucille (Chuck Berry); Immigrant Song (Led Zeppelin); Dont Look Back (Bob Dylan); Brown Sugar, It’s Only Rock and Roll (Rolling Stones); Walk this way (Aerosmith); Eighteen (Alice Cooper); I Wanna Be Your Dog (Iggy and The Stooges); I Wanna Be Your Boyfriend, I Don’t Wanna Walk Around With You (Ramones); Horses (Patti Smith); Woman is The Nigger of The World (John Lennon); Personality Crisis, Looking for a Kiss (New York Dolls); Psycho Killer (Talking Heads); Blank Generation (Richard Hell and the Voidoids); Anarchy in The UK, Submission, Pretty Vacant (Sex Pistols); Complete Control, The Call Up, Radio Clash, Brand New Cadillac (The Clash); New York, New York (Frank Sinatra); Born to Run (Bruce Springsteen); Welcome to Paradise (Green Day); Seven Nation Army (White Stripes).

    Com uma seleção tão robusta e inúmeros detentores de direitos autorais o vídeo foi licenciado, por enquanto, apenas para tv a cabo – ou seja, nada de dvd à venda. Ainda assim vale a pena garimpar na programação e acompanhar esta aula de música e fotografia.

    Ficha Técnica:
    Brassneck TV – produzido por John Osborne

    ramonesbob_gruen_5
    Bob-Gruen_-1976BobGruen_008

    Anúncios
     
  • carames 10:00 em 04/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , Cosac Naify, , , , , , , , led zeppelin, , , , , , , rockers, , , , , , ,   

    Livro – Rockers 2007 

    bob gruen - rockersI Speak Music de George DuBose e Ramones Photographs de Chip Dayton são belos registros fotográficos de parte da trajetória dos Ramones – infelizmente nenhum lançado no Brasil.

    Rockers de Bob Gruen também mostra os Ramones com fotos icônicas, mas vai muito além. Conhecido como o fotógrafo do rock, Bob registrou os Ramones indo para o ensaio carregando seus instrumentos em sacolas de mercado e em momentos íntimos no backstage.

    Esteve frente a frente com John e Yoko por muito tempo enquanto viviam em Nova Iorque a poucas quadras de distância de onde morava – o livro John Lennon: The New York Years é dedicado a este período.

    Registrou também o Green Day reproduzindo uma sessão que já havia entrado para história ao clicar o The Clash no topo de um prédio e se não fosse o bastante, foi o único fotógrafo a acompanhar a famigerada última turnê dos Sex Pistols pelo território americano viajando no ônibus da banda.

    Este livro é resultado de uma exposição em São Paulo com mais de 270 fotos do catálogo de Gruen e que aconteceu entre maio de julho de 2007.

    Além dos já citados, a exibição incluiu fotos de Elvis Presley, Tina Turner, Rolling Stones, Led Zeppelin, The Who, Alice Cooper, Queen, Kiss, New York Dolls, Blondie, e o brasileiro Supla. Lançado por aqui com texto português/inglês é no mínimo, obrigatório. Cosac Naify, 220 páginas.

    NYCbig_Gruenstrummer-nyc-gruen
    Ramones-Bob-Gruen-Subway-1975R-2_Gruen


     
  • carames 1:20 em 07/02/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , led zeppelin, , melhor solo de guitarra, muse, , , , ,   

    Guns n’ Roses tem melhor solo de guitarra da história 

    O portal da publicação britânica “New Musical Express” está se especializando em listas. “Quais são os momentos mais eletrizantes do rock?”, questiona a equipe, que convidou os integrantes da tribo da banda Two Door Cinema Club para ajudá-la a selecionar os 50 melhores solos de guitarra de todos os tempos. E o resultado foi a banda de rock norte-americana dos anos 80, Guns N’ Roses, em primeiro lugar, com o inconfundível solo de “Sweet Child O’Mine”.

    10 — Shine On You Crazy Diamond — Pink Floyd. 1974

    Esse é um dos maiores sucessos da banda britânica Pink Floyd e é uma composição escrita por Roger Waters, Richard Wright e David Gilmour em tributo a Syd Barrett. Foi tocado pela primeira vez em 1974, durante uma turnê pela França, e gravado no ano seguinte no álbum “Wish You Were Here”. Segundo a revista, esse solo não possui o retalhamento maníaco de vários outros da lista e é mais introspectivo, letárgico, um pouco auto-indulgente e absolutamente convincente por todas essas razões.

    9 — Paranoid Android — Radiohead. 1997

    Essa canção foi o primeiro single do álbum “OK Computer”, da banda britânica Radiohead, lançado em 1997. O título é uma referência a um personagem do romance “O Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams, e Thom York compôs a música numa mansão do século XV, que ele acreditava estar mal assombrada. Para Steve Sparrow, da banda Morning Parade, que o comenta na lista, ele é um “anti-solo” e foi criado em meados dos anos 90, quando o Radiohead ainda utilizava as escalas de blues, que tem dominado os solos de guitarra desde o início do rock.

    8 — Johnny B. Goode — Chuck Berry. 1958

    Ken Mochikishi Home, do The Bronx/Mariachi El Bronx, chama atenção no site do “NME” para o fato de que todos seus ídolos da guitarra já se arriscaram a tocar essa frase de guitarra simples, cativante e memorável, mas que ninguém o fez como o próprio Chuck Berry. Esse solo ficou tão marcante que ganhou homenagem cinematográfica, quando foi tocado pelo personagem Marty McFly, interpretado por Michael J. Fox, no filme “De Volta Para o Futuro”, em, 1985, ao retornar 30 anos no tempo.

    7 — The Bends — Radiohead. 1995

    Essa é a faixa-título do segundo álbum de estúdio do Radiohead e, de acordo com a própria banda, marcou o início do retorno gradual da angústia pessoal de Thom Yorke nas letras, ao mesmo tempo em que apontou para temas sociais e globais que dominariam o trabalho da banda mais tarde. Para a equipe do “NME”, esse solo de guitarra foi um rolo compressor fumegante dos anos 90, que pairou como uma esperança acima do hino outsider de Thom Yorke.

    6 — Smells Like Teen Spirit — Nirvana. 1991 

    Essa canção fez parte do segundo e mais célebre álbum da banda grunge norte-americana Nirvana, “Nevermind”, lançado em 1991. Foi produzida por Butch Vig e escrita por Kurt Cobain, que, em 1994, declarou à “Rolling Stone”, que a havia realizado como tentativa de fazer algo no estilo dos Pixies, banda que sempre adorou. Segundo a equipe do portal do “NME”, o resultado obtido foi um som de guitarra tão angustiado quanto os versos que Cobain escrevia.

    5 — Knights Of Cydonia — Muse. 2006

    Parte do álbum “Black Holes and Revelations”, da banda inglesa de rock alternative Muse, essa canção foi lançada em 2006 e fez tanto sucesso que chegou ao décimo lugar do UK Singles Chart e foi parar no videogame “Guitar Hero III: Legends of Rock”. Comparando à “Bohemian Rhapsody”, do Queen, a equipe do “NME” considera que essa canção possui um solo de guitarra frenético, que funciona tão bem no centro das atenções como junto com os vocais agudos. “Leva quatro minutos, mas vale a pena esperar”, garante.

    4 — Killing In The Name — Rage Against The Machine. 1992

    Primeiro single do primeiro album da banda norte-americana de rap metal Rage Against The Machine, a música foi lançada em 1992 e a letra é uma crítica ácida ao racismo presente nos serviços de segurança dos Estados Unidos. Fraser Taylor, do Young Guns, tem Tom Morello como um dos guitarristas favoritos de todos os tempos e acredita que o solo dessa canção é um clássico e um dos trechos de música que estará para sempre preso em sua memória.

    3 — All Along The Watchtower — Jimi Hendrix. 1968

    Reconhecendo que qualquer canção do guitarrista norte-americano Jimi Hendrix poderia estar nesse Top 10, a equipe do “NME” assegura que esse cover de Bob Dylan ganha pela inventividade na mudança da forma pura e por mostrar o mestre em ação. Não é à toa que, das várias versões em diferentes gêneros que obteve, essa canção ficou mais associada à interpretação realizada por Hendrix para o clássico álbum “Electric Ladyland”, de 1968, e chegou à lista das 500 melhores canções de todos os tempos, realizada pela revista “Rolling Stone”.

    2 — Stairway To Heaven — Led Zeppelin. 1971

    Entre em qualquer rodinha com alguém tocando violão e, certamente, em algum momento será arriscado esse clássico do rock, claro que não com a mesma genialidade do original, composto pelo guitarrista Jimi Page e pelo vocalista Robert Plant, e gravado em 1971, para o álbum “Led Zeppelin IV”. Não é à toa que é a partitura mais vendida de todos os tempos. Segundo o “NME”, é tão bom e monumentalmente épico, que virou o cartão de visitas de uma das maiores bandas da história. Se aqui o solo ocupa o segundo lugar, ele aparece no topo da lista da revista mensal norte-americana “Guitar World”.

    1 — Sweet Child O’Mine — Guns N’Roses. 1987

    Basta tocar o solo de guitarra de Slash em qualquer lugar do planeta para que alguém reconheça a canção gravada em “Appetite For Destruction”, álbum de estreia da banda norte-americana de hardrock Guns N’Roses. Maior eficácia impossível, tanto que atingiu o primeiro lugar na parada “Billboard Hot 100”, durante duas semanas de setembro de 1988. Para a equipe do “NME”, esse solo realizado numa guitarra Les Paul é de primeiríssima classe e se torna cada vez mais excitante, além de soar perfeito para a performance vocal de Axl Rose. “Nada mal para uma música que nasceu numa sala de ensaio suja de mijo”, finaliza.

    Fonte: Yahoo.com

     
  • carames 0:39 em 08/12/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , As 10 melhores músicas 'abre álbum', , , , led zeppelin, , , , , , ,   

    As 10 melhores músicas ‘abre álbum’ 

    A Ultimate Classic Rock elegeu as 10 melhores músicas que além de clássicas, tiveram a responsabilidade de abrir o disco. Confere aí:

    10 ‘Hells Bells’

    AC/DC – ‘Back in Black’ 1980
    AC/DC Hells Bells

    09 ‘Runnin’ With the Devil’

    Van Halen – ‘Van Halen’ 1978
    Van Halen Runnin' With the Devil

    08 ‘More Than a Feeling’

    Boston – ‘Boston’ 1976
    Boston More Than a Feeling

    07 ‘Come Together’

    The Beatles – ‘Abbey Road’ 1969
    The Beatles Come Together

    06 ‘We Will Rock You’

    Queen – ‘News of the World’ 1977
    Queen We Will Rock You

    05 ‘Smells Like Teen Spirit’

    Nirvana – ‘Nevermind’ 1991
    Nirvana Smells Like Teen Spirit

    04 ‘Welcome to the Jungle’

    Guns N’ Roses – ‘Appetite for Destruction’ 1987
    Guns N' Roses Welcome to the Jungle

    03 ‘Black Dog’

    Led Zeppelin – ‘Led Zeppelin IV’ 1971
    Led Zeppelin Black Dog

    02 ‘Sympathy for the Devil’

    The Rolling Stones – ‘Beggars Banquet’ 1968
    Rolling Stones Beggars Banquet

    01 ‘Baba O’Riley’

    The Who – ‘Who’s Next’ 1971
    The Who Baba O'Riley

     
  • carames 0:57 em 09/11/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 40 anos, 8 de novembro de 1971, , IV, led zeppelin, , , rock and roll   

    LP/CD – Led Zeppelin: IV 1971 


    40 anos de um clássico absoluto do rock que já vendeu mais de 37 milhões de cópias mundo afora.

    Lado A
    01 “Black Dog” (Page/Plant/Jones) – 4:57
    02 “Rock and Roll” (Page/Plant/Jones/Bonham) – 3:40
    03 “The Battle of Evermore” (Page/Plant) – 5:52
    04 “Stairway to Heaven” (Page/Plant) – 8:02
    Lado B
    05 “Misty Mountain Hop” (Page/Plant/Jones) – 4:38
    06 “Four Sticks” (Page/Plant) – 4:45
    07 “Going to California” (Page/Plant) – 3:31
    08 “When the Levee Breaks” (Page/Plant/Jones/Bonham/Minnie) – 7:08

     
  • carames 3:05 em 27/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , black crowes, , , , , , burzum, , , , , , , , , , , hole, , , , , , led zeppelin, limp bizkit, , , , , , , , , , , , , , , , , significado nome das bandas, , , , ,   

    Origem do nome de algumas, várias, bandas… 

    AC/DC – A irmã de Angus e Malcolm Young, Margaret, criou o nome. Aparentemente ela achou a sigla em um eletrodoméstico, e achou que casava bem com a banda, visto que tinha a ver com eletricidade (AC/DC é um indicativo de corrente contínua e alternada). Depois descobriram que era também uma gíria que designava bissexuais mas já era tarde. São infundadas as versões de que o nome seria uma sigla para Anti-Christ/Dead-Christ (anticristo, cristo morto).
    Aerosmith – O nome Aerosmith não significa absolutamente nada. Foi proposto por Joey Kramer e segundo Steven Tyler foi o único nome entre vários propostos que ninguém odiou.
    Alice In Chains – Paródia masoquista de Alice no País das Maravilhas. A idéia inicial (que nunca chegou a acontecer) era de tocarem covers de Slayer usando vestidos.
    Anthrax – É o nome de um microorganismo desenvolvido para guerra bacteriológica. Ficou famoso após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, quando a banda chegou a cogitar mudar de nome.
    Audioslave – Primeiro, a banda foi batizada Civilian. Mas acontece que já existia uma banda de nome Civilian, e foi preciso procurar outro nome. Chris Cornell (vocalista) sugeriu Audioslave e ninguém na banda ousou discordar. Só que também já existia um Audioslave. Desta vez, a banda resolveu entrar em acordo com a banda homônima para continuar sendo Audioslave. (Colaborou: Leonardo Apolinário)
    B. B. King – Abreviatura para “Blues Boy King”.
    Beastie Boys – Beastie quer dizer animalesco. Porém o nome dessa banda é na verdade um acrônimo para “Boys Entering Anarchistic States Toward Internal Excellence” (Rapazes Entrando em um Estado Anárquico Visando a Excelência Interna).
    Black Crowes – O nome original da banda era Uncle Crowe’s Garden, tirado de historia infantil.
    Black Flag – A bandeira preta é a bandeira dos piratas. É também uma marca de inseticida. Quando Adam Ant tocou na Califórnia, membros da banda distribuiram bottons com os dizeres “Black Flag kills ants!” (Black Flag mata formigas). Ainda segundo Henry Rolins, se inspiraram no nome do Black Sabbath.
    Black Sabbath – Um Sabbath Negro é uma reunião de bruxas e feiticeiras. A banda se chamava Earth e resolveu assumir o nome de uma música composta por Geezer Butler, inspirada em um suspense do novelista Denis Wheatley.
    Blur – A banda na verdade se chamava SEYMOUR porem uma das condições em seu primeiro contrato era de se mudar o nome para um contido em uma lista oferecida pela gravadora. Blur foi escolhido como a melhor opção.
    Bob Dylan – Seu nome verdadeiro é Robert Zimmerman. Achando o nome excessivamente étnico e sendo grande admirador do poeta Dylan Thomas, ele mudou para Bob Dylan.
    Burzum – Significa “Mais Trevas” na língua fictícia inventada por JRR Tolkien para seu livro “O Senhor Dos Anéis”. Essa banda de Black Metal está atualmente desativada pois seu fundador está descansando na penitenciária após ter assassinado Euronymous da banda Mayhem.
    Bush – Alusão a “Sheperd’s Bush”, bairro em Londres.
    CBGB’s – Templo Nova Yorquino para o new wave, punk e thrash. O nome completo do lugar é CBGB and OMFUG, lendo “Country, Bluegrass, Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers”.
    Clash – Tirado de manchete do jornal “A Clash With Police”. Paul Simmon teve a idéia e todos concordaram.
    Dead Kennedys – Kennedys mortos era uma alusão aos assassinatos do presidente John Fitzgerald Kennedy e seu irmão senador Robert Fitzgerald Kennedy. Uma citação famosa de East Bay Ray (guitarrista) sobre este assunto: “Um Show dos Dead Kennedys no dia 22 de novembro, aniversário da morte de John Kennedy, não seria de mau gosto? Claro! Mas os assassinatos também não são de mau gosto?”
    Engenheiros do Hawaii – Tudo começou em 1984 na Faculdade de Arquitetura em Porto Alegre, onde o grupo estudava. Existia uma rixa entre o pessoal de arquitetura e engenharia. Os estudantes se envolviam em rixas curriculares, filosóficas, estilos de vidas, etc. Enfim, o pessoal da arquitetura inventou um apelido para acabar com os inimigos. “Todo estudante de arquitetura é meio arrogante, acha que os engenheiros estão abaixo. Tinha um pessoal na engenharia que usava aquelas roupas de surfista, e, para irritá-los, nós fazíamos questão de chamá-los de ‘engenheiros’ e, mais do que isso, ‘engenheiros do hawaii’, que é um paraíso meio kitsch”. Na época, havia uma explosão de bandas punk, todas com nomes heróicos entre elas: Cavaleiros do apocalipse, Virgens Nucleares, Titãs, etc. Disse Humberto: “Sempre me assustou essa coisa heróica da música pop, porque te leva a ser meio semideus. Engenheiros do Hawaii era um nome desmistificador, ninguém nos levaria muito a sério. É um nome que até hoje nos protege de nos encararem como sacerdotes”. (Colaborou: Leandro Silva)
    Exploited – Explorado.
    Faith No More – Fé Nunca Mais. O nome anterior era Sharp Young Men, que depois mudou para Faith No Man quando seu crooner era Mike “The Man” Morris. Quando Morris saiu em 1982, evoluíram para Faith No More.
    Foo Fighters – Gíria originada durante a Segunda Guerra Mundial significando UFO’s (OVNI’s). A palavra Foo é uma corruptela do francês “feu” significando “fogo” ou “fou”, significando “insano”. Dizem que tudo começou quando um grupo de pilotos da aeronáutica tentaram atirar em possíveis UFO’s.
    Green Day – Trata-se de uma referência a maconha. Um dia verde é um dia em que você deixa de fazer suas obrigações para ficar fumando. Também cotado como inspiração, uma placa no filme “Soilent Verde” escrito “Green Day”. A banda se chamava Sweet Children.
    Guns N’Roses – Tirado dos nomes de Tracii Guns e Axl Rose ou de suas respectivas bandas, LA Guns e Hollywood Roses.
    Heavy Metal – Termo criado pelo autor beatnick William Burroughs nos anos sessenta sem nenhuma relação a música. Steppenwolf em “Born to be Wild” é o primeiro a usá-lo, “Heavy Metal Thunder”, referindo-se ao barulho alto do motor das motorcicletas.
    Hole – Frase da mãe de Courtney, “Você não pode seguir com um buraco (hole) na cabeça só porque teve uma infância ruim”.
    Iggy Pop & The Stooges – Iggy adotou este apelido em 64/65 no High School (2º Grau) por conta de ser o baterista da banda The Iguanas. Essa banda chegou a lançar um compacto em 1965. Stooges é homenagem aos Três Patetas (The Three Stooges).
    Iron Maiden – O nome “Iron Maiden” foi tomado do filme “The Man in The Iron Mask”. A “donzela de ferro” é um instrumento de tortura composto de uma caixa repleta de lanças pontiagudas em seu revestimento interior onde o condenado era trancafiado. “Donzela de Ferro” é também um dos apelidos da ex-primeira ministra inglesa Margareth Tatcher.
    Johnny Rotten – “Joãozinho Podre” ganhou seu apelido por causa dos seus dentes poderes.
    Kiss – Significa Beijo. O nome foi escolhido por soar perigoso e sexy. O acrônimo “Knights In Satan’s Service” (“Cavaleiros a Serviço de Satã”) foi uma inteligente e lucrativa maneira para ajudar evangelistas a colocarem o medo de Deus no homem comum.
    Korn – Varias versões propagadas pela própria banda. Referente a lenda urbana sobre um homem que comeu milho estragado e teve diarréia. Corruptela para Kiddy Porn (Pornografia Infantil). Ou não quer dizer nada mas a banda gostou do nome assim mesmo.
    Led Zeppelin – O baterista do the Who, Keith Moon, achou que a banda de Jimmy Page, que ainda se chamava The New Yardbirds, era pesada como chumbo e flutuava como um Zepelim. Daí Lead Zeppelin (Zepelim de Chumbo). Um Zepelin trata-se de um balão dirigível em forma de charuto. Mais tarde o nome foi mudado para Led Zeppelin para não ter dúvidas quanto à pronúncia.
    Limp Bizkit – O nome Limp Bizkit surgiu durante uma conversa entre o vocalista Fred Durst e um amigo que diz que seu cérebro parece um “limp biscuit” (uma bolacha amolecida). Ele gostou da idéia e adotou o nome.
    MC5 – “Motor City Five” são cinco hippies de Detroit, cidade cujo o apelido é Motor City pela pesada industria automobilística existente.
    Megadeth – Depois de sair do Metallica, Dave Mustane formou sua banda e a batizou com um nome inspirado no termo militar “megadeath”. Uma megadeath é a morte de um milhão de pessoas, portanto, exemplificando, a Segunda Guerra Mundial obteve 80 megadeaths.
    Metallica – Lars Ulrich ajudava um amigo bolar o nome de um metal fanzine. Uma das sugestões foi Metallica que não foi aproveitado para a revista. Lars então pegou para ele.
    Motorhead – Cabeçote de motor. Gíria para quem está sempre tomando anfetamina e nome de uma poderosa anfetamina que o vocalista Lemmy usava quando fazia parte da banda Hawkwind. Era também o nome de uma das músicas deste seu primeiro grupo.
    Muddy Waters – Águas Lamacentas. Seu nome é McKinley Morganfield e ganhou seu apelido em uma referência as águas lamacentas do Mississippi de onde ele vem.
    Nirvana – Estado avançado de espírito na cultura hindú.
    Nofx – Forma simplória para “no effects” (“sem efeitos”). Uma banda punk honesta não quer mesmo muita parafernália tecnológica no som.
    Offspring – Tiraram o nome do filme B “The Offspring – They Were Born To Kill” (Os Decendentes – Eles Nasceram Para Matar).
    Pearl Jam – Uma das prováveis origens do nome Pearl Jam tem a ver com uma geleia (jam em inglês) feita pela avó de Eddie Veder (chamada Pearl) cuja composição incluía peyote. Outras versões informam que Pearl Jam seria gíria, significando esporra. Eles quase se chamaram de “Mookie Blaylock” em homenagem a um jogador de basquete.
    Pennywise – Nome do palhaço no livro “It” de Stephen King.
    Pink Floyd – O nome Pink Floyd é a junção dos nomes de dois antigos músicos de Blues, Pink Anderson e Floyd Council (Dipper Boy), que influenciaram Syd Barret. Syd nomeou a banda com o nome de um dos discos da dupla, The Pink Floyd Sound, mais tarde abreviado para Pink Floyd. Por pouco eles não se chamaram de “Anderson Council” ou “Megadeath”.
    Radiohead – Tirado da música “Radio Head” dos Talking Heads.
    Rage Against The Machine – A primeira banda do vocalista Zack De La Rocha se chamava Inside Out, e chegou a lançar um CD. O nome do segunto CD desta banda seria Rage Against The Machine, mas esse segundo CD nunca chegou a ser lançado. Zack então aproveitou o nome para a sua nova banda.
    Ramones – O Beatle Paul McCartney usou o pseudônimo Paul Ramone durante a primeira excursão dos Beatles à Escócia. A banda tomou emprestado dele o sobrenome.
    Rolling Stones – Pedras Rolantes. Brian Jones escolheu o nome por causa da frase “A rolling stone gathers no moss” (Pedras rolantes não criam limo) e da música Rollin’ Stone, ambas frase e canção de Muddy Waters.
    Rush – Estavam todos preocupados pois já tinham uma apresentação marcada porem ainda não tinham nome. O irmão mais velho de John Rustley deu como suggestão Rush.
    Sex Pistols – O nome da banda foi baseado no nome da loja de Malcolm McLaren (Sex). É também uma conotação para o pênis.
    Soulfly – Alma Voa. Max Cavalera homenageou seu afilhado falecido.
    Supergrass – Grass (grama) é gíria para maconha.
    Ultraje à Rigor – Durante uma festa em que se apresentavam, Roger pensou em Ultraje, mas achou punk demais para a época. Resolveu perguntar a Edgard Scandurra (então guitarrista da banda), que chegou no meio da conversa e, sem entender direito a pergunta, disse: “Que traje? O traje a rigor?”
    White Zombie – Título de filme B estrelado por Bela Lugosi.
    ZZ Top – De acordo com o livro “Z.Z Top: Bad and Worldwide”, o nome foi inspirado num poster do bluesman texano chamado Z.Z. Hill. Queriam também um nome que sugerisse o melhor (“top”).

    O post completo e o significado do nome de outras bandas você confere no blog da Putzgrila

     
  • carames 2:22 em 26/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , led zeppelin, , , , Top 10 melhores músicas (bateristas),   

    Top 10 melhores músicas (bateristas) 

    A Ultimate Classic Rock listou as 10 melhores músicas com performances inigualáveis de bateristas. Que inicie a polêmica:

    10 ‘Toad’ Cream
    Drummer: Ginger Baker


    ‘Fire’ Jimi Hendrix Experience
    Drummer: Mitch Mitchell


    ‘Aja’ Steely Dan
    Drummer: Steve Gadd


    ‘Ticks & Leeches’ Tool
    Drummer: Danny Carey


    ‘My Generation’ The Who
    Drummer: Keith Moon


    ’21st Century Schizoid Man’ King Crimson
    Drummer: Michael Giles


    ‘Karn Evil 9’ Emerson Lake & Palmer
    Drummer: Carl Palmer


    ‘YYZ’ Rush
    Drummer: Neil Peart


    ‘Hot for Teacher’ Van Halen
    Drummer: Alex Van Halen


    ‘Moby Dick’ Led Zeppelin
    Drummer: John Bonham

     
  • carames 11:39 em 24/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , améria/rj, , , blitz, , , , chitáozinho e xororó, , , , E se o seu time fosse uma banda?, erasmo carlos, , , , goiás, , guarani, , jorge ben, led zeppelin, leonardo, los hermanos, , oasis, palmeiras, , paraná clube, ponte preta, , remo, , , , , , , vasco   

    E se o seu time fosse uma banda? 

    Tá certo, a Amy morreu e o Atlético/PR ainda não, mesmo assim o texto é interessante:


    Grêmio = Sepultura
    Na terra do molejo e do samba faceiro..
    Muitos acham que eles pegam pesado demais.


    Corinthians = Michael Jackson
    Um dos mais populares da história..
    Envolveu-se em escândalos e até mudou de cor.


    Palmeiras = Aerosmith
    A banda tem enorme tempo de estrada.
    Mas suas músicas só atingem o estrelato quando faz alguma parceria.


    São Paulo = Queen
    Já foi eleita a melhor do mundo uma quantidade de vezes.
    E um dos seus integrantes é assumidamente homossexual.


    Santos = Beatles
    Nos anos 60, não tinha pra ninguém.
    Só que até hoje é lembrado no mundo inteiro pelos sucessos de 40 anos atrás.


    Vasco = Oasis
    Banda de qualidade e importância inquestionáveis.
    Todo mundo quer gostar dela quando ouve..
    Mas a imagem do ex-líder faz muita gente ainda sentir aversão.


    Internacional = Led Zeppelin
    Reinou nos anos 70 e morreu nos 80.
    Seus líderes conseguiram juntar os cacos e voltar nos anos 2000.


    Fluminense = Titãs
    Banda charmosa e simpática e, no Brasil, é querida por muitos.
    O problema é que ninguém nunca ouviu falar fora de nossas fronteiras.


    Botafogo = Rolling Stones
    Seria o maior da década de 60, se não houvesse um rival mais popular.
    Teve seu Satisfaction em Garrincha.


    Cruzeiro = Paralamas do Sucesso
    Na América do Sul é respeitado e campeão de vendas.
    Mas quando participa de um festival com bandas européias é café com leite.


    Flamengo = Jorge Ben Jor
    Há muito tempo não produz um grande sucesso.


    Goiás = Leonardo
    Tomou espaço de outros similares, e vez ou outra emplaca um sucesso.
    Mas nunca chegando ao topo como seus inspiradores.


    América-RJ = Erasmo Carlos
    Parceiro na panela Jovem (RJ) da década de 60..
    Hoje em dia vive só de nome e de lembranças dos saudosistas..


    Remo = Calypso
    Orgulho do Pará, e só do Pará.


    Paraná Clube = Los Hermanos
    Seus poucos fãs juram que a banda é muito boa.
    Mas, fora eles, ninguém mais no mundo sabe que ela existe.


    Coritiba = Banda Blitz & Ewandro Mesquita
    Um raro sucesso nos anos 80..
    Tanto que os seus fãs ainda cantam nos dias atuais..
    Mas só por falta de outras músicas boas..


    Atlético Paranaense = Amy Winehouse
    Já foi muito badalada e considerada a estrela mais promissora dos últimos tempos. Mas está para morrer a qualquer momento.


    Ponte Preta & Guarani = Chitãozinho e Xororó
    Quando apareceram, ganharam muitos fãs pelo Brasil.
    Viraram febre, mas nunca foram unanimidade. Depois de um tempo, se relegaram aos seus poucos fãs do interior.

     
  • carames 14:41 em 13/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , led zeppelin   

    Video – Led Zeppelin: Rock and Roll 

     
  • carames 0:46 em 29/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 50 músicas mais pesadas antes do sabbath, , , , deep purple, , led zeppelin, , , , steppenwolf, , , the kinks, , , the yardbirds   

    50 músicas mais pesadas do rock antes do Sabbath 

    Apesar da criação do heavy metal ser tema de controvérsia até hoje, em um ponto todos concordam, o primeiro álbum do gênero é sem dúvida do Black Sabbath em 1970. A revista Guitar World publicou uma lista com as 50 músicas mais pesadas do rock antes que o Black Sabbath fosse criado:

    01 – LED ZEPPELIN, “Dazed and Confused” (1969)
    02 – MC5, “Kick Out the Jams” (1969)
    03 – HIGH TIDE, “Death Warmed Up” (1969)
    04 – PINK FLOYD, “The Nile Song” (1969)
    05 – EDGAR BROUGHTON BAND, “Evil” (1969)
    06 – BITTER CREEK, “Plastic Thunder” (1967)
    07 – JACULA, “Triumphatus Sad” (1969)
    08 – THE BEATLES, “Helter Skelter” (1968)
    09 – CROMAGNON, “Caledonia” (1969)
    10 – THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE, “Voodoo Child (Slight Return)” (1968)
    11 – THE 31 FLAVORS, “Distortions of Darkness” (1969)
    12 – THE STOOGES, “I Wanna Be Your Dog” (1969)
    13 – VALHALLA, “Hard Times” (1969)
    14 – DEEP PURPLE, “Wring That Neck” (1968)
    15 – SCREAMIN’ JAY HAWKINS, “I Put a Spell on You” (1956)
    16 – KING CRIMSON, “21st Century Schizoid Man” (1969)
    17 – CREAM, “Tales of Brave Ulysses” (1967)
    18 – STONE GARDEN, “Oceans Inside Me” (1969)
    19 – BLUE CHEER, “Summertime Blues” (1968)
    20 – LED ZEPPELIN, “Communication Breakdown” (1969)
    21 – STEPPENWOLF, “Born to be Wild” (1967)
    22 – THE CRAZY WORLD OF ARTHUR BROWN, “Fire” (1968)
    23 – THE KINKS, “All Day and All of the Night” (1964)
    24 – VELVET HAZE, “Last Day on Earth” (1967)
    25 – ANDROMEDA, “Keep Out ’Cos I’m Dying” (1969)
    26 – THE SONICS, “The Witch” (1965)
    27 – BLACK WIDOW, “Come to the Sabbat!” (1969)
    28 – VANILLA FUDGE, “You Keep Me Hangin’ On” (1967)
    29 – IRON BUTTERFLY, “In-A-Gadda-Da-Vida” (1968)
    30 – JIMI HENDRIX, “Purple Haze” (1967)
    31 – LED ZEPPELIN, “Whole Lotta Love” (1969)
    32 – TEN YEARS AFTER, “Bad Scene” (1969)
    33 – ARZACHEL, “Leg” (1969)
    34 – THE BEATLES, “I Want You (She’s So Heavy)” (1969)
    35 – HUMBLE PIE, “Desperation” (1969)
    36 – CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, “Fortunate Son” (1969)
    37 – BUNKER HILL, “The Girl Can’t Dance” (1963)
    38 – CAPTAIN BEEFHEART, “Diddy Wah Diddy” (1966)
    39 – DRAGONFLY, “Blue Monday” (1968)
    40 – THE KINKS, “You Really Got Me” (1964)
    41 – CREAM, “Sunshine of Your Love” (1967)
    42 – SAM GOPAL, “Season of the Witch” (1969)
    43 – THE WAILERS, “Out of Our Tree” (1966)
    44 – THE COUNT FIVE, “Psychotic Reaction” (1966)
    45 – PINK FLOYD, “Interstellar Overdrive” (1967)
    46 – THE GUESS WHO, “American Woman” (1970)
    47 – COVEN, “Pact With Lucifer” (1969)
    48 – THE WHO, “My Generation” (1965)
    49 – THE YARDBIRDS, “Happenings 10 Years Time Ago” (1966)
    50 – THE TROGGS, “Wild Thing” (1966)

     
  • carames 0:05 em 17/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , bad company, , , led zeppelin, , melhores segundos discos, , , the allman brothers band, , ,   

    Os 10 melhores ‘segundos’ discos 

    A Ultimate Classic Rock divulgou uma lista com o que considera os 10 melhores segundos álbuns. A publicação já havia divulgado uma lista com os melhores discos de estréia. Led Zeppelin, Van Halen, The Beatles e Black Sabbath que haviam sido citados entre os melhores discos de estréia repetiram o feito com seus discos seguintes.

    Confira abaixo e faça a sua própria lista:

    1: ‘Let There Be Rock’ – AC/DC

    AC/DC Let There Be Rock

    2: ‘Paranoid’ – Black Sabbath

    Black Sabbath Paranoid

    3: ‘Led Zeppelin II’ – Led Zeppelin

    Led Zeppelin II

    4: ‘Diary Of A Madman’ – Ozzy Osbourne

    Ozzy Osbourne Diary of a Madman

    5: ‘Van Halen II’ – Van Halen

    Van Halen II

    6: ‘Meet The Beatles’ – The Beatles

    The Beatles Meet the Beatles

    7: ‘The Southern Harmony and Musical Companion’ – The Black Crowes

    The Black Crowes the Southern Harmony and Musical Companion

    8: ‘Ride The Lightning’ – Metallica

    Metallica Ride the Lightning

    9: ‘Idlewild South’ – The Allman Brothers Band

    Allman Brothers Band Idlewild South

    10: ‘Straight Shooter’ – Bad Company

    Bad Company Straight Shooter

     
  • carames 1:01 em 31/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 10 melhores discos de estréia, , , , , , led zeppelin, , , , the cars, , ,   

    Os 10 melhores discos de estréia 

    A Ultimate Classic Rock divulgou uma lista com o que considera os 10 melhores álbuns de estréia.
    Confira abaixo e faça a sua própria lista:

    1: ‘Led Zeppelin’ – Led Zeppelin

    É difícil encontrar um álbum de estréia tão coeso e poderoso quanto esta pérola de 1969.

    Led Zeppelin Led Zeppelin

    2: ‘Are You Experienced’ – Jimi Hendrix Experience

    Ninguém até agora conseguiu provar com sucesso que Jimi Hendrix não seja de outro mundo.
    Jimi Hendrix Experience Are You Experienced?

    3: ‘Appetite for Destruction’ – Guns N’ Roses

    Hard rock com sarcasmo pop são a influência desta obra-prima.
    Guns N' Roses Appetite For Destruction

    4: ‘Van Halen’ – Van Halen

    O Hard Rock nunca mais foi o mesmo depois de Eddie Van Halen e seu estilo revolucionário.
    Van Halen Van Halen

    5: ‘The Doors’ – The Doors

    Jim Morrison e Ray Manzarek criaram arranjos incomuns com músicas sombrias e sem baixista.
    The Doors The Doors

    6: ‘Black Sabbath’ – Black Sabbath

    A árvore genealógica do heavy metal moderno foi plantada aqui mesmo.
    Black Sabbath Black Sabbath

    7: ‘Please Please Me’ – The Beatles

    Sempre à frente dos Stones em seus primórdios, este primeiro registro contém oito músicas da parceria Lennon/Mccartney.
    The Beatles Please Please Me

    8: ‘England’s Newest Hit Makers’ – The Rolling Stones

    O primeiro registro dos Stones está recheado de covers de soul e blues mas com uma roupagem única.
    The Rolling Stones England's Newest Hit Makers

    9: ‘The Cars’ – The Cars

    ‘Good Times Roll’,  ‘My Best Friend’s Girl’ e  ‘Just What I Needed’ são apenas as três primeiras músicas do disco.
    The Cars The Cars

    10: ‘Boston’ – Boston

    O disco homônimo do Boston invadiu as rádios com um exército de espaçonaves.
    Boston Boston

    Matéria publicada originalmente na Ultimate Classic Rock

     
  • carames 11:04 em 24/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 10 melhores duplas do rock, , , , , , led zeppelin, , , , ,   

    As 10 melhores duplas da história (do rock) 

    Dupla sertaneja? Claro que não. A Ultimate Classic Rock criou uma lista com as 10 melhores duplas da história do rock. Foram considerados tanto seu entrosamento nas composições quanto suas performances no palco, o que resultou muitas vezes em uma mistura tóxica, como diz a publicação. Segue a lista dos escolhidos:

    01 – Mick Jagger/Keith Richards (THE ROLLING STONES)
    02 – Robert Plant/Jimmy Page (LED ZEPPELIN)
    03 – Roger Daltrey/Pete Townshend (THE WHO)
    04 – Bono/The Edge (U2)
    05 – David Lee Roth/Eddie Van Halen (VAN HALEN)
    06 – Steven Tyler/Joe Perry (AEROSMITH)
    07 – Axl Rose/Slash (GUNS N’ ROSES)
    08 – Freddie Mercury/Brian May (QUEEN)
    09 – Brian Johnson/Angus Young (AC/DC)
    10 – Ozzy Osbourne/Tony Iommi (BLACK SABBATH)

     
    • Amelia Calado 21:33 em 18/01/2012 Link Permanente | Resposta

      Gostei muito da lista
      VIVA O ROCK AND ROLL!

    • rafael 9:11 em 15/12/2013 Link Permanente | Resposta

      cara, essa lista copiou minha mente kkkk, penso o mesmo tb, 1 – Mick Jagger e Keith Richards, 2 – Robert Plant e Jimmy Page

  • carames 16:40 em 30/01/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , john paul jones, josh homme, led zeppelin, , , , supergrupo,   

    CD – Them Crooked Vultures: Them Crooked Vultures 2009 

    Em 2008 o Foo Fighters fez um show memorável em Wembley que posteriormente viria a ser lançado em DVD. Dos tantos momentos excepcionais deste show o destaque, sem dúvida alguma, é quando Dave Grohl toca a música Rock n’ Roll do Led Zeppelin (com nada menos que Jimmy Page e John Paul Jones). Deste encontro e de contatos anteriores de Grohl com Josh Homme (Dave Grohl já havia gravado participações em músicas do Queens of the Stone Age, banda de Homme) nasceu o Them Crooked Vultures, projeto com o qual eles lançaram este disco em 2009 e já anunciaram um novo álbum para 2011.

    01. No One Loves Me & Neither do I
    02. Mind Eraser, no Chaser
    03. New Fang
    04. Dead End Friends
    05. Elephants
    06. Scumbag Blues
    07. Bandoliers
    08. Reptiles
    09. Interlude With Ludes
    10. Warsaw Or the First Breath You Take After You Give Up
    11. Caligulove
    12. Gunman
    13. Spinning in Daffodils

     
  • carames 0:33 em 11/10/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , led zeppelin, , , , , ,   

    A onda das biografias 

    Houve um tempo (pareço velho falando, mas se a vida começa aos 30, recém fiz dois anos, hehe). Vamos de novo… Houve um tempo em que informação era algo dificílimo de se obter. Tome isto no sentido literal, pois durante a ditadura toda informação era controlada e após este período continuou sendo difícil conseguir informação a respeito de qualquer coisa: política, música, literatura, educação, notícias em geral, etc.

    Quero pinçar para este post apenas a questão musical. Nos anos 80 deixamos um pouco de lado a fama de terra do carnaval para tentar ser o país do rock com o Rock in Rio, Hollywood Rock e toda a safra de bandas do rock nacional oitentista. Por outro lado, no tempo do disco de vinil, ficávamos sabendo que um artista havia lançado um álbum vários meses depois do acontecido.

    Com o passar do tempo surgiram revistas que davam conta das últimas notícias mas nada que fosse muito a fundo no que acontecia com as bandas, fossem elas nacionais ou não, e as biografias existentes eram disponíveis somente em versões importadas, para poucos privilegiados com dinheiro e fluência em inglês suficientes.

    Hoje a conversa é outra, muitos discos estão disponíveis na internet antes mesmo de chegarem às lojas além das notícias que, em tempo real, são disseminadas em blogs, fóruns e portais na web. Na contramão disto tudo, um formato secular tem nos últimos anos preenchido uma lacuna e corrigido uma antiga injustiça. Em tempos de celebridades instantâneas e bandinhas de araque feitas por conveniência, é um alívio que tenhamos acesso a tantos títulos que nos deixam a par de tudo aquilo que nos foi negado naquele período.

    E não falo somente da extensa lista (logo abaixo alguns exemplos) de artistas estrangeiros que tiveram sua vida retratada em biografias recentemente lançadas por aqui em bom português. As bandas nacionais também perceberam a chance de preencher a lacuna deixada pela queda na receita com a venda de cds e ocuparam espaço nas prateleiras das livrarias do país.

    Afinal, ao contrário da música que evoluiu existindo hoje em outros suportes (evolução é em primeiro lugar mutação, não obrigatoriamente melhoria) e embora fiquem tentando vender aparatos modernos que prometem fazê-lo, a literatura ainda não encontrou um substituto adequado para o livro impresso.
    Sendo assim, escolha um gênero ou um artista e boa leitura.

    Pra Ser Sincero: 123 variações sobre um mesmo tema (Eng Haw)
    Mapas do Acaso, 45 variações sobre o mesmo tema (Eng Haw)
    Eu Sou Ozzy (Ozzy Osbourne)
    Paralamas do Sucesso, vamo batê lata
    Heavy Metal – A História Completa
    Slash, biografia
    Quando os gigantes caminhavam sobre a terra (Led Zeppelin)
    Let there be rock, a história da banda (AC/DC)
    Kiss, por trás da máscara
    Coração Envenenado, minha vida com os Ramones (Dee Dee Ramone)
    Hey Ho Let’s Go, a história dos Ramones
    Paul Mccartney, uma vida
    Vida (Keith Richards)
    Acorda Hip Hop
    Blues, da lama a fama
    Magia Do Reggae
    Come as you are, a história do Nirvana
    Sexo, drogas e Rolling Stones
    Elvis, a vida na música
    O Diário dos Beatles
    Titãs, a vida até parece uma festa
    Kurt Cobain, fragmentos de uma autobiografia
    Kurt Cobain, mais pesado que o céu
    Não Devemos nada a você
    Marcelo D2, vamos fazer barulho
    O Que é Punk
    The Doors por The Doors
    Ultraje a rigor, nós vamos invadir sua praia
    RPM, revelações por minuto
    Johnny Cash, uma biografia
    Almanaque Do Rock
    A Filosofia do Punk, mais do que barulho
    Fodido e Xerocado, a cena punk revelada
    Mate-me Por Favor, uma história sem censura do Punk
    Ramones: An American Band
    Ramones: Tratamento de Choque
    Commando: the Autobiography of Johnny Ramone
    Ramones: Hey! Ho! Let’s Go! A História dos Ramones
    Ramones: Ramones (33 1/3)
    On the Road with The Ramones
    I Slept with Joey Ramone: A Family Memoir
    Barulho: uma viagem pelo underground do rock americano
    Ramones, the complete twisted history
    Dave Grohl – Nada a Perder
    Pearl Jam – Duas Décadas de Sucesso
    Elvis Presley e a Revolução do Rock
    O Retorno do Rei – a grande volta de Elvis Presley
    Metallica – A Biografia
    Não Devemos nada a Você
    Titãs – a vida até parece uma festa
    Titãs – Caminhos Titânicos
    Rage Against the Machine – Guerreiros do Palco
    Crescendo com os Sex Pistols
    Punk – Anarquia Planetária e a Cena Brasileira
    The New York Dolls – Do Glitter Ao Caos
    Neil Young: Autobiografia

     
    • Mateus 14:43 em 11/10/2010 Link Permanente | Resposta

      Pois é, eu sempre digo que nasci na época errada e depois eu paro pra pensar: de que adiantaria eu ter vinte e tantos anos na década de 80, se naquela época eu talvez não tivesse acesso a um Metallica, Iron e Slayer assim como teria à Legião Urbana, por exemplo.
      Por um lado é preferível ter a modernidade como aliada, fazer uso da disseminação desenfreada e que por vezes banaliza tudo por meio da internet… mas se não somos contemporâneos de épocas “sagradas” (musicalmente falando), pelo menos hoje temos acesso à essas obras que nos proporcionam a cultura que não teríamos 20 anos atrás. é viver no presente pra desfrutar o passado.

    • Heloisa 1:34 em 11/01/2011 Link Permanente | Resposta

      concordo totalmente
      kkkkk

c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: