Marcado como: mc5 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 10:00 em 14/06/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , mc5, , pere ubu, , , , , , , Valley Entertainment, wayne kramer, Wayne Kramer Presents Beyond Cyberpunk   

    CD – VA: Wayne Kramer Presents Beyond Cyberpunk 2001 

    Wayne Kramer's Beyond Cyberpunk 0
    Lançado em 27 de março de 2001, a exemplo de A Punk Tribute to Metallica, esta coletânea capitaneada pelo MC5 Wayne Kramer apresenta performance rara do ex-baixista dos Ramones – neste caso Bad Little Go-Go Girl.

    Mudhoney, Chris Spedding (produtor de alguns discos solo de Dee Dee Ramone) e Pere Ubu também dão o ar da graça nesta compilação.

    Ficha Técnica:
    Valley Entertainment – produzido por Wayne Kramer

    Tacklist:
    01 – Inside Job – Mudhoney
    02 – Bad Little Go-Go Girl – Dee Dee Ramone
    03 – Love on Death Row – Chris Spedding
    04 – Black Silk – Mother Superior
    05 – Beloved Movie Star – Stan Ridgway
    06 – Oh – Richard Hell & the Voidoids
    07 – Take Me in Your Arms (Like Heroin) – Lesbianmaker
    08 – Chow Main Street – David Was
    09 – Dead End Street – Ron Asheton
    10 – Betrayal – Strung Out
    11 – Cold Blue Coma – Downset
    12 – Passtime – Cooter
    13 – Wasteland – Pere Ubu
    14 – Crawling Outta the Jungle – Wayne Kramer
    Wayne Kramer's Beyond Cyberpunk 1
    Wayne Kramer's Beyond Cyberpunk 2
    Wayne Kramer's Beyond Cyberpunk 4Wayne Kramer's Beyond Cyberpunk 3

    Anúncios
     
  • paulocarames 10:00 em 12/10/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , CBGB O FILME, , , , , , , , , mc5, , Omnivore Recordings, , , , , , , , , ,   

    LP/CD/DVD – CBGB 2013 

    CBGB_club_facade
    CBGB (o clube, localizado na 315 Bowery) foi inaugurado em dezembro de 1973 e surgiu da idéia de Hilly Kristal em dar abrigo a bandas autorais de Country, BlueGrass e Blues. Kristal acabou enganado pelo Television que nada tinha de bluegrass em seu som e estreou na casa em 31 de março de 1974. Dali por diante vieram Patti Smith, Dead Boys, Talking Heads e tantos outros que consolidaram este como o templo do punk em Nova Iorque.

    cbgb 75 summer festivalOs Ramones fariam sua estréia em 16 de agosto daquele ano e se apresentariam lá em 87 datas, algumas com sessões duplas e na companhia de Blondie, Cramps, Talking Heads e Suicide. Foi lá que em 4 de maio de 1978 Tommy Ramone fez seu último show com a banda. Em 10 de abril de 1979 eles tocariam lá pela última vez.

    Antes disto, em julho de 1975 (dias 16, 17 e 18) um festival de verão promoveria o clube e bandas que estavam ganhando destaque mas ainda não tinham contrato como Ramones, Blondie e Talking Heads.

    No caso dos Ramones, ainda demoraria até janeiro do ano seguinte para assinarem com a Sire Records. Já a casa fecharia as portas em outubro de 2006 com Patti Smith fazendo o último show no dia 15. Hoje, em seu lugar, está a sofisticada loja John Varvatos.

    Hilly Kristal morreria em 28 de agosto de 2007 vítima de câncer de pulmão.

    cbgb_ver5_xlgAnunciado em maio do ano passado, CBGB (o filme) é o retrato na visão do diretor Randall Miller desta cena e principalmente deste cenário icônico (anunciado como 50 mil bandas e um banheiro nojento). Em maio deste ano foram divulgadas imagens da produção que foi lançada oficialmente no dia 11 de outubro de 2013.

    Teve quem reclamasse que os atores não se parecem com os artistas originais (veja o comparativo aqui) e que, diferente do tom trágico que muitos acontecimentos tiveram na vida real, o estilo cartoon do filme alivia o drama das drogas e o amadorismo das bandas naquela época.

    A cena dos Ramones andando por um beco vestindo suas camisetas listradas faz parte do clipe de We Want the Airwaves do disco Pleasant Dreams de 1981 e no período retratado quem dava as cartas na banda eram Johnny/Tommy e não Joey que só ganharia confiança e espaço com a saída de Tommy e a tutoria de Phil Spector (nas gravações de End of The Century em 1980).

    Eles aparecem tocando músicas da carreira solo de Joey (Spirit in my House e I Got Knocked Down, ambas do póstumo Don’t Worry about Me de 2002) e não suas próprias canções. Segundo Brad Rosenberger que co-produziu o filme, apenas os representantes do vocalista morto em 2001 mostraram interesse pela trama. (“We showed the band or representation the film, and for whatever reason, they couldn’t seem to go for it,” says Rosenberger. “The Joey Ramone side – they were fine. There was no animosity. I personally thought it was a lost opportunity.”)

    Por outro lado, perceber que finalmente alguém resolveu retratar este período e esta cena que sempre foi marginalizada pelas rádios e pelo cinema em geral é no mínimo, elogiável. Também é preciso perceber que se fosse Iggy Pop de verdade, seria um documentário e não um filme.

    Exceção pelas músicas de Joey Ramone, as demais são parte da história do CBGB e você dificilmente irá se deparar com uma trilha sonora como esta novamente (Blondie, Dead Boys, Johnny Thunders and the Heartbreakers, Mc5, New York Dolls, Patti Smith, Richard Hell and the Voidoids, Talking Heads, Television, The Police, The Stooges).

    Como dito nos créditos iniciais do filme ‘a maioria dos acontecimentos são verdade’. As primeiras apresentações do Television ou dos Dead Boys estão lá, assim como o incidente em que Johnny Blitz foi esfaqueado ou a famosa camiseta Please Kill Me. As portas e a mesa usadas no cenário pertenceram de fato ao bar e foram emprestadas para as filmagens. As incríveis ilustrações de John Holmstrom que costuram este divertido conto também tem os dois pés na realidade.

    Legs Mcneil se manifestou declarando que o filme foi um erro. Holmstrom, seu antigo parceiro na Punk Magazine, deu o troco dizendo que “não tem nada de bom a dizer a respeito de Mcneil”.

    Ficamos entre procurar defeitos ou aproveitar Mate-me por favor passando diante dos nossos olhos com trilha sonora e tudo. Já fiz a minha escolha.

    Ficha Técnica:
    Omnivore Recordings

    Ramones:
    Joey Ramone – vocal
    Johnny Ramone – guitarra
    Dee Dee Ramone – baixo, backing vocal
    Tommy Ramone – bateria

    Tracklist:
    Lado A:
    01. Talking Heads – “Life During Wartime”
    02. MC5 – “Kick Out the Jams (Uncensored Version)”
    03. New York Dolls – “Chatterbox”
    04. Television – “Careful”
    05. Richard Hell and the Voidoids – “Blank Generation”
    Lado B:
    06. Flamin’ Groovies – “Slow Death”
    07. The Velvet Underground – “I Can’t Stand It”
    08. Wayne County and the Electric Chairs – “Out of Control”
    09. The Count Five – “Psychotic Reaction”
    10. Tuff Darts “All For the Love of Rock ‘n’ Roll” (Live)
    Lado C:
    11. Johnny Thunders and the Heartbreakers – “All By Myself”
    12. The Dictators – “California Sun” (Original Demo)
    13. Dead Boys – “Caught With the Meat in Your Mouth”
    14. Joey Ramone – “I Got Knocked Down (But I’ll Get Up)”
    15. The Laughing Dogs – “Get Outta My Way”
    Lado D:
    16. Blondie – “Sunday Girl” (2013 Version)
    17. The Stooges – “I Wanna Be Your Dog”
    18. Dead Boys – “Sonic Reducer”
    19. The Police – “Roxanne”
    20. Hilly Kristal – “Birds and the Bees”
    CBGB-10-8

    Elenco:
    Josh Zuckerman – John Holmstrom
    Peter Vack – Legs McNeil
    Parker Gant – Baby Hilly
    Arthur Bridgers – Shamai Kristal
    Danielle Shaw – Young Bertha
    Holly Hubbell – Sarah Brown
    B. Todd Johnston – Benjamin Brown
    Tyler Tunney – Judge
    Freddy Rodríguez – Idaho
    Tom Nowicki – Palace Bartender
    Estelle Harris – Bertha Kristal
    Donal Logue – Merv Ferguson
    Max Reinhardsen – Tom Verlaine
    Luke Dressler – Richard Lloyd
    Richard de Klerk – Taxi
    Evan Alex Cole – Richard Hell
    Aaron Munoz – Palace Hotel Manager
    Michael Massee – Officer Stan
    Darin Heames – Bert
    Ahna O’Reilly – Mary Harron
    James Edwards – Psychotic Fan
    Jared Carter – David Byrne
    Dominic Bogart – Michael Sticca
    Mickey Sumner – Patti Smith
    Taylor Hawkins – Iggy Pop
    Joel David Moore – Joey Ramone
    Steven Schub – Dee Dee Ramone
    Julian Acosta – Johnny Ramone
    Caleb McCotter – Wayne County
    Justin Bartha – Stiv Bators
    Bronson Adams – Johnny Blitz
    Vincenzo Hinckley – Da Thug
    Cheetah Chrome – Cabbie
    Kamille Dawkins – Bank Teller
    Blake Shutterly – Female Reporter
    Katherine DuBois – Genya’s Friend
    Juan Piedrahita – Angry Hombre #1
    Richard Marrero – Angry Hombre #2
    Bob Lipka – Ye Ol’ Farmer
    Keene McRae – Sting
    Teddy the Dog – Nathan the Dog
    Malin Akerman – Debbie Harry
    Johnny Galecki – Terry Ork
    Kyle Gallner – Lou Reed
    Ashley Greene – Lisa Kristal
    Rupert Grint – Cheetah Chrome
    Ryan Hurst – Mad Mountain
    Stana Katic – Genya Ravan
    Alan Rickman – Hilly Kristal
    Bradley Whitford – Nicky Gant
    John Deifer – Homeless Person
    Johnathan Staggs – Tommy Ramone




     
  • paulocarames 10:00 em 25/05/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , action pact with steve drewett, , , Deep Roots Of The Ramones, , gene vincent, , jack scott, , , kim fowley, link wray, mc5, , , , , , , , sky saxon, the teen kings, , walter lure   

    CD – VA: Deep Roots Of The Ramones 2011 

    VA - 2011 - Deep Roots Of The Ramones
    Coletânea que reúne boa parte das influências dos Ramones. De Iggy and The Stooges e MC5 passando por Carl Perkins, e também os contemporâneos New York Dolls e Flamin’ Groovies que chegaram a excursionar com os pais do punk pela Inglaterra no final dos anos 1970.

    Johnny Thunders (I Love You) e The Troggs (I Can’t Control Myself) trazem versões que mais tarde seriam coverizadas pelos próprios Ramones em seus últimos discos de estúdio, Acid Eaters e ¡Adios Amigos!.

    Apenas na versão para Street Fighting Man dos Rolling Stones é que temos os Ramones em ação a exemplo do que ocorreu com outras coletâneas como MOJO Presents que também apresenta as influências da banda e Unreleased Tracks, esta, recheada de sobras de estúdio.

    A canção na verdade, é uma das sobras das sessões de gravação para o disco Too Tough to Die e fora lançada no box End of the Decade, esta uma seleção oficial com outtakes e lados B.

    Ficha Técnica:
    Sireena Records

    Tacklist:
    01 Flamin’ Groovies, The – Shake Some Action
    02 Johnny Thunders & The Heartbreakers* – I Love You
    03 Troggs, The – I Can’t Control Myself
    04 Link Wray – Rawhide
    05 New York Dolls – Personality Crisis
    06 Carl Perkins – Everybody’s Trying To Be My Baby
    07 MC5 – Looking At You
    08 Iggy And The Stooges* – I Got A Right
    09 Gene Vincent – Hey Mama (Say Mama)
    10 Sky Saxon – You Gotta Ride
    11 Kim Fowley – Night Of The Hunter
    12 Teen Kings, The – Ooby Dooby Featuring Roy Orbison
    13 Jack Scott – The Way I Walk
    14 Action Pact With Steve Drewett – Rockaway Beach
    15 Walter Lure & Ramones – Street Fighting Man



     
  • paulocarames 3:05 em 27/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , black crowes, , , , , , burzum, , , , , , , , , , , hole, , , , , , , limp bizkit, mc5, , , , , , , , , , , , , , , , significado nome das bandas, , , , ,   

    Origem do nome de algumas, várias, bandas… 

    AC/DC – A irmã de Angus e Malcolm Young, Margaret, criou o nome. Aparentemente ela achou a sigla em um eletrodoméstico, e achou que casava bem com a banda, visto que tinha a ver com eletricidade (AC/DC é um indicativo de corrente contínua e alternada). Depois descobriram que era também uma gíria que designava bissexuais mas já era tarde. São infundadas as versões de que o nome seria uma sigla para Anti-Christ/Dead-Christ (anticristo, cristo morto).
    Aerosmith – O nome Aerosmith não significa absolutamente nada. Foi proposto por Joey Kramer e segundo Steven Tyler foi o único nome entre vários propostos que ninguém odiou.
    Alice In Chains – Paródia masoquista de Alice no País das Maravilhas. A idéia inicial (que nunca chegou a acontecer) era de tocarem covers de Slayer usando vestidos.
    Anthrax – É o nome de um microorganismo desenvolvido para guerra bacteriológica. Ficou famoso após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, quando a banda chegou a cogitar mudar de nome.
    Audioslave – Primeiro, a banda foi batizada Civilian. Mas acontece que já existia uma banda de nome Civilian, e foi preciso procurar outro nome. Chris Cornell (vocalista) sugeriu Audioslave e ninguém na banda ousou discordar. Só que também já existia um Audioslave. Desta vez, a banda resolveu entrar em acordo com a banda homônima para continuar sendo Audioslave. (Colaborou: Leonardo Apolinário)
    B. B. King – Abreviatura para “Blues Boy King”.
    Beastie Boys – Beastie quer dizer animalesco. Porém o nome dessa banda é na verdade um acrônimo para “Boys Entering Anarchistic States Toward Internal Excellence” (Rapazes Entrando em um Estado Anárquico Visando a Excelência Interna).
    Black Crowes – O nome original da banda era Uncle Crowe’s Garden, tirado de historia infantil.
    Black Flag – A bandeira preta é a bandeira dos piratas. É também uma marca de inseticida. Quando Adam Ant tocou na Califórnia, membros da banda distribuiram bottons com os dizeres “Black Flag kills ants!” (Black Flag mata formigas). Ainda segundo Henry Rolins, se inspiraram no nome do Black Sabbath.
    Black Sabbath – Um Sabbath Negro é uma reunião de bruxas e feiticeiras. A banda se chamava Earth e resolveu assumir o nome de uma música composta por Geezer Butler, inspirada em um suspense do novelista Denis Wheatley.
    Blur – A banda na verdade se chamava SEYMOUR porem uma das condições em seu primeiro contrato era de se mudar o nome para um contido em uma lista oferecida pela gravadora. Blur foi escolhido como a melhor opção.
    Bob Dylan – Seu nome verdadeiro é Robert Zimmerman. Achando o nome excessivamente étnico e sendo grande admirador do poeta Dylan Thomas, ele mudou para Bob Dylan.
    Burzum – Significa “Mais Trevas” na língua fictícia inventada por JRR Tolkien para seu livro “O Senhor Dos Anéis”. Essa banda de Black Metal está atualmente desativada pois seu fundador está descansando na penitenciária após ter assassinado Euronymous da banda Mayhem.
    Bush – Alusão a “Sheperd’s Bush”, bairro em Londres.
    CBGB’s – Templo Nova Yorquino para o new wave, punk e thrash. O nome completo do lugar é CBGB and OMFUG, lendo “Country, Bluegrass, Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers”.
    Clash – Tirado de manchete do jornal “A Clash With Police”. Paul Simmon teve a idéia e todos concordaram.
    Dead Kennedys – Kennedys mortos era uma alusão aos assassinatos do presidente John Fitzgerald Kennedy e seu irmão senador Robert Fitzgerald Kennedy. Uma citação famosa de East Bay Ray (guitarrista) sobre este assunto: “Um Show dos Dead Kennedys no dia 22 de novembro, aniversário da morte de John Kennedy, não seria de mau gosto? Claro! Mas os assassinatos também não são de mau gosto?”
    Engenheiros do Hawaii – Tudo começou em 1984 na Faculdade de Arquitetura em Porto Alegre, onde o grupo estudava. Existia uma rixa entre o pessoal de arquitetura e engenharia. Os estudantes se envolviam em rixas curriculares, filosóficas, estilos de vidas, etc. Enfim, o pessoal da arquitetura inventou um apelido para acabar com os inimigos. “Todo estudante de arquitetura é meio arrogante, acha que os engenheiros estão abaixo. Tinha um pessoal na engenharia que usava aquelas roupas de surfista, e, para irritá-los, nós fazíamos questão de chamá-los de ‘engenheiros’ e, mais do que isso, ‘engenheiros do hawaii’, que é um paraíso meio kitsch”. Na época, havia uma explosão de bandas punk, todas com nomes heróicos entre elas: Cavaleiros do apocalipse, Virgens Nucleares, Titãs, etc. Disse Humberto: “Sempre me assustou essa coisa heróica da música pop, porque te leva a ser meio semideus. Engenheiros do Hawaii era um nome desmistificador, ninguém nos levaria muito a sério. É um nome que até hoje nos protege de nos encararem como sacerdotes”. (Colaborou: Leandro Silva)
    Exploited – Explorado.
    Faith No More – Fé Nunca Mais. O nome anterior era Sharp Young Men, que depois mudou para Faith No Man quando seu crooner era Mike “The Man” Morris. Quando Morris saiu em 1982, evoluíram para Faith No More.
    Foo Fighters – Gíria originada durante a Segunda Guerra Mundial significando UFO’s (OVNI’s). A palavra Foo é uma corruptela do francês “feu” significando “fogo” ou “fou”, significando “insano”. Dizem que tudo começou quando um grupo de pilotos da aeronáutica tentaram atirar em possíveis UFO’s.
    Green Day – Trata-se de uma referência a maconha. Um dia verde é um dia em que você deixa de fazer suas obrigações para ficar fumando. Também cotado como inspiração, uma placa no filme “Soilent Verde” escrito “Green Day”. A banda se chamava Sweet Children.
    Guns N’Roses – Tirado dos nomes de Tracii Guns e Axl Rose ou de suas respectivas bandas, LA Guns e Hollywood Roses.
    Heavy Metal – Termo criado pelo autor beatnick William Burroughs nos anos sessenta sem nenhuma relação a música. Steppenwolf em “Born to be Wild” é o primeiro a usá-lo, “Heavy Metal Thunder”, referindo-se ao barulho alto do motor das motorcicletas.
    Hole – Frase da mãe de Courtney, “Você não pode seguir com um buraco (hole) na cabeça só porque teve uma infância ruim”.
    Iggy Pop & The Stooges – Iggy adotou este apelido em 64/65 no High School (2º Grau) por conta de ser o baterista da banda The Iguanas. Essa banda chegou a lançar um compacto em 1965. Stooges é homenagem aos Três Patetas (The Three Stooges).
    Iron Maiden – O nome “Iron Maiden” foi tomado do filme “The Man in The Iron Mask”. A “donzela de ferro” é um instrumento de tortura composto de uma caixa repleta de lanças pontiagudas em seu revestimento interior onde o condenado era trancafiado. “Donzela de Ferro” é também um dos apelidos da ex-primeira ministra inglesa Margareth Tatcher.
    Johnny Rotten – “Joãozinho Podre” ganhou seu apelido por causa dos seus dentes poderes.
    Kiss – Significa Beijo. O nome foi escolhido por soar perigoso e sexy. O acrônimo “Knights In Satan’s Service” (“Cavaleiros a Serviço de Satã”) foi uma inteligente e lucrativa maneira para ajudar evangelistas a colocarem o medo de Deus no homem comum.
    Korn – Varias versões propagadas pela própria banda. Referente a lenda urbana sobre um homem que comeu milho estragado e teve diarréia. Corruptela para Kiddy Porn (Pornografia Infantil). Ou não quer dizer nada mas a banda gostou do nome assim mesmo.
    Led Zeppelin – O baterista do the Who, Keith Moon, achou que a banda de Jimmy Page, que ainda se chamava The New Yardbirds, era pesada como chumbo e flutuava como um Zepelim. Daí Lead Zeppelin (Zepelim de Chumbo). Um Zepelin trata-se de um balão dirigível em forma de charuto. Mais tarde o nome foi mudado para Led Zeppelin para não ter dúvidas quanto à pronúncia.
    Limp Bizkit – O nome Limp Bizkit surgiu durante uma conversa entre o vocalista Fred Durst e um amigo que diz que seu cérebro parece um “limp biscuit” (uma bolacha amolecida). Ele gostou da idéia e adotou o nome.
    MC5 – “Motor City Five” são cinco hippies de Detroit, cidade cujo o apelido é Motor City pela pesada industria automobilística existente.
    Megadeth – Depois de sair do Metallica, Dave Mustane formou sua banda e a batizou com um nome inspirado no termo militar “megadeath”. Uma megadeath é a morte de um milhão de pessoas, portanto, exemplificando, a Segunda Guerra Mundial obteve 80 megadeaths.
    Metallica – Lars Ulrich ajudava um amigo bolar o nome de um metal fanzine. Uma das sugestões foi Metallica que não foi aproveitado para a revista. Lars então pegou para ele.
    Motorhead – Cabeçote de motor. Gíria para quem está sempre tomando anfetamina e nome de uma poderosa anfetamina que o vocalista Lemmy usava quando fazia parte da banda Hawkwind. Era também o nome de uma das músicas deste seu primeiro grupo.
    Muddy Waters – Águas Lamacentas. Seu nome é McKinley Morganfield e ganhou seu apelido em uma referência as águas lamacentas do Mississippi de onde ele vem.
    Nirvana – Estado avançado de espírito na cultura hindú.
    Nofx – Forma simplória para “no effects” (“sem efeitos”). Uma banda punk honesta não quer mesmo muita parafernália tecnológica no som.
    Offspring – Tiraram o nome do filme B “The Offspring – They Were Born To Kill” (Os Decendentes – Eles Nasceram Para Matar).
    Pearl Jam – Uma das prováveis origens do nome Pearl Jam tem a ver com uma geleia (jam em inglês) feita pela avó de Eddie Veder (chamada Pearl) cuja composição incluía peyote. Outras versões informam que Pearl Jam seria gíria, significando esporra. Eles quase se chamaram de “Mookie Blaylock” em homenagem a um jogador de basquete.
    Pennywise – Nome do palhaço no livro “It” de Stephen King.
    Pink Floyd – O nome Pink Floyd é a junção dos nomes de dois antigos músicos de Blues, Pink Anderson e Floyd Council (Dipper Boy), que influenciaram Syd Barret. Syd nomeou a banda com o nome de um dos discos da dupla, The Pink Floyd Sound, mais tarde abreviado para Pink Floyd. Por pouco eles não se chamaram de “Anderson Council” ou “Megadeath”.
    Radiohead – Tirado da música “Radio Head” dos Talking Heads.
    Rage Against The Machine – A primeira banda do vocalista Zack De La Rocha se chamava Inside Out, e chegou a lançar um CD. O nome do segunto CD desta banda seria Rage Against The Machine, mas esse segundo CD nunca chegou a ser lançado. Zack então aproveitou o nome para a sua nova banda.
    Ramones – O Beatle Paul McCartney usou o pseudônimo Paul Ramone durante a primeira excursão dos Beatles à Escócia. A banda tomou emprestado dele o sobrenome.
    Rolling Stones – Pedras Rolantes. Brian Jones escolheu o nome por causa da frase “A rolling stone gathers no moss” (Pedras rolantes não criam limo) e da música Rollin’ Stone, ambas frase e canção de Muddy Waters.
    Rush – Estavam todos preocupados pois já tinham uma apresentação marcada porem ainda não tinham nome. O irmão mais velho de John Rustley deu como suggestão Rush.
    Sex Pistols – O nome da banda foi baseado no nome da loja de Malcolm McLaren (Sex). É também uma conotação para o pênis.
    Soulfly – Alma Voa. Max Cavalera homenageou seu afilhado falecido.
    Supergrass – Grass (grama) é gíria para maconha.
    Ultraje à Rigor – Durante uma festa em que se apresentavam, Roger pensou em Ultraje, mas achou punk demais para a época. Resolveu perguntar a Edgard Scandurra (então guitarrista da banda), que chegou no meio da conversa e, sem entender direito a pergunta, disse: “Que traje? O traje a rigor?”
    White Zombie – Título de filme B estrelado por Bela Lugosi.
    ZZ Top – De acordo com o livro “Z.Z Top: Bad and Worldwide”, o nome foi inspirado num poster do bluesman texano chamado Z.Z. Hill. Queriam também um nome que sugerisse o melhor (“top”).

    O post completo e o significado do nome de outras bandas você confere no blog da Putzgrila

     
  • paulocarames 0:18 em 14/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , mc5   

    Video – MC5: Kick out the jam 

     
  • paulocarames 0:46 em 29/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 50 músicas mais pesadas antes do sabbath, , , , deep purple, , , , mc5, , steppenwolf, , , the kinks, , , the yardbirds   

    50 músicas mais pesadas do rock antes do Sabbath 

    Apesar da criação do heavy metal ser tema de controvérsia até hoje, em um ponto todos concordam, o primeiro álbum do gênero é sem dúvida do Black Sabbath em 1970. A revista Guitar World publicou uma lista com as 50 músicas mais pesadas do rock antes que o Black Sabbath fosse criado:

    01 – LED ZEPPELIN, “Dazed and Confused” (1969)
    02 – MC5, “Kick Out the Jams” (1969)
    03 – HIGH TIDE, “Death Warmed Up” (1969)
    04 – PINK FLOYD, “The Nile Song” (1969)
    05 – EDGAR BROUGHTON BAND, “Evil” (1969)
    06 – BITTER CREEK, “Plastic Thunder” (1967)
    07 – JACULA, “Triumphatus Sad” (1969)
    08 – THE BEATLES, “Helter Skelter” (1968)
    09 – CROMAGNON, “Caledonia” (1969)
    10 – THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE, “Voodoo Child (Slight Return)” (1968)
    11 – THE 31 FLAVORS, “Distortions of Darkness” (1969)
    12 – THE STOOGES, “I Wanna Be Your Dog” (1969)
    13 – VALHALLA, “Hard Times” (1969)
    14 – DEEP PURPLE, “Wring That Neck” (1968)
    15 – SCREAMIN’ JAY HAWKINS, “I Put a Spell on You” (1956)
    16 – KING CRIMSON, “21st Century Schizoid Man” (1969)
    17 – CREAM, “Tales of Brave Ulysses” (1967)
    18 – STONE GARDEN, “Oceans Inside Me” (1969)
    19 – BLUE CHEER, “Summertime Blues” (1968)
    20 – LED ZEPPELIN, “Communication Breakdown” (1969)
    21 – STEPPENWOLF, “Born to be Wild” (1967)
    22 – THE CRAZY WORLD OF ARTHUR BROWN, “Fire” (1968)
    23 – THE KINKS, “All Day and All of the Night” (1964)
    24 – VELVET HAZE, “Last Day on Earth” (1967)
    25 – ANDROMEDA, “Keep Out ’Cos I’m Dying” (1969)
    26 – THE SONICS, “The Witch” (1965)
    27 – BLACK WIDOW, “Come to the Sabbat!” (1969)
    28 – VANILLA FUDGE, “You Keep Me Hangin’ On” (1967)
    29 – IRON BUTTERFLY, “In-A-Gadda-Da-Vida” (1968)
    30 – JIMI HENDRIX, “Purple Haze” (1967)
    31 – LED ZEPPELIN, “Whole Lotta Love” (1969)
    32 – TEN YEARS AFTER, “Bad Scene” (1969)
    33 – ARZACHEL, “Leg” (1969)
    34 – THE BEATLES, “I Want You (She’s So Heavy)” (1969)
    35 – HUMBLE PIE, “Desperation” (1969)
    36 – CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, “Fortunate Son” (1969)
    37 – BUNKER HILL, “The Girl Can’t Dance” (1963)
    38 – CAPTAIN BEEFHEART, “Diddy Wah Diddy” (1966)
    39 – DRAGONFLY, “Blue Monday” (1968)
    40 – THE KINKS, “You Really Got Me” (1964)
    41 – CREAM, “Sunshine of Your Love” (1967)
    42 – SAM GOPAL, “Season of the Witch” (1969)
    43 – THE WAILERS, “Out of Our Tree” (1966)
    44 – THE COUNT FIVE, “Psychotic Reaction” (1966)
    45 – PINK FLOYD, “Interstellar Overdrive” (1967)
    46 – THE GUESS WHO, “American Woman” (1970)
    47 – COVEN, “Pact With Lucifer” (1969)
    48 – THE WHO, “My Generation” (1965)
    49 – THE YARDBIRDS, “Happenings 10 Years Time Ago” (1966)
    50 – THE TROGGS, “Wild Thing” (1966)

     
  • paulocarames 14:00 em 26/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , kick out the jams, mc5   

    Videozinho pra acordar (os vizinhos) 

     
  • paulocarames 13:22 em 30/12/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: , Editora L&PM, gillian mccain, , , mate-me por favor, mc5, , , , , , , , , velvet underground   

    Livro – Mate-me por favor, uma história sem censura do Punk 

    Mate-me por Favor é um registro definitivo do começo deste movimento que antes de política e estilo é um movimento artístico que salvou o rock da mesmice.

    Deixe de lado tudo que você sabe (ou pensa que sabe) a respeito da criação do Punk. Achar que os Sex Pistols foram os responsáveis por tudo, por exemplo, ou que usar corte de cabelo moicano é obrigação.

    Tudo começou com Velvet Underground, Iggy Pop and The Stooges, New York Dolls e MC5 que criaram os alicerces para mais tarde abrir espaço para os Ramones e estes, influenciaram toda uma geração – The Clash, Sex Pistols e todos que vieram depois como Green Day, Offspring e Rancid.

    Cansados dos longos solos de guitarra e dos visuais pomposos que dominavam o cenário rock n’ roll da época, este movimento surgiu como reflexo do que acontecia nas ruas e nos palcos precários do Bowery e, do hoje lendário, CBGB’s.

    O título do livro é uma referência a uma camiseta de Richard Hell (ex-Television e Richard Hell & the Voidoids) com a inscrição Please Kill Me.

    Gillian McCain junto com Legs McNeil (ex-editor da Punk Magazine) compilaram uma série de entrevistas que incluem Lou Reed (Velvet Underground), Iggy Pop (Stooges), Ray Manzarek (The Doors), Joey e Dee Dee Ramone (Ramones), Cheetah Chrome e Stiv Bators (Dead Boys) entre outros artistas e produtores criando um relato absolutamente exclusivo e sem censuras.

    Você fica por dentro de todas as brigas, os problemas com as drogas e claro, a verdade por trás de cada banda que fez deste estilo, único, contestador e vivo até hoje. Editora L&PM, 444 páginas ou em versão pocket dividida em dois volumes.

    matemeporfavorlegsmcneil-2matemeporfavorlegsmcneil-3

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: