Marcado como: opinião Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • paulocarames 3:06 em 03/05/2016 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , flanders 72, , , motor city madness, opinião, , , , , , , , , , zumbis do espaço   

    Marky Ramone: Ao vivo no Bar Opinião, Porto Alegre – 1 de maio de 2016 

    2016-05-01 12.08.08Minha professora de história no ensino médio dizia: “a história só se repete como uma farsa”. Ela se referia a eventos que ao longo do tempo se parecem muito mas são na verdade, únicos, distintos.

    Neste final de semana viajei no tempo tentando reescrever a história. De volta ao dia 9 de novembro de 1994 quando Porto Alegre recebeu Raimundos, Sepultura e Ramones para um show antológico – até hoje celebrado pelos que assistiram e motivo de lamento pelos ausentes.

    Pude assistir os Raimundos depois desta data, assim como os Ramones – na verdade alguns deles, e de forma isolada, já em carreira solo. Mas o lamento permaneceu. Agora, findando o mês de abril e inaugurando maio, tive a chance de ver Raimundos e Marky Ramone em solo porto-alegrense com acréscimo da Tequila Baby, que vi em 1998 também com Marky mas durante sua primeira turnê pelo país com os The Intruders.

    Os calangos do serrado se apresentaram no sábado com seu forrócore e revisitaram parte da carreira para um público considerável, que não lotou mas ocupou boa parte da casa. Os célebres frequentadores do Puteiro em João Pessoa executaram metade do primeiro álbum e canções do disco seguinte Lavô tá Novo (I sawyousaying, Opa, Peraí Caceta, Esporrei na Manivela, Tora Tora e Eu Quero ver o Oco – esta já durante o bis).

    2016-04-30 20.17.29-2

    Raimundos ao vivo no Opinião – 30/4/2016

    Canções indispensáveis do Lapadas do Povo ficaram de fora. Perderam espaço para repetidos improvisos com trechos de canções do Metallica, Nirvana e outros tantos. Havia ainda previsão de meia hora de clássicos dos Ramones que também não ocorreu.

    Em compensação, Boca de Lata, Deixa eu Falar, Me Lambe e A Mais Pedida foram entoadas em uníssono pelos presentes. O quarteto ainda conversou com fãs ao final da empreitada e logo partiu em disparada rumo ao próximo compromisso, ainda naquela noite, em Cachoeira do Sul – distante 200km da capital gaúcha.

    Vencida esta primeira etapa, na manhã seguinte foi a vez de encontrar Marky Ramone e sua trupe na porta do hotel. Recém chegando do aeroporto ele atendeu brevemente um pequeno grupo de fãs, posou para fotos e em seguida subiu para o seu quarto.

    Oscar Chinellatto, vocalista da Wardogs (excelente banda italiana tributo aos Ramones) dedicou mais tempo conversando e explicando que os últimos dias haviam sido de intensa correria. Shows à noite e viagens durante o dia, mas que enfim teriam uns dias para descanso.

    Acompanhado dos argentinos Marcelo Gallo (guitarra) e Alejandro Viejo (baixo), ele preferiu não comentar o incidente no Rio de Janeiro em que a banda deixou o palco prematuramente frustrando fãs depois de meros 50 minutos de apresentação. A seu favor, o entrosamento de repetir a formação que em 2014 excursionou pelo país.

    Em Porto Alegre o desafio não seria pequeno. Encerrariam o Let’s Go Punk Rock Festival que ocorreria na tarde de domingo, sediado no mesmo Opinião em que eu estivera na noite anterior.

    Fiquei em débito com a rapaziada de São Leopoldo da Flanders 72 pois perdi a abertura que eles fizeram. No currículo, nada menos que terem aberto para CJ Ramone em 2012 (na cidade de Estância Velha), e agora acrescentando mais um ramone na lista.

    Em seguida foi a vez da Motor City Madness, de Porto Alegre, com sua mistura punk rock stoner. Em um show competente e preciso justificaram os dois cds na praça e o EP em vinil que sai nos próximos dias.

    2016-05-01 16.57.55

    Motor City Madness

    2016-05-01 18.02.14-1

    Zumbis do Espaço

    Os Zumbis do Espaço pisaram no palco com a casa tendo uma boa ocupação e contaram com boa adesão do público cantando suas músicas que falam essencialmente de horror e morte (como A marca dos 3 noves invertidos, O mal nunca morre e Caminhando e matandoNos braços da vampira, regravada pelos Inocentes, fechou o set). O baixista Gargoyle, doente, foi substituído neste show por Giovanni Soares do Leather Faces.

    Chegou a vez da Tequila Baby tocar. Na condição de donos da festa que eram, foi como time da casa jogando em estádio cheio. Desfilaram seus vários hits, acumulados desde 1994. Prefiro sua mãe, Sangue, ouro e pólvora, Bem-vindo à sua geração, 51, Velhas Fotos eCaindo (versão para I’ve Just Seen a Face dos Beatles) seguindo o script do Gray Matter.

    2016-05-01 19.15.41-2

    Tequila Baby

    Quando Oscar, Gallo e Viejo subiram ao palco e Marky proferiu seu tradicional ‘Hi Everybody’ o que já era festa, virou êxtase. Precedidas pelo ‘one,two,three,four’ as músicas iam se sucedendo em ritmo alucinante. Vinte anos após a dissolução da banda, o baterista não parece sentir o passar do tempo. Tocava com vigor, no entanto, sem fazer o mínimo esforço. Digno de quem conhece todos os atalhos do que faz.

    A sequência avassaladora era quase que a reprodução exata do set tradicional dos Ramones. Exceto, claro, pelo fato dele não tocar canções originalmente gravadas com Richie na bateria. E a formação, entrosada, deu conta do recado com méritos.

    A essa altura uma senhora de uns 70 anos que havia cantado a plenos pulmões ‘o meu problema é sexo, algemas e cinta-liga’ (hino da Tequila Baby) vibrava com cada canção dos Ramones. Não muito longe dela, a criançada também curtia a apresentação e integrantes das bandas que haviam se apresentado durante toda a tarde também vibravam em meio ao público num clima de festa absoluto sem restrição de idade ou espaço para estrelismos.

    Os três primeiros discos continuam servindo de referência principal, mas mesmo assim houve tempo para I Believe in Miracles e Pet Sematary, lançadas em 1989. Para surpresa de muitos ainda rolou Baby I Love You e What a Wonderful World antes do grande desfecho com o Opinião inteiro bradando o lema HEY HO! LET’S GO! de Blitzkrieg Bop – primeira e mais icônica música do quarteto.

    2016-05-01 21.01.55

    Marky Ramone’s Blitzkrieg

    Os Ramones, aliás, souberam fazer escola. Tanto os Raimundos na noite de sábado, quanto as bandas que tocaram no domingo, marcaram presença vendendo discos e camisetas – principal fonte de renda do quarteto nova-iorquino ao longo da carreira.

    Quando a melancólica My Way na voz de Frank Sinatra tomou conta do sistema de som era sinal que o espetáculo havia terminado. Passados dois bis e uma hora e tanto de duração, era tempo de ir pra casa. Antes das onze da noite de domingo, bastante razoável para quem trabalharia no dia seguinte, seja morando na cidade ou enfrentando estrada de volta para o interior do estado.

    O relógio marcava pontualmente 4 horas da manhã com temperatura de um dígito quando desembarquei na rodoviária de Santa Maria – mas isto de nada importava, havia exorcizado ao menos um pouco do fantasma que é não ter visto Raimundos abrindo para os Ramones naquela vez.

    A formação dos Raimundos não é mais a mesma e os Ramones se separaram vinte anos atrás. E ainda faltou o Sepultura. Enfim, parece que a história só se repete como uma farsa (e mesmo assim valeu muito a pena).

    Anúncios
     
  • paulocarames 10:00 em 09/09/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , cond show, , , lugh, opinião, , , , , , , ,   

    CJ Ramone em dose tripla no sul (2014) 

    cj ramone - 6 de setembro
    Tal como ocorrido em sua última passagem pelo Rio Grande do Sul em setembro de 2012, a tour de CJ Ramone pelo estado em 2014 ofereceu três momentos para os fãs interagirem com o músico.

    Começando em Novo Hamburgo na noite de 5 de setembro (após tocar em São Paulo, Goiânia, Santos, Uberlândia, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Florianópolis – num ritmo digno das intermináveis turnês dos Ramones) o ex-ramone se apresentou no Rock Show com abertura dos gaúchos da Tequila Baby, que já gravaram cd/dvd com o ex-parceiro de CJ, Marky Ramone.

    Na serra gaúcha o evento aconteceu no Cond Show Bar, em Caxias do Sul, com abertura da banda local Dones Primata. Em seguida foi a vez dos paulistas da Gritando HC com clássicos como Ande de skate e destrua, Quero ser punk com você e a apropriada Quero meu ingresso pro show dos Ramones.

    Em seguida foi a vez dos Replicantes com Festa Punk, Eu Quero é mucra, Astronauta e outras tantas, chamar a galera pra pista. Os veteranos irmãos Cláudio e Heron Heinz, ao lado do batera Cléber Andrade e de Júlia Barth, fizeram jus aos mais de 30 anos de estrada em show rápido mas com pegada que contou com um guitarrista adicional.

    O som, infelizmente deixou a desejar e acabou comprometendo não só as bandas convidadas mas também a atração principal. Após certa demora, CJ subiu ao palco acompanhado de Steve Soto e Dan Root (ambos do Adolescents) nas guitarras e Michael Wildwood (do D Generation– única mudança na formação que passou por aqui dois anos antes) na bateria.

    No setlist, um mix de canções do novo disco que será lançado em novembro, músicas do álbum Reconquista e, claro, vários clássicos dos Ramones. Chama atenção a predileção pelos primeiros discos do grupo. Exceção feita por Strenght to Endure, nenhuma interpretação remete ao tempo de CJ na banda, inaugurado em estúdio com Mondo Bizarro – e a lista não é pequena: Cretin Family, Scattergun, Makin Monsters for my friends, The Crusher, Main Man, My back pages, The Shape of things to come e Journey to the center of the mind.

    No dia em que se comemora a independência do Brasil foi a vez da capital gaúcha receber o último show desta tour no Bar Opinião – palco onde dois anos antes CJ fizera uma participação especial com os Ratos de Porão tocando Commando.

    Na noite de domingo a abertura ficou por conta dos santamarienses da Lugh. Com presença de palco e composições próprias o punk celta logo deu lugar a uma atração de última hora com a proposta de prestar um tributo aos Ramones mas que mostrou-se uma grande roubada.

    O pano de fundo com seu nome e a parede de tijolos do disco de estréia da banda já decoravam o palco pouco antes das 22h quando CJ e cia deram início ao show que durou pouco mais de uma hora mas, mais recheado que o da noite anterior.

    Algumas variações no set valeram o ingresso de quem pode acompanhar mais de um show. Entre as músicas novas destaque para Clusterfuck, hardcore no estilo Wart Hog. Para I wanna be your boyfriend uma mensagem dedicando a canção aos namorados e namoradas mas também namorados e namorados, namoradas e namoradas.

    Não poderia faltar Three Angels, homenagem a Joey, Dee Dee e Johnny (com a adequada menção a Tommy). Dannys Says foi uma das surpresas da noite, incluída de última hora. R.A.M.O.N.E.S. do Motorhead fechou a noite de reencontro, não só de CJ com os fãs mas de amigos que se encontram a cada evento ramônico. Agora é esperar pelo cd em novembro e pela próxima passagem dos caras por aqui.

    Setlist:
    judy is a punk/ understand me/ what we gonna do now/ commando/ king cobra/ judy is a punk/ ghost ring/ low on ammo/ danny says/ carry me away/ last chance to dance/ rockaway beach/ you’re the only one/ strength o endure/ 3 angels/ won’t stop swinging/ i wanna be your boyfriend/ glad to see you go/ clusterfuck/ one more chance/ 53rd and 3rd/ cretin hop/ blitzkrieg bop/ do you wanna dance/ california sun/ i wanna be sedated/ what’s your game/ i just want to have something to do/ sheena is a punk rocker/ r.a.m.o.n.e.s.

     
  • paulocarames 12:13 em 20/09/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , arena palco, , , garajão, opinião, , , , , , ,   

    CJ Ramone em dose tripla no sul 


    Domingo é dia de missa e no dia 16/9/2012 os fãs de Ramones puderam entoar seus hinos de louvor em cerimônia conduzida por CJ Ramone em pessoa.

    A turnê pela América do Sul começou por Estância Velha, cidade próxima da capital gaúcha. Lá, dois grupos de fãs eram maioria: o primeiro (me incluo aí) lamenta-se por não ter ido a um show da banda enquanto teve chance. O segundo grupo, lamenta não ter nascido antes e só descobrir a banda muito depois deles terem se separado.

    Foi a chance de todos se redimirem por seus pecados começando pelo one, two, three, four de Judy is a Punk. O show seguiu com Blitzkrieg Bop, Psycho Therapy, Listen to my Heart e canções mais hardcore como Endless Vacation e Wart Hog.

    Acompanhado de Michael Stamberg (bateria) e Steve Soto em uma das guitarras o sucessor de Dee Dee Ramone tocou ainda músicas de seu novo cd (Reconquista) – tributo a santíssima trindade (Joey, Johnny e Dee Dee).

    Na van de volta a Porto Alegre tocava Cretin Hop e foi impossível não lembrar daquele episódio da banda na Argentina, ilustrado em Lifestyles of the Ramones.

    Setlist:
    Judy is a Punk/ Beat on the Brat/ Blitzkrieg Bop/ Cretin Hop/ What we gonna do now?/ Endless Vacation/ Listen to my heart/ She’s the One/ You’re the only one/ Sheena is a punk rocker/ Psycho Therapy/ I don’t wanna walk around with you/ Ghost ring/ Commando/ I Wanna be your boyfriend/ Glad to see you go/ Strength to endure/ Waiting for my man/ I wanna be sedated/ Aloha Oe/ Pinhead/ Three Angels/ Do you Wanna Dance/ California Sun/ R.A.M.O.N.E.S.

    No dia seguinte foi a vez de um grupo de fãs poder entrevistar o baixista em um programa de tv local. CJ, bem humorado respondeu a todos eles e na saída ainda posou para fotos e autografou discos. Deu tempo ainda de ser entrevistado para uma rádio e para uma webrádio.

    A tarefa parecia ter sido cumprida, afinal, ir ao show e acompanhar o baixista em um programa de tv já estava de bom tamanho. Eis que a providência divina se encarregou de uma grata surpresa pois os Ratos de Porão tocariam em Porto Alegre na noite daquela segunda-feira. E se domingo foi dia de missa, na segunda foi a noite da benção.

    Em 1991 o vocalista do RDP, João Gordo, havia cantado Commando com os Ramones em São Paulo a convite do quarteto. Chegava a hora de retribuir o convite e no palco do Opinião, CJ tocou baixo na mesma música para delírio dos presentes. Agora sim, missão cumprida.


     
    • carames 13:12 em 20/09/2012 Link Permanente | Resposta

    • Joelço 18:09 em 20/09/2012 Link Permanente | Resposta

      Tive o prazer de estar com esta galera da entervista com o CJ e poder fazer uma pergunta a ele,,já que no show do RDP e de Estancia Velha não pude ir,,,CJ esbanja atenção e reconhecimento aos fãs,,sabe muito bem que esta imortalizado musicalmente e que suas canções influênciam gerações,,e por isso a cada vez que fala dos Ramones percebe-se sua emoção e carinho a eles (CJ disse em uma resposta que Joey,Johnny e Dee Dee sempre estão presentes com ele no palco)…valew ter conhecido o cara!!

  • paulocarames 15:04 em 30/10/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , goldfinger, opinião, , , , , ,   

    Goldfinger e Reel Big Fish em Porto Alegre 

    Os californianos da Goldfinger e da Reel Big Fish trouxeram na última quinta-feira (27/10), pela primeira vez aos palcos gaúchos, o melhor do ska punk. Com muita energia e músicas dançantes o público que foi até o Opinião curtiu dois ótimos shows.


    As fotos são do site Oba Oba


     
  • Leandro Araujo 23:08 em 27/08/2010 Link Permanente | Resposta
    Tags: black, Enthroned, Gorgoroth, , , opinião, setembro   

    SETEMBRO NEGRO – Black Metal na Veia 

    Dia 6 de setembro no OPINIÃO em Porto Alegre, rola o Setembro Negro, com apresentações de Gorgoroth (Noruega), Enthroned (Bélgica). Para quem curte um black metal tradicional sem muito “enfeite”, vale a pena poluir seus ouvidos, com uma bela canção desestressante e satânica (hehe). \\oo// \\oo// \\oo//. Até lá.

    Onde: Opinião

    Horário: a partir das 18h
    Ingressos antecipados: R$ 30,00
    Ingressos no local: R$ 35,00

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: