Marcado como: Resenha Filme Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • carames 10:00 em 11/10/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 5 de dezembro, , Cartoons’ Greatest Hits, Drew Barrymore, mca records, Ralph Sall, , , , , Resenha Filme, , Saturday Morning   

    LP/CD/VHS – Saturday Morning (Cartoons’ Greatest Hits) 1995 

    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits)
    Esta coletânea lançada em 5 de dezembro de 1995 homenageia os desenhos animados das manhãs de sábado dos anos 1960 e 1970 na interpretação de Collective Soul, Butthole Surfers, Sublime, Ramones e outras 15 bandas.

    Editado em LP duplo e CD simples o lançamento recebeu também tratamento em vídeo – estrelado por Drew Barrimore, que acorda numa manhã de sábado e passa o tempo com os amigos assistindo os videoclipes dos artistas já citados. Os Flintstones, Os Jetsons, Homem-Aranha, Scooby-Doo e Popeye são alguns dos desenhos lembrados.

    Uma edição especial da revista The Sensational Spider-Man também foi lançada com uma fita K7 de brinde contendo as canções com destaque para a versão dos Ramones para a música tema do aracnídeo. O responsável pela escolha do cartoon foi CJ Ramone. O clipe para esta música foi lançado em duas versões distintas e a arte de uma delas acabou virando conceito do disco ao vivo Greatest Hits Live de 1996.

    Ficha Técnica:
    MCA Records – produzido por Ralph Sall

    Tracklist:
    A1 – Liz Phair & Material Issue – The Tra La La Song (One Banana, Two Banana) – 3:14
    A2 – Sponge – Go Speed Racer Go – 3:07
    A3 – Mary Lou Lord & Semisonic – Sugar Sugar – 3:53
    A4 – Matthew Sweet – Scooby-Doo, Where Are You? – 3:12
    A5 – Juliana Hatfield & Tanya Donelly – Josie And The Pussycats – 2:53
    B1 – Collective Soul – The Bugaloos – 3:18
    B2 – Butthole Surfers – Underdog – 3:56
    B3 – Helmet – Gigantor – 4:14
    B4 – Ramones – Spider-Man – 2:07
    B5 – Reverend Horton Heat – Jonny Quest / Stop That Pigeon – 3:09
    C1 – Frente! – Open Up Your Heart And Let The Sun Shine In – 3:31
    C2 – Violent Femmes – Eep Opp Ork Ah-Ah (Means I Love You) – 3:21
    C3 – Dig – Fat Albert Theme – 3:46
    C4 – Face To Face – I’m Popeye The Sailor Man – 3:05
    D1 – Tripping Daisy – Friends / Sigmund And The Seamonsters – 4:22
    D2 – Toadies – Goolie Get-Together – 3:48
    D3 – Sublime – Hong Kong Phooey – 3:47
    D4 – Murmurs, The – H. R. Pufnstuf – 3:19
    D5 – Wax – Happy, Happy, Joy, Joy – 3:32
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 1
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 2
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 3
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 4
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 5
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 6
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 7
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 8
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 9
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 10
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 11
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 12
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 13
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 14
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 15
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 16
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 171995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 18
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 19
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 20
    1995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 221995-12-05 Saturday Morning (Cartoons' Greatest Hits) 21
    the sensational spider-man 1-0the sensational spider-man k7 1the sensational spider-man k7 2


     
  • carames 11:05 em 02/12/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , anthony hopkins, , Danny Huston, helen mirren, James D'Arcy, jessica biel, Michael Stuhlbarg, , , Ralph Macchio., Resenha Filme, , Toni Collette   

    Filme – Hitchcock (Hitchcock) 2012 

    Adaptação do livro Alfred Hitchcock And The Making Of Psycho o filme traz o diretor inglês Alfred Hitchcock (Anthony Hopkins) e sua esposa Alma (Helen Mirren) durante as filmagens do clássico Psicose.

    Mesmo no ápice da carreira, ele teve de fazer o filme de maneira independente devido a resistência dos estúdios em investirem no gênero. Acabou realizando um clássico absoluto do cinema.

    Escolhido como melhor thriller de todos os tempos, Psicose apresenta Norman Bates (Anthony Perkins) como gerente de um motel que hospeda uma secretária (Janet Leigh) em fuga após roubar 40 mil dólares de seu patrão.

    O filme, todo em preto e branco representou um marco para época com uma campanha massiva em que os espectadores foram proibidos de entrar no meio da sessão e incentivados a guardar segredo sobre o desenrolar do filme.

    No filme de 2012, Scarlett Johansson interpreta Janet Leigh e Jessica Biel sua irmã enquanto James D’Arcy representa Anthony Perkins.

     
  • carames 11:47 em 26/11/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , birds, , confissões de uma ladra, , marnie, pássaros, Resenha Filme, sienna miller, the girl, toby jones   

    Filme – The Girl (The Girl) 2012 

    Baseado no livro Spellbound by Beauty, The Girl é um filme para tv co-produzido por HBO e BBC que retrata os bastidores das gravações de Os Pássaros (1963) e Marnie, confissões de uma ladra (1964) ambos do diretor inglês Alfred Hitchcock.

    Porém o foco principal está no relacionamento conturbado e obsessivo que o diretor (interpretado por Toby Jones) manteve com Tippi Hedren (Sienna Miller) durante as gravações, tudo supervisionado por sua esposa Alma.

    Hitch era conhecido por seu detalhismo e chegou a declarar que tinha previamente concebido cada cena de seus filmes não precisando portanto conferir o resultado das filmagens.

    Mesmo assim, fez incontáveis takes forçando Tippi a ser atacada repetidamente por pássaros de verdade ao invés de utilizar réplicas mecânicas. Na trama, Bodega Bay – uma cidade do interior, é alvo do ataque de aves enfurecidas. Os ataques coincidem com a chegada repentina da loira misteriosa Melanie Daniels.

    Sienna Miller incorpora com maestria a pupila de Hitchcock que à época era uma modelo desconhecida. Coincidentemente, Sienna já havia interpretado outra modelo no também biográfico The Factory Girl (2006) sobre Edie Sedgwick e seu mentor Andy Warhol.


     
  • carames 12:00 em 14/11/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: 1956, , , , , , don siegel, , , invasion of the body snatchers, invasores, invasores de corpos, , , Resenha Filme, the invasion   

    Filme – Invasores de Corpos (Invasion of the Body Snatchers) 1956/1978/1993/2007 


    Um médico e sua esposa se deparam com o comportamento estranho de amigos e vizinhos na cidade de Santa Mira na Califórnia. Pouco a pouco eles descobrem que sementes alienígenas gigantes dão vida a clones dos seres humanos enquanto suas vítimas estão dormindo.

    Principais Diferenças:
    1956 – primeira versão filmada do livro homônimo de Jack Finney, lançado em 1954;
    1978 – conta com Jeff Goldblum e Donald Sutherland no elenco. Aqui, Bennell (Sutherland) é um fiscal sanitário e a trama acontece em San Francisco;
    1993 – história bastante modificada em relação às outras versões, mantendo apenas a premissa da substituição alienígena. Talvez por isto seja a mais fraca de todas. Traz Forest Whitaker no elenco;
    2007 – a trama é basicamente a mesma embora o nome tenha sido alterado para simplesmente Invasores. No elenco as estrelas Daniel Craig e Nicole Kidman tem um filho e desta vez, é a mocinha quem foge dos substitutos alienígenas.

    Qual assistir:
    A versão de 2007 é a mais bem acabada e que imprime maior tensão principalmente nas cenas em que a mocinha é perseguida pelos humanos já substituídos. É deste remake também o final mais otimista, oposto do mostrado nas duas primeiras filmagens.




     
  • carames 15:14 em 25/06/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , Resenha Filme, , vhs   

    V/H/S ganha o trailer mais assustador do ano 

    Por Filipe Siqueira

    Os filmes de terror de “fitas amadoras” (ou found footage, fitas encontradas) são os melhores do gênero, sem dúvida. Quem assistiu Cannibal Holocaust, REC e A Bruxa de Blair – e até Atividade Paranormal, em menor grau – sabe muito do que estou falando. O caso de A Bruxa de Blair foi ainda mais acentuado, já que em tempos de Internet discada não era lá muito difícil viralizar uma lenda urbana da pesada, o que levou quase todos a acreditarem que a história era real.

    V/H/S é o mais novo representante dessa safra de filmes, e parece primar justamente pelo que está em falta nos filmes de terror: terror genuíno, e não porcarias para agradar adolescentes. A trama do filme envolve seis bandidos contratados para roubar uma casa em busca de uma fita VHS rara, e acabam assistindo seis outras fitas com gravações de horror das piores.

    Cada um dos seis diretores do filme -Ti West , Joe Swanberg, Radio Silence,David Bruckner, Adam Wingard e Glenn McQuaid – dirige uma história. Não se engane com a capa ridícula acima e veja o trailer abaixo, com um aviso: tem cenas fortes, com sangue, garotas sem roupa, espíritos fazendo arruaça, entre outras coisas.

     
  • carames 8:29 em 13/05/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , Os 20 filmes mais punk da história, , , Resenha Filme, , ,   

    Os 20 filmes mais punk da história 

    O site Premiere fez em 2008 uma lista com os 20 filmes mais relevantes com a temática punk. Na lista, estão filmes como Rock ‘n’ roll high school dos Ramones, Sid and Nancy que conta a história dos Sex Pistols e What We Do Is A Secret, dramatização da breve história dos The Germs.

    Documentários como The Blank Generation e Juventude Decadente narram os primórdios da primeira e segunda gerações do punk/hardcore, respectivamente, no final dos anos 1970 (Blondie, Ramones, Heartbreakers…) e começo da década seguinte (X, The Germs, Black Flag…). Confira a lista abaixo:

    01 Ramones: Rock n’ Roll High School – 1979

    02 The Blank Generation (The Blank Generation) – 1980

    03 Juventude Decadente (The Decline of Western Civilization) – 1981

    04 Ladies and Gentlemen, the Fabulous Stains (Ladies and Gentlemen, the Fabulous Stains) – 1981

    05 Urgh! A Music War (Urgh! A Music War) – 1981

    06 Smithereens (Smithereens) – 1982

    07 Suburbia (Suburbia) – 1984

    08 Repo Man A Onda Punk (Repo Man) – 1984

    09 Procura-se Susan Desesperadamente (Desperately Seeking Susan) – 1985

    10 A Volta Dos Mortos-Vivos (Return of the Living Dead) – 1985

    11 Sid and Nancy – O amor pode matar (Sid and Nancy) – 1986

    12 Dogs in Space (Dogs in Space) – 1987

    13 Roadkill (Roadkill) – 1989

    14 Um Som Diferente (Pump Up The Volume) – 1990

    15 What About Me (What About Me) – 1993

    16 Geração Maldita (The Doom Generation) – 1995

    17 Hackers – Piratas de Computador (Hackers) – 1995

    18 SLC Punk – 1998

    19 Joe Strummer: The Future is Unwritten – 2007

    20 The Germs: What We Do Is A Secret – 2007

     
  • carames 15:59 em 02/02/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 2 de fevereiro, alex cox, , , chloe webb, , courtney love, , gary oldman, , , Resenha Filme, , ,   

    LP/VHS/DVD – Sid e Nancy, o amor mata (Sid and Nancy, the love kills) 1986 

    Apesar de Glen Matlock ser o baixista original dos Sex Pistols, foi Sid Vicious (John Simon Ritchie-Beverly: 10/05/1957 — 2/2/1979) quem personificou a imagem do rock star punk empunhando o baixo na banda criada por Malcom McLaren.

    O movimento punk londrino era diferente do novaiorquino em muitos aspectos, mas principalmente na estética. Vicious, não só fez jus a aparência (cabelos sujos e espetados, roupas rasgadas e cadeado no pescoço) como viveu e morreu de acordo com a máxima que mandava viver intensamente e morrer jovem.

    Em março de 1977 ele entrou para a banda mesmo sem saber tocar e durante os shows se mantinha fazendo pose enquanto seu instrumento passava parte do tempo desligada para não atrapalhar a música.

    Em novembro daquele ano ele conheceu Nancy Spungen, uma groupie americana que se prostituía para manter seu vício em heroína e andava atrás de qualquer um que estivesse envolvido com uma banda. O vício uniu os dois mas o temperamento difícil dela e a pouca aceitação de Sid pelo resto do grupo tornavam difícil seu convívio com Johnny Rotten e cia. Sid estava convencido que era a alma da banda e suas exigências acabaram sendo o pivô para o fim dos Sex Pistols em plena turnê americana.

    Sid tentou carreira solo e foi viver com Nancy nos Estados Unidos no lendário Chelsea Hotel em Nova Iorque onde viveram também Dee Dee Ramone, Dylan Thomas, Arthur C. Clarke, William S. Burroughs, Leonard Cohen, Tennessee Williams, Allen Ginsberg, Jack Kerouac, Jean-Paul Sartre e Charles Bukowski.

    Na noite de 12 de outubro de 1978 ela foi encontrada morta a facadas. Sid chegou a ser preso como principal suspeito mas morreu de overdose em fevereiro do ano seguinte. O caso da morte de Nancy acabou arquivado e nunca recebeu uma explicação oficial.

    O filme do diretor Alex Cox retrata o romance ao melhor estilo Romeu e Julieta ou Yoko/Lennon dos punks se preferirem. O renomado Gary Oldman interpreta Sid Vicious e Nancy é encarnada por Chloe Webb num elenco que ainda incluía, a então desconhecida, Courtney Love.

    A trilha sonora inclui Circle Jerks, Joe Strummer e o próprio Gary Oldman embora tenha deixado de fora Love Kilss – composição de Dee Dee Ramone em homenagem ao amigo morto e que foi deixada de fora após Dee Dee brigar com Alex Cox.


     
  • carames 0:37 em 29/12/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , bad ass, , , Resenha Filme,   

    Filme – Bad Ass (Bad Ass) 2011 

    Danny Trejo (Machete, 2010) e Ron Perlman (Hellboy, 2004) que tem trabalhado juntos no seriado Sons of Anarchy voltam a se encontrar, desta vez na tela grande, no filme Bad Ass.

    O filme é inspirado no vídeo, famoso na internet no começo de 2010, onde Tomas Brujo de 67 anos (usando uma camiseta com a inscrição “I AM A MOTHERFUCKER”) bate em um passageiro do ônibus em que estava após discutirem.

    Frank Vega (interpretado por Trejo) é também um veterano da guerra do Vietnã que espanca dois brutamontes em um ônibus. A partir daí ele parte distribuindo porrada – mistura de Desejo de Matar com um Dia de Fúria.

    Confira abaixo o trailer e o vídeo que deu origem ao filme.


     
  • carames 0:27 em 11/12/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , clive owen, , , os especialistas, ranulph fiennes, Resenha Filme, , the killer elite   

    Filme – Os Especialistas (The Killer Elite) 2011 

    Inspirado no livro The Men Feather escrito por Ranulph Fiennes, um antigo agente de elite britânico. Seu livro conta a história de dois grupos de assassinos que mediram força na década de 1970 e causou polêmica na Inglaterra nos anos 1990 quando foi lançado e virou best-seller. O governo se esforçou em negar rapidamente qualquer envolvimento oficial com mercenários contratados.

    Fortemente apoiado no argumento ‘baseado em fatos reais’ o filme conta com vários elementos indispensáveis a um bom filme de ação. Perseguições automobilísticas, tiroteios sob telhados em Londres, em túneis no meio do deserto e boas cenas de luta bem coreografadas.

    Na trama, um grupo de assassinos (intitulado a Clínica) é contratado para eliminar quatro soldados britânicos responsáveis pela morte dos filhos de um rico sheik árabe. Em seu encalço está outro grupo de assassinos de elite (conhecido como Homens Pena) que tem a missão de impedir os assassinatos.

    No elenco, Robert De Niro (que dispensa apresentações e esteve recentemente em Machete, outro bom filme de ação), Clive Owen e Dominic Purcell (da extinta série Prison Break).

    Jason Statham (de Assassino a Preço Fixo e das franquias Carga Explosiva e Adrenalina) se firma cada vez mais como herdeiro do posto que Vin Diesel falhou em ocupar e que um dia foi de Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone (com quem estrelou Os Mercenários).

     
  • carames 1:19 em 27/09/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , Halloween, , , michael myers, psicopata, Resenha Filme, , ,   

    Filme – Halloween (Halloween) 2007 


    Sheri Moon (nascida em 26/9/1970) é esposa do diretor Rob Zombie (ex-líder do White Zombie) que, a exemplo de outros diretores como Woody Allen (Scarlett Johansson), Pedro Almodóvar (Penélope Cruz) e Alfred Hitchcock (Ingrid Bergman), elegeram suas musas e estabeleceram uma parceria de trabalho com elas.

    Juntos, o casal Zombie fez A Casa dos mil corpos (2003), Rejeitados pelo diabo (2005) e Halloween II (2009) além de Halloween (2007) onde Sheri Moon interpreta a mãe do perturbado Michael Myers (um garoto excluído pelos colegas na escola e maltratado em casa pelo namorado de sua mãe).

    Não é de hoje que a inspiração para novos filmes é artigo raro, principalmente em Hollywood. O resultado é a onda de remakes que a cada mês toma conta dos lançamentos no cinema. Mas outros artifícios também são usados como transpor pra tela grande, livros que foram sucesso de venda.

    Na falta de uma boa história, outra febre são as versões ‘o início’ que procuram explicar o princípio de tramas já consagradas e, em geral, esgotadas pelo tempo.

    Zombie conseguiu renovar a saga de John Carpenter sobre o assassino mascarado elucidando os acontecimentos que transformaram Myers no assassino frio e implacável que fez sucesso nos anos 1980 mas acabou deixado de lado nos últimos anos por conta de histórias fracas e mal conduzidas.

    Na trama co-escrita por Carpenter e Zombie, Myers (que aos 10 anos de idade maltratava pequenos animais) é internado em um hospital psiquiátrico após uma chacina na qual mata a irmã, seu namorado e o namorado de sua mãe, uma stripper que escapa da matança junto com a filha recém nascida.

    Myers fica 17 anos preso e quando foge do hospital, parte à caça de sua irmã dando sequência aos seus instintos psicopatas.

    O filme segue o modelo de Hannibal a origem do mal (2007), O Massacre da Serra Elétrica (2006) e O Exorcista (2004) que tiveram suas histórias revistas com foco na origem dos protagonistas.


     
  • carames 16:00 em 24/09/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 24 de agosto de 1979, , , , , , , , , , , pj soles, , , , , , , , , Resenha Filme, , ,   

    LP/CD/VHS/DVD – Ramones: Rock n’ roll High School 1979 


    Em 1979 Roger Corman já era um produtor de cinema conhecido por suas produções de baixo orçamento e de qualidade, no mínimo, questionável. Ele foi convencido pelo diretor Alan Arkush a produzir um filme sobre uma banda de rock que virava uma escola de pernas pro ar.

    A história de Arkush (que em princípio teria o Cheap Trick no papel principal) inclui todos os clichês que filmes americanos sobre escola costumam abordar como a briga entre veteranos e calouros e o tédio das aulas de educação física.

    Tom Roberts é o capitão do time de futebol mas mesmo assim não consegue arrumar namorada. Sua única cantada é ‘falar sobre as condições climáticas’ e não tem feito sucesso com as garotas. Tentando deixar de lado esta imagem ele procura EaglebauerClint Howard de Halloween, O Ínicio (2007), um especialista em conseguir resultados de provas, passes para faltar aula e em casos extremos, encontros românticos.

    O escritório de Eaglebauer fica estrategicamente instalado no banheiro masculino e é bastante concorrido. Roberts chega a conclusão que o melhor para sua imagem seria envolver-se com alguém descolado como Riff RandellP.J. Soles de Halloween, A Noite do Terror (1978) e Carrie, a Estranha (1976).

    Randell é fã dos Ramones e está mais preocupada em ir ao show que a banda fará na cidade e, claro, vai tentar conhecê-los pessoalmente e entregar uma música que escreveu para que eles a gravem (a rn’roll high school do título). Em seu caminho está a nova diretora (Togar) que não vê o rock como boa influência para os alunos e quer fazer de Randell exemplo para os demais.

    Seria apenas mais um filme na carreira de Corman/Arkush caso não tivesse Joey, Johnny, Dee Dee e Marky interpretando a si mesmos. E não quero dizer com isto que seus desempenhos sejam dignos de grandes notas (Dee Dee por exemplo tem uma única fala no filme inteiro e que teve dificuldade em excecutar: “uau, pizza”).

    Infelizmente o filme falha onde outros tiveram êxito como Curtindo a vida adoidado (1986), Porky’s (1982) e mais tarde Escola de Rock (2003) com Jack Black.

    Lançado em 24 de agosto de 1979 ao custo de 300 mil dólares o filme tem cenas que são justificadas pelo baixíssimo orçamento e o pouco tempo (3 semanas) de produção. Numa destas cenas, Togar explica como ratos de laboratório explodem se expostos ao punk rock dos Ramones (mais tarde um rato gigante vai ao show da banda).

    A trilha sonora tem Ramones, Chuck Berry e Alice Cooper e ainda PJ Soles que interpreta a faixa título. Os Ramones contribuem com Rock n’ Roll High School (mais tarde incluída em End of The Century), a inédita I Want you Around, uma parceria com os The Paley Brothers e um medley ao vivo de músicas que eram comuns em seus shows naquela época. Outras músicas deles estão no filme, embora não façam parte da trilha sonora, como Sheena is a Punk Rocker, Questioningly e I wanna be your boyfriend.

    Alguns momentos isolados merecem destaque como a sequência da banda chegando ao The Roxy tocando I Just want to have something to do ou o chefe de polícia concluindo que a banda é formada por gente ‘muito, muito feia’ – mesmo assim, estariam melhor em um clipe da banda do que em um filme de Corman.

    O fato da diretora fazer uma fogueira com os discos dos alunos serve de catalizador para uma rebelião que faz a escola ir pelos ares ao som de Rock n’ roll high school. Os Ramones chegam à escola e são logo questionados pela diretora que pergunta ao quarteto: ‘seus pais sabem que vocês são os Ramones?’. Pura diversão sem nenhuma pretensão artística.

    Ficha Técnica:
    Sire Records – produzido por Ed Stasium

    Joey Ramone – vocal
    Johnny Ramone – guitarra
    Dee Dee Ramone – baixo, backing vocal
    Marky Ramone – bateria

    Edição Original (Sire Records)
    Lado A:
    01. “Rock N Roll High School” (Joey Ramone) – 2:13
    02. “I Want You Around” (Ramones) – 3:06
    03. “Come On Let`s Go” (Ritchie Valens) – 2:11 by The Paley Brothers and The Ramones
    04. “Ramones Live Medley: Blitzkrieg Bop/Teenage Lobotomy/California Sun/Pinhead” (Ramones) – 11:00
    05. “So It Goes” (Nick Lowe) – 2:28 by Nick Lowe
    06. “Energy Fools The Magician” (Brian Eno) – 2:03 by Brian Eno
    Lado B:
    07. “Rock N Roll High School” (Joey Ramone) – 2:11 by PJ Soles
    08. “Come Back Jonee” (Devo) – 3:44 by Devo
    09. “Teenage Depression” (Dave Higgs) – 2:54 by Eddie & The Hot Rods
    10. “Smoking In The Boy`s Room” (Cub Koda, Michael Lutz) – 2:55 by Brownsville Station
    11. “School Days” (Chuck Berry) – 2:40 by Chuck Berry
    12. “Dream Goes On Forever” (Todd Rundgren) – 2:22 by Todd Rundgren
    13. “School`s Out” (Alice Cooper) – 3:24 by Alice Cooper


    Versão em CD:
    ramones-rocknrollhighschoolbrasil1
    ramones-rocknrollhighschoolbrasil2
    ramones-rocknrollhighschoolbrasil3
    ramones-rocknrollhighschoolbrasil4ramones-rocknrollhighschoolbrasil5

    Edição em VHS:
    ramones-rocknrollschooljapan1ramones-rocknrollschooljapan3ramones-rocknrollschooljapan2
    VIDEO04aVIDEO04b

    Edição em DVD:
    ramones-rocknrollhighschooldvd1
    ramones-rocknrollhighschooldvd2
    ramones-rocknrollhighschooldvd3
    ramones-rocknrollhighschooldvd4
    ramones-rocknrollhighschooldvd5
    ramones-rocknrollhighschooldvd6
    ramones-rocknrollhighschooldvd7
    ramones-rocknrollhighschooldvd8
    ramones-rocknrollhighschooldvd9
    ramones-rocknrollhighschooldvd10
    ramones-rocknrollhighschooldvd11
    ramones-rocknrollhighschooldvd12
    ramones-rocknrollhighschooldvd13
    ramones-rocknrollhighschooldvd14
    rock n roll high school us 1
    rock n roll high school us 2
    rock n roll high school us 3

    Singles:






    Mais sobre o disco*:

    rockscene-set1979-2rnroll high school press release
    rnroll high school promornroll high school promo 2

    • artigos publicados na revista Metal Head Especial nº 11, General Especial e Rock Scene set 1979.



     
  • carames 17:52 em 16/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , Resenha Filme, ,   

    Robert Johnson (8/05/1911 – 16/08/1938) 

    Como se constrói um mito? Bom, Pelé marcou 1283 gols em sua carreira e graças não só à quantidade, mas à beleza de seus gols tornou-se um mito. Revolucionou a maneira como se joga futebol e depois dele o futebol jamais voltou a ser o que era.
    Assim como ocorreu no futebol com Pelé, depois de Robert Johnson o Blues jamais foi o mesmo. Mas, Johnson não precisou de tantas músicas para, assim como Pelé, tornar-se um mito. Tanto que um consumidor desavisado corre o risco de comprar um disco deste artista e acreditar tratar-se de uma simples coletânea quando o álbum na verdade contém a íntegra de sua obra.
    Ele fez apenas duas sessões de gravação, uma em novembro de 1936 e a outra em junho de 1937 de onde foram extraídas as únicas 29 músicas conhecidas dum total de 41 faixas incluindo takes alternativos. Parece muito pouco, e de fato, Johnson teve muito pouco reconhecimento em vida, sua obra só foi devidamente reconhecida a partir dos anos 1960 com o resgate de suas canções por artistas como Rolling Stones e Eric Clapton consolidando-o no hall dos principais bluesman que já existiram.
    Entretanto, outros aspectos da breve vida de Robert Johnson são incertos e de complexa explicação, pois documentos oficiais a respeito dele inexistem ou são contraditórios, além de haver somente três fotografias conhecidas e absolutamente nenhum registro em vídeo.
    Sua mãe, Julia Ann Majors, casou-se em 1889 com Charles Dodds Jr que a abandonou em 1907. Então, Julia e Noah Johnson tem um caso que resulta em um filho, Robert Leroy Johnson, sua provável data e local de nascimento são ponto de controvérsia entre historiadores e biógrafos embora a maioria aponte Hazlehurst, Mississippi em 1911 como a informação mais confiável.
    Após uma infância conturbada, contra a vontade dos pais, Johnson opta pela música, seguindo o exemplo de seus ídolos Son House, Charley Patton e Skip James. Ele se casa com apenas 18 anos, mas perde sua esposa, então dois anos mais nova, durante o parto junto com o bebê que esperava. Este acontecimento marca sua vida e também sua música, naquela altura Robert era considerado pelos amigos Son House e Willie Brown apenas um aprendiz promissor, ou como citam algumas biografias “uma nulidade”.
    Com o ego ferido, Robert Johnson some durante algum tempo sendo uma incógnita se se passaram meses ou apenas dias. O que se sabe é que quando retornou, ele demonstrou uma habilidade muito superior a que demonstrara até então. Surge a partir daí o mito do pacto com o diabo onde ele teria entregado sua alma em uma encruzilhada em troca de ser um músico mais habilidoso. Mito ou verdade, o fato é que o resultado das gravações mostra um músico extremamente talentoso e como disse Keith Richards, dos Stones, “quem é o outro cara que está tocando com ele?”, reflexo da maneira revolucionário de Johnson ao violão em que fazia parecer estar acompanhado por outros músicos.
    Em 13 de agosto de 1938 após envolver-se com uma mulher casada, ele teria sido envenenado morrendo de pneumonia três dias depois. Assim como tantos outros fatos de sua vida, o autor do envenenamento permanece um mistério, podendo ter sido tanto um marido traído como uma namorada ciumenta, das tantas mulheres com quem costumava se envolver.
    Certo mesmo é o legado e a importância que suas 29 músicas representam tendo influenciado uma infinidade de outros artistas. Um artista fundamental em toda discoteca ou diretório de mp3.

    Para saber mais:
    Documentário – Can’t You Hear the Wind Howl? The Life and Music of Robert Johnson 1997
    Narrado por Danny Glover, tem Keb’ Mo’ interpretando o jovem Robert Johnson além de Eric Clapton, Robert Cray, John Hammond, Robert Lockwood Jr, Keith Richards e Johnny Shines. Concentra-se mais na lenda do que na apuração dos fatos.

    DVD – Hellhounds On My Trail The Afterlife of Robert Johnson 2000
    Tributo ao bottlenecker do Mississippi com entrevista e performances de RL Burnside, Keb’ Mo’ e Robert Lockwood Jr, enteado de Johnson. Apresenta também o que poderia ser o primeiro registro em vídeo conhecido, embora especialistas ainda não tenham chegado a um consenso.

    Documentário – The Search for Robert Johnson 1992
    John Hammond percorre os lugares que fizeram parte da vida de Robert Johnson resgatando a história deste lendário músico com entrevistas de Keith Richards, Eric Clapton, biógrafos de blues e do filho de Johnson, Claude Johnson. Hammond conversa com outro importante blueseiro, Johnny Shines e aproveita para fazer uma jam com Honeyboy Edwards, que estava presente na fatídica noite do envenenamento de Johnson.

    Filme – A Encruzilhada (Crossroads) 1986
    Ralph Macchio (o Daniel Sam de Karatê Kid) é o jovem guitarrista Eugene Martone que tenta a fama e encontra Joe Sêneca, amigo íntimo de Robert Johnson. O plano de Martone consiste da crença que o pacto de Johnson com o diabo contemplava 30 músicas. Desta forma ele parte atrás do que seria a última música do trato e que lhe daria fama. A trilha sonora é de Ry Cooder.

    DVD – Eric Clapton Sessions for Robert J
    Neste tributo, Eric Clapton acompanhado de sua banda, toca 16 músicas de Robert Johnson em ensaios em Londres e Dallas além de gravações no mesmo local onde Johnson gravou algumas de suas músicas.

    Livro – Blues Da Lama a Fama
    Escrito pelo crítico Roberto Muggiati, Blues – Da Lama a Fama conta a história deste secular gênero da música norte-americana que hoje está difundida em cada continente e nos mais diversos países.

    CD – Robert Johnson – King of the Delta Blues Singers 1961
    01. Crossroads Blues
    02. Terraplane Blues
    03. Come on in My Kitchen
    04. Walkin’ Blues
    05. Last Fair Deal Gone Down
    06. 32-20 Blues
    07. Kind Hearted Woman Blues
    08. If I Had Possession Over Judgment Day
    09. Preachin’ Blues (Up Jumped the Devil)
    10. When You Got a Good Friend
    11. Ramblin’ on My Mind
    12. Stones in My Passway
    13. Traveling Riverside Blues
    14. Milkcow’s Calf Blues
    15. Me and the Devil Blues
    16. Hellhound on My Trail
    17. Traveling Riverside Blues (Alternate Take)

     
  • carames 0:21 em 08/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 007 Cassino Royale, , , , , , , , 4 Meses 3 Semanas e 2 Dias, A Banda, Batismo de Sangue, Batman - O Cavaleiro das Trevas, , Editora Contexto, , Quase Dois Irmãos, Resenha Filme, , Se eu Fosse Você   

    Livro – Os melhores filmes novos, 290 filmes comentados e analisados 

    Boa sacada para quem gosta de unir cinema e literatura e pretende se inteirar do que tem sido produzido com qualidade nos últimos anos. Cerca de dois mil filmes lançados no mercado nacional no período de três anos entre 2005 e 2008 serviram de base para este guia.

    Dividido em aventura, brasileiros, comédia, documentário, drama, fantasia, história e infantil o autor organiza uma obra interessantíssima a partir de cinco critérios (argumento, roteiro, elenco, produção e direção) oferecendo ao leitor ficha técnica, análise e uma boa foto de cada filme.

    Luciano Ramos é graduado em Ciências Sociais pela USP, crítico de cinema no Jornal da Tarde. Editou o Guia de Filmes da Abril Cultural nos anos 1980 e 1990 e ficou na Rede Bandeirantes comandando o Departamento de Cinema, até ir em 1995 para o Ministério da Cultura, como coordenador de comunicação. Na Fundação Armando Álvares Penteado, ensina nos cursos de pós-graduação em Jornalismo Cultural e Crítica de Cinema.

    Blockbusters como 007 Cassino Royale (2006) e Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) e filmes menos comerciais como o romeno 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (2008) e o israelense A Banda (2007) dividem espaço com o cinema nacional. Batismo de Sangue (2007), Quase Dois Irmãos (2005) e a comédia Se eu Fosse Você (2006) são boas amostras do melhor de nossa produção na última década.

    Um índice alfabético e outro por gênero ajudam na busca. No site, conteúdo exclusivo e atualizado dão conta de outras 50 obras lançadas no mercado brasileiro após a publicação do livro. Editora Contexto, 328 páginas.

    Ficou curioso? No site, a editora desponibiliza uma prévia do primeiro capítulo.

     
  • carames 0:18 em 03/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , Capitalism: A Love Story, Capitalismo: Uma História de Amor, , inside job, , , Resenha Filme, trabalho interno   

    Homem primata, capitalismo selvagem: Capitalismo / Trabalho Interno 

    Lado A – Capitalismo: Uma História de Amor (Capitalism: A Love Story) 2009

    Após abordar os atentados de 11 de setembro (Fahrenheit, 2004), o sistema público de saúde (SICKO, 2007) e as eleições presidenciais (Slacker Uprising, 2008) Michael Moore volta a carga questionando desta feita o sagrado capitalismo americano em Capitalismo: Uma História de Amor.

    Após a bolha do mercado imobiliário que gerou recessão e desemprego, Moore entrevista pessoas comuns afetadas pela crise e que perderam todas as suas economias enquanto banqueiros receberam 700 billhões de dólares do congresso e destinaram milhões em bônus para seus executivos (remunerando exatamente os principais causadores da crise).

    Com a desregulação do sistema financeiro, Wall Street criou uma bolha a partir de derivativos usados como garantia de tal maneira que o resultado que vimos em 2008 não poderia ter sido outro.

    Um mesmo imóvel era dado como garantia para diferentes empréstimos até o ponto em que era impossível que as dívidas fossem executadas gerando um calote em cascata.

    Com o senso de humor e a ironia peculiares, característicos de suas obras, Michael Moore vai até congressistas entender o motivo deles autorizarem uma ajuda bilionária para os bancos causadores de toda crise enquanto saúde e educação foram deixadas de lado pela administração Bush.

    Lado B – Trabalho Interno (Inside Job) 2010

    Vencedor do Oscar de melhor documentário em 2011, Trabalho Interno, narrado por Matt Damon expõe de forma menos caricata mas não menos contundente os motivos que levaram à crise financeira que abalou o mundo entre 2007 e 2009.

    Derivativos, desregulação, mercado de ações, hipoteca. De cunho bem mais sério e técnico que Capitalismo de Michael Moore, Trabalho Interno investiga os motivos pelos quais uma crise anunciada foi tratada com tamanho descaso e depois remediada a custa dos contribuintes sem que ninguém fosse responsabilizado.

    O diretor Charles Ferguson retrata os lados obscuros de Wall Street que com a conivência do Secretário do Tesouro Hank Paulson (ex-CEO do Goldman Sachs, uma das principais envolvidas no escândalo dos derivativos) manteve a mesma estrutura sem que regras mais rígidas fossem implementadas para evitar novas fraudes financeiras.

     
  • carames 1:27 em 05/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , bill murray, , get low, Resenha Filme, , segredos de um funeral   

    Filme – Segredos de um Funeral (Get Low) 2010 

    Não é de hoje que projetos que envolvam Bill Murray ou Robert Duvall são garantia de bons filmes. Duvall por exemplo, foi produtor do filme Coração Louco e um dos principais incentivadores para que Jeff Bridges interpretasse Bad Blake, papel que lhe rendeu o Oscar de melhor ator.

    Indicado cinco vezes ao Oscar (venceu em 1983 por A Força do Carinho) aqui, Duvall interpreta Felix Bush, um eremita do Tennessee que teria supostamente vivido nos anos 1930.

    Ele vive afastado e isolado do restante da população, o que gera todo tipo de história a respeito de sua misteriosa figura. Na verdade, toda cidade do interior conta com pelo menos um morador com este perfil.

    Após 40 anos de isolamento ele resolve deixar a sua ‘prisão’. Frank Quinn (Murray) é o dono de uma funerária que recebe a visita do folclórico eremita com um pedido um tanto peculiar: Felix Bush resolve contratar o serviço para seu funeral. O detalhe é que ele deseja participar da festa, ainda vivo.

    Ele convida cada morador da cidade e da região (com direito a divulgação no rádio e com cartazes espalhados rua afora) que tenha uma história a contar sobre ele para que participe do evento. Ele próprio tem uma história que gostaria de partilhar com todos.

    Um drama conduzido com uma pitada de bom humor e com uma trilha sonora excelente, proporcional, que acentua o tom de dramaticidade e a sensibilidade que a história exige. A produção, a cargo de Dean Zanuck (responsável também por Estrada para Perdição de 2002), foi descrita pela revista Rolling Stone como “uma obra que somente um tolo ousaria perder”.

     
  • carames 22:26 em 02/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , cabeças de vento, fox records, lonn friend, , primus, , , , Resenha Filme, ,   

    Filme – Os Cabeças de Vento (Airheads) 1994 

    Executivos de gravadoras usando rabo de cavalo e cavanhaque. Groupies com vestidos justíssimos e cabelos descoloridos. Uma rádio chamada ‘rebelde’. Uma fita demo perdida por aí e uma banda tentando o sucesso.

    Chazz (Brendan Fraser), Rex (Steve Buscemi) e Pip (Adam Sandler) são os Cavaleiros Solitários, uma banda de hard rock como aquelas que costumavam fazer sucessos nos idos da década de 1990. Eu sei, vendo hoje este filme soa um tanto datado. Apesar disto ele passou no teste do tempo e vale a pena conferi-lo.

    Rex trabalha em uma loja de brinquedos de onde costuma subtrair bonecos e armas de brinquedo. Chazz bate de porta em porta à procura de uma gravadora que os aceite, enquanto sua namorada exige que ele arranje um emprego de verdade.

    O sonho deles é assinar um contrato, gravar um disco e fazer sucesso. Nem que para isto precisem invadir uma estação de rádio e fazê-los tocar sua demo na marra fazendo os funcionários reféns.

    Na trilha sonora, Motorhead, Ramones, Anthrax e Primux além de participações pra lá de especiais de Lemmy, Beavis and Butthead e White Zombie. Uma comédia divertida com atores que ainda eram promessas em atuações competentes. Um prato cheio pra quem curte rock n’ roll – desde que não copiem a iniciativa (acreditem, alguém já teve esta infeliz idéia).

    Ficha Técnica:
    Fox Records – produzido por Lonn Friend

    01 Born to Raise Hell – Motörhead com Ice-T e Whitfield Crane – 4:57
    02 I’m The One – 4 Non Blondes – 3:58
    03 Feed the Gods – White Zombie – 4:05
    04 No Way Out – D Generation – 4:26
    05 Bastardizing Jellikit – Primus – 4:11
    06 London – Anthrax – 2:54
    07 Can’t Give In – Candlebox – 3:15
    08 Curious George Blues – Dig – 4:03
    09 Inheritance – Prong – 2:11
    10 Degenerated – Lone Rangers – 3:53 *
    11 I’ll Talk My Way Out Of It – Stuttering John – 3:40
    12 Fuel – Stick – 4:57
    13 We Want the Airwaves – Ramones – 3:21




    VA - 1994 - Airheads Original Soundtack k7a
    VA - 1994 - Airheads Original Soundtack k7b



     
  • carames 15:49 em 12/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , dia dos namorados, Dia dos Namorados Macabro, filme para o dia dos namorados, my Bloody Valentine, , Resenha Filme   

    Filme – Dia dos Namorados Macabro (My Bloody Valentine) 1981/2009 

    Trama:
    A delegacia de uma cidade pequena passa a receber uma série de caixas de bombons com corações humanos. De volta à cidade natal após dez anos do massacre do dia dos namorados onde 22 pessoas foram assassinadas, Tom passa a ser o principal suspeito já que os assassinatos acontecem com pessoas próximas a ele.

    Principais Diferenças:
    Não existem. Quase 3 décadas após seu lançamento este clássico do slasher movie ganha uma versão atualizada e com recursos 3D. As duas versões são praticamente iguais, salvo a adição de uma eventual picareta voando pela tela na sua direção.

    Qual assistir:
    Ambos são muito próximos, como é provável que na locadora tenha apenas o filme de 2009, fique com esta opção.

     
  • carames 1:00 em 30/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , blue velvet, , , isabella rossellini, Resenha Filme, veludo azul   

    Filme – Veludo Azul (Blue Velvet) 1986 

    Um ano após a morte de Dennis Hopper (17/05/1936 – 27/05/2010), seria clichê escrever justo sobre Sem Destino (1969) para lembrar deste artista que destacou-se como ator mas foi também diretor e produtor além de colecionador de arte e pintor com relativo sucesso. Ao invés disto, prefiro indicar Veludo Azul (1986) do também celebrado David Lynch e que marcou a volta por cima de Hopper.

    Dennis Hopper é Frank Booth, o sádico sociopata que anda por aí com seu tubo de oxigênio (não confundir com o personagem de Javier Bardem em Onde os fracos não tem vez).

    Uma orelha humana cortada é o ponto de partida para que Jeffrey Beaumont (Kyle MacLachlan) inconformado com o pouco interesse da polícia pelo caso, comece a investigar por conta própria e se depare com o lado obscuro do estilo de vida americano.

    Atrás de pistas ele invade o apartamento de uma cantora, Dorothy Vallens (Isabella Rossellini), que tem sua família mantida refém por Frank além de sofrer contanstes abusos por parte dele. Quando ela chega em casa, Jeffrey esconde-se em um armário e presencia, pelas frestas da porta, Frank estuprar e espancar Dorothy na cena mais polêmica do filme que também destacou-se pela violência e insanidade do personagem interpretado por Hopper.

    Por Veludo Azul, Lynch foi indicado ao Oscar e Hopper deixou para posteridade um dos mais perturbadores psicopatas do cinema.

    Para saber mais sobre a vida deste incomparável artista, clique aqui e leia a excelente resenha do amigo Márcio Grings à época da morte de Hopper.

     
  • carames 1:16 em 28/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , O Abominável Dr. Phibes, Resenha Filme, , The Abominable Dr Phibes, vincent price   

    Filme – O Abominável Dr. Phibes (The Abominable Dr Phibes) 1971 

    Vincent Price (nascido Vincent Leonard Price Jr em 27 de maio de 1911) ficou conhecido pelos inúmeros filmes de suspense e terror que estrelou. Destaque para as décadas de 1950, 60 e 70 onde encarnou personagens icônicos em filmes como Museu de Cera, A casa dos maus espíritos e Mortos que matam.

    Em 1971 ele estrelou O Abominável Dr Phibes, um médico diabólico que após um acidente tem seu rosto desfigurado e perde sua esposa que depois do acidente morre na mesa de cirurgia. Inconformado com a perda ele utiliza planos elaborados, que se inspiram nas dez pragas do Egito, para levar sua vingança a cada um dos médicos envolvidos na mal sucedida cirurgia.

    Inicialmente dado como morto, Dr Phibes passa a ser perseguido pelo inspetor Trout que acredita ser ele o responsável pelas mortes. Por outro lado, a Scotland Yard não leva as suspeitas a sério por conta da suposta morte de Phibes. Agora, o inspetor corre contra o tempo para evitar que o doutor maquiavélico leve a cabo seu plano de vingança.

    Vincent Price voltaria a interpretar Dr Phibes no ano seguinte em A Câmara dos Horrores do Abominável Dr. Phibes. Seu último filme foi Edward Mãos de Tesoura (1990), no qual contracenou com Johnny Depp a convite do próprio Tim Burton, grande fã do ator. Price viria a falecer três anos mais tarde, aos 82 anos, vitimado por um câncer de pulmão.

     
  • carames 1:08 em 27/05/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: 1962, , , , , , , , O Homem Que Matou o Facínora, Resenha Filme, The Man Who Shot Liberty Valance   

    Filme – O Homem Que Matou o Facínora (The Man Who Shot Liberty Valance) 1962 

    Filme clássico dirigido pelo mestre do Western, John Ford e protagonizado por James Stewart, Lee Marvin e por John Wayne – que faria 104 anos hoje se fosse vivo.

    Ransom Stoddard (James Stewart) é um senador que viaja para Shinbone para o enterro de seu amigo de longa data, Tom Doniphon (John Wayne), um bêbado que morre incógnito e sem nenhum centavo no bolso. Filmado em preto-e-branco e utilizando o recurso de flashback o filme nos apresenta a história destes dois amigos que disputam o amor da mesma mulher e divergem em relação ao confronto armado. Enquanto Ransom recusa-se a usar uma arma, Tom defende não haver forma mais adequada de resolver os problemas.

    No retorno à cidade, Ransom começa a recordar seu começo como advogado recém formado e o incidente que mudou sua vida. O Liberty Valance (Lee Marvin) do título original, é o típico bandido do velho oeste, perturba quem cruza seu caminho e impõe sua vontade à força. Até que ele é morto em um confronto em uma noite escura. Resta descobrir quem matou o tal facínora.

    Um faroeste longe de ser um filme comum que obedece a máxima que John Ford bem definiu: Na dúvida, publique-se a lenda.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: