Marcado como: the clash Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • carames 10:00 em 25/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 6 de março, , , , , , , Brassneck TV, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Rock 'N' Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, , , Sky Arts, , , the clash, , , ,   

    Documentário – Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen 2011 

    SkyArts_RocknRollExposed_Title-348x196bob gruen
    Com sua obra divulgada em livros como Rock Seen, Rockers, The Clash: Photographs by Bob Gruen e John Lennon: The New York Years eis que surge a cereja no bolo do fotógrafo Bob Gruen.

    Rock ‘N’ Roll Exposed: The Photography of Bob Gruen, documentário lançado em 6 de março 2011, é uma obra de arte. Dirigido por Don Letts (The Punk Rock Movie, The Clash: Westway to the World e Punk Attitude) conta com depoimentos do próprio Gruen e muito mais.

    Tommy Ramone, Legs Mcneil, Iggy Pop, Billie Joe Armstrong, Debbie Harry, Alice Cooper, Yoko Ono e Sean Lennon põe a cara na tela para atestar a importância do fotógrafo que entrou pra história da música empunhando sua câmera.

    Praticamente imperceptível em ação, ele registrou as principais bandas de seu tempo sem poses combinadas – tudo com muita autenticidade e com poucos cliques. Segundo ele, só depois de muito tempo percebeu a importância do seu trabalho ao proporcionar a fãs a sensação de estar em uma época que ainda nem haviam nascido.

    Nas quase duas horas de documentário onde suas fotos desfilam na tela a trilha sonora é impecável: Rock n Roll All Night (Kiss); Lucille (Chuck Berry); Immigrant Song (Led Zeppelin); Dont Look Back (Bob Dylan); Brown Sugar, It’s Only Rock and Roll (Rolling Stones); Walk this way (Aerosmith); Eighteen (Alice Cooper); I Wanna Be Your Dog (Iggy and The Stooges); I Wanna Be Your Boyfriend, I Don’t Wanna Walk Around With You (Ramones); Horses (Patti Smith); Woman is The Nigger of The World (John Lennon); Personality Crisis, Looking for a Kiss (New York Dolls); Psycho Killer (Talking Heads); Blank Generation (Richard Hell and the Voidoids); Anarchy in The UK, Submission, Pretty Vacant (Sex Pistols); Complete Control, The Call Up, Radio Clash, Brand New Cadillac (The Clash); New York, New York (Frank Sinatra); Born to Run (Bruce Springsteen); Welcome to Paradise (Green Day); Seven Nation Army (White Stripes).

    Com uma seleção tão robusta e inúmeros detentores de direitos autorais o vídeo foi licenciado, por enquanto, apenas para tv a cabo – ou seja, nada de dvd à venda. Ainda assim vale a pena garimpar na programação e acompanhar esta aula de música e fotografia.

    Ficha Técnica:
    Brassneck TV – produzido por John Osborne

    ramonesbob_gruen_5
    Bob-Gruen_-1976BobGruen_008

     
  • carames 10:00 em 04/01/2014 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , Cosac Naify, , , , , , , , , , , , , , , rockers, , , , the clash, , ,   

    Livro – Rockers 2007 

    bob gruen - rockersI Speak Music de George DuBose e Ramones Photographs de Chip Dayton são belos registros fotográficos de parte da trajetória dos Ramones – infelizmente nenhum lançado no Brasil.

    Rockers de Bob Gruen também mostra os Ramones com fotos icônicas, mas vai muito além. Conhecido como o fotógrafo do rock, Bob registrou os Ramones indo para o ensaio carregando seus instrumentos em sacolas de mercado e em momentos íntimos no backstage.

    Esteve frente a frente com John e Yoko por muito tempo enquanto viviam em Nova Iorque a poucas quadras de distância de onde morava – o livro John Lennon: The New York Years é dedicado a este período.

    Registrou também o Green Day reproduzindo uma sessão que já havia entrado para história ao clicar o The Clash no topo de um prédio e se não fosse o bastante, foi o único fotógrafo a acompanhar a famigerada última turnê dos Sex Pistols pelo território americano viajando no ônibus da banda.

    Este livro é resultado de uma exposição em São Paulo com mais de 270 fotos do catálogo de Gruen e que aconteceu entre maio de julho de 2007.

    Além dos já citados, a exibição incluiu fotos de Elvis Presley, Tina Turner, Rolling Stones, Led Zeppelin, The Who, Alice Cooper, Queen, Kiss, New York Dolls, Blondie, e o brasileiro Supla. Lançado por aqui com texto português/inglês é no mínimo, obrigatório. Cosac Naify, 220 páginas.

    NYCbig_Gruenstrummer-nyc-gruen
    Ramones-Bob-Gruen-Subway-1975R-2_Gruen


     
  • carames 10:00 em 01/11/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , Brand New Cadillac, the clash   

    The Clash – Brand New Cadillac 

     
  • carames 10:00 em 10/09/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , the clash   

    The Clash prepara lançamento de box de cds remasterizados 

    The Clash prepara lançamento de box de cds remasterizados

    The Clash vai lançar um novo box de cds com versões remasterizadas de seus primeiros cinco discos: The Clash (1977), Give ‘Em Enough Rope (1978), London Calling (1979), Sandinista! (1980) e Combat Rock (1982).
    Todos os cinco discos foram remasterizados a partir das fitas originais por Mick Jones, e além deles a caixa trará três cds com faixas raras, demos e singles, além de um DVD com material inédito da época e uma nova edição do fanzine da banda, o Armageddon Time. A caixa em si é outro espetáculo, em forma de boombox, aqueles antigos rádios americanos, tudo com direção de arte do baixista Paul Simonon.
    Mick Jones comentou sobre a caixa: “A remasterização é uma coisa realmente maravilhosa. É o ponto musical disso tudo, pois tem tanta coisa ali que você nunca ouviu antes. É como descobrir coisas. pois os avanços da masterização são imensos desde a última vez que (o catálogo passado do Clash) foi remasterizado nos anos 1990… Tivemos que cozinhar as fitas antes de tudo, a oxidação delas é onde a música está, então se você não coloca-las no forno e cozinha-las, tudo se perde, pois elas estão bem velhas“.
    A caixa será lançada lá fora no dia 9 de setembro. Assista abaixo a um teaser trailer do box.


    Fonte: Zona Punk.

     
  • carames 16:23 em 25/07/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , carlos freire, fora do texto, o futuro não está escrito, , , the clash   

    Livro – The Clash, o futuro não está escrito 1992 

    livro - the clashTão curto quanto a carreira da banda, The Clash, o futuro não está escrito é uma publicação rara a tratar da história do grupo surgido na Inglaterra no final dos anos 1970.

    Àquela altura Joe Strummer já tinha certa experiência com a banda The 101’ers. Ao lado de Mick Jones, Paul Simonon e mais tarde, Topper Headon, Strummer foi co-responsável por dar um ar mais politizado ao punk britânico que nascia com os Sex Pistols, Buzzcocks e o próprio The Clash.

    A inclinação da banda pelo ska e pelo dub os diferenciaram dos demais. Mas não apenas isto, deixaram também álbuns clássicos como The Clash (1977), Give ‘Em Enough Rope (1978), o duplo London Calling (1979), o triplo Sandinista! (1980) e o absoluto Combat Rock (1982).

    Após apenas 10 anos (1976-1986) o The Clash acabaria e cada um seguiria seu destino. Joe Strummer primeiro em carreira solo e depois em projetos com os The Latino Rockabilly War e The Mescaleros. Mick Jones com o Big Audio Dynamite. Paul Simonon só recentemente tocou o The Good The Bad and The Queen ao lado de Damon Albarn do Blur/Gorillaz.

    Esta edição lançada em Portugal em 1992, infelizmente ainda não encontrou similar no Brasil apesar da importância que o Clash representa na história da música. Editora Fora do Texto, 112 páginas.



     
  • carames 10:55 em 01/01/2013 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , the clash   

    Saiba o que Chuck Berry achava de Ramones, Clash, Sex Pistols e mais nos anos 70 

    Chuck Berry deu sua opinião sobre bandas punk

    Que Chuck Berry é uma lenda do rock, isso é algo extremamente indiscutível. No início do mês começou a circular na internet, mais precisamente na página do facebook do The Future Heartum arquivo onde ainda nos 70, o músico comentava sobre sua opinião à respeito das bandas punks que começaram a surgir naquela época, e que hoje são grandes ícones do rock.

    A imagem está logo abaixo, e traduzimos algumas opiniões pra você:

    The Sex Pistols – God Save The Queen

    Com o que esse cara está tão puto? As guitarras, a progressão é como a minha. Boa batida. Não entendo a maior parte dos vocais. Se você quer ser um cara bravo, pelo menos faça com que as pessoas saibam com o que está bravo.

    The Clash – Complete Control

    Soa como a primeira. Os ritmos e acordes funcionam bem em conjunto. Esse cara estava com dor de garganta quando gravou os vocais?

    Ramones – Sheena Is A Punk Rocker

    Uma boa música para pular. Esses caras me fazem lembrar de mim mesmo quando comecei. Eu também só sabia tocar três acordes.

    chuck-berry-punk-rock-70

    Post original aqui.

     
  • carames 22:45 em 21/08/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , sandinista, the clash   

    LP/CD – The Clash: Sandinista 1980 


    Era 1980 e o The Clash trazia na bagagem o emblemático London Calling. Seu sucessor seria um disco triplo, de 144 minutos e 09 segundos com 36 músicas. A mistura de rock, funk, rap, reggae, jazz além de ousada foi polêmica.

    Acusados de abrir mão de suas raízes para vender-se à América, a banda ainda comprou briga com a gravadora exigindo que o álbum triplo fosse vendido a preço de disco simples. Mas isto foi depois do disco ficar pronto.

    Até chegar neste ponto, brigas internas, prisão envolvendo drogas e discussões sem fim permeavam a rotina do grupo àquela altura. Até cerveja na cara rolou por conta de uma briga em pleno palco.

    Lançado 4 dias após John Lennon ser assassinado, teve parte das sessões no Electric Lady Studios de Jimi Hendrix e faz parte da discografia fundamental da banda ao lado do já citado London Calling, Combat Rock e do homônimo álbum de estréia.


    Lado 1
    1. The Magnificent Seven – 05:28
    2. Hitsville U.K. – 04:20
    3. Junco Partner (“writer, at present, unknown” on liner notes) – 04:53
    4. Ivan Meets G.I. Joe – 03:05
    5. The Leader – 01:41
    6. Something About England – 03:42

    Lado 2
    1. Rebel Waltz – 03:25
    2. Look Here (written by Mose Allison) – 02:44
    3. The Crooked Beat – 05:29
    4. Somebody Got Murdered – 03:34
    5. One More Time (written by The Clash and Mikey Dread) – 03:32
    6. One More Dub (Dub version of “One More Time”; written by The Clash and Dread) – 03:34

    Lado 3
    1. Lightning Strikes (Not Once but Twice) – 04:51
    2. Up in Heaven (Not Only Here) – 04:31
    3. Corner Soul – 02:43
    4. Let’s Go Crazy – 04:25
    5. If Music Could Talk (written by The Clash and Dread) – 04:36
    6. The Sound of Sinners – 04:00

    Lado 4
    1. Police on My Back (written by Eddy Grant; originally performed by The Equals) – 03:15
    2. Midnight Log – 02:11
    3. The Equaliser – 05:47
    4. The Call Up – 05:25
    5. Washington Bullets – 03:51
    6. Broadway (Features an Epilogue of “The Guns of Brixton” sung by Maria Gallagher) – 05:45

    Lado 5
    1. Lose This Skin (written by Tymon Dogg) – 05:07
    2. Charlie Don’t Surf – 04:55
    3. Mensforth Hill (“Something About England” backwards with overdubs) – 03:42
    4. Junkie Slip – 02:48
    5. Kingston Advice – 02:36
    6. The Street Parade – 03:26

    Lado 6
    1. Version City – 04:23
    2. Living in Fame (Dub Version of “If Music Could Talk”; written by The Clash and Dread) – 04:36
    3. Silicone on Sapphire (Dub version of “Washington Bullets”) – 04:32
    4. Version Pardner (Dub version of “Junco Partner”) – 05:22
    5. Career Opportunities – 02:30
    6. Shepherds Delight (Dub Version of “Police and Thieves”; written by The Clash and Dread) – 03:25


     
  • carames 13:27 em 15/08/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , the clash   

    The Clash nunca voltou por causa do Sex Pistols 


    Joe Strummer

    Desde que encerrou suas atividades em 1986, o Clash nunca voltou, mesmo depois que seu líder, Joe Strummer, havia voltado a falar com outra figura importante da banda, o guitarrista Mick Jones.

    A revista NME dessa semana traz uma matéria onde “explica” porque isso não aconteceu.

    Os caras conversaram com Caroline Coon, amiga próxima da banda que chegou a gerenciá-los por algum tempo, e ela disse que quando Strummer estava pronto para reunir o grupo, o Sex Pistolsresolveu voltar, e isso mudou a mente de Strummer:

    De alguma forma, Joe estava muito dependente do que a mídia dizia a respeito dele. Eles sempre diziam que o rock’n’roll era para os jovens e que o Clash nunca deveria voltar. Aí assim que Joe conseguiu colocar a cabeça no lugar e dizer “Foda-se a imprensa, vamos voltar com a banda”, sabe o que aconteceu? O Sex Pistols voltou. Joe – inseguro como era – tinha um ego muito grande, e não iria voltar sob a sombra do Sex Pistols.

    Em 2002 Joe Strummer sofreu um ataque cardíaco e morreu aos 50 anos de idade, justamente quando rumores apontavam, mais uma vez, para uma reunião do Clash, já que Mick Jones foi visto tocando com Strummer & os Mescaleros em várias oportunidades.

    Fonte: TMDQA.

     
  • carames 15:27 em 05/04/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: 25 álbuns essenciais de Punk Rock, angry samoans, avengers, , , , , , , , , descendents, , gang of four, germs, , , , , , , , , , the clash, wire, x,   

    25 álbuns essenciais de Punk Rock 


    Recentemente, o site Yahoo.com fez uma lista com os 25 álbum essenciais de punk, que “deveriam estar na coleção de todo verdadeiro punk rocker”.

    Porém, embora a lista tenha discos e bandas que de fato mereciam ser incluídas, ela deixa de fora alguns clássicos como The Stooges, MC5, Sham 69, Fang, Blitz e Discharge.

    O criador da lista, Rob O’Connor, reconheceu que há diversas bandas e álbuns que deveriam estar na lista, mas alegou que alguns grupos “não foram tão bons além de uma ou duas músicas ou nunca lançaram um álbum definitivo durante sua carreira”. Ele também escreveu que “a maioria da bandas de punk rock lançaram apenas um single, no entanto, as verdadeiras ótimas bandas conseguiram, pelo menos, lançar um álbum”.

    Confira a lista logo abaixo e não esqueça de deixar um comentário contando o que achou.

    01. The Sex Pistols – Never Mind the Bollocks
    02. The Ramones – Leave Home
    03. X – Los Angeles
    04. Dead Boys – Young, Loud and Snotty
    05. Buzzcocks – Singles Going Steady
    06. Misfits – Walk Among Us
    07. Wire – Pink Flag
    08. Minor Threat – Out of Step
    09. Richard Hell and the Voidoids – Blank Generation
    10. Bedlam – Bedlam
    11. X-Ray Spex – Germ Free Adolescents
    12. Johnny Thunders and the Heartbreakers – L.A.M.F.
    13. Gang of Four – Entertainment!
    14. The Clash – London Calling
    15. Bad Brains – Bad Brains
    16. Dead Kennedys – Plastic Surgery Disasters
    17. Suicide – Suicide
    18. Black Flag – Damaged
    19. Descendents – Milo Goes To College
    20. Circle Jerks – Group Sex
    21. Avengers – Avengers
    22. The Damned – Machine Gun Etiquette
    23. The Germs – GI
    24. The Dictators – Go Girl Crazy!
    25. The Angry Samoans – Back From Samoa

    O post original foi publicado aqui

     
    • carames 0:43 em 06/04/2012 Link Permanente | Resposta

      Gosto é gosto… mas minha lista é beem diferente:
      01. Ramones – Ramones
      02. Sex Pistols – Nevermind the Bollocks
      03. The Clash – London Calling
      04. Dead Kennedys – Fresh Fruit for Rooting Vegetables
      05. Stooges – Fun House
      06. MC5 – Kick out the jam
      07. X – Los Angeles
      08. Circle Jerks – Group Sex
      09. Black Flag – Damaged
      10. Bad Religion – Suffer
      11. NOFX – Heavy Petting Zoo
      12. Green Day – Dookie
      13. Exploited – Punk’s not dead
      14. Rancid – …and out come the wolves
      15. Offspring – Smash
      16. Anti-flag – Die for the government
      17. Buzzcocks – Another Music in a different kitchen
      18. GBH – From here to reality
      19. Pennywise – Pennywise
      20. Toy Dolls – Dig that groove baby
      21. Television – Marquee Moon
      22. New York Dolls – Too Much Too Soon
      23. Bad Brains – Bad Brains
      24. Minor Threat – Out of Step
      25. The Dictators – Go Girl Crazy

  • carames 16:30 em 04/02/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: 19 de janeiro de 2003, , , , , , , , , , , , , Jim Fields, , , , , , , , , , , Michael Gramaglia, , , , , , , , , , , , , , , the clash, The Story Of The Ramones,   

    DVD – Ramones: End Of The Century – The Story Of The Ramones 2003 

    Lançado em 19 de janeiro de 2003, End Of The Century – The Story Of The Ramones vai muito além da imagem da capa com a formação original.

    Reúne figuras de peso que trabalharam ou conviveram com eles como Roberta Bayley (responsável pela capa do primeiro disco em 1976), Danny Fields (primeiro empresário), Legs McNeil (autor de Mate-me, por favor), Monte Melnick (gerente de turnê), Arturo Vega (diretor de arte), John Holmstrom (Punk Magazine), Hilly Kristal (proprietário do CBGB’s), Seymour Stein (dono da Sire Records) e o trio Ed Stasium/Daniel Rey/Gary Kurfirst (produtores).

    Músicos que foram influenciados pelos três acordes clássicos também fazem reverencia. De Joe Strummer (The Clash) a Rob Zombie passando por Kirk Hammett (Metallica), John Frusciante (Red Hot Chili Peppers) e Lars Frederiksen (Rancid).

    Não poderiam faltar os protagonistas desta história. Joey, Johnny, Tommy, Dee Dee, Marky, CJ e inclusive Richie (deixado de fora de outros vídeos do grupo) e Elvis Ramone (Clem Burke, baterista do Blondie que tocou em apenas 2 shows após a saída de Richie e antes que Marky voltasse ao grupo). É o documentário definitivo da banda que criou um gênero e influenciou todas as que vieram depois dela.

    Ficha Técnica:
    Rhino Records/Sire Records – produzido e dirigido por Jim Fields e Michael Gramaglia

    Joey Ramone – vocal
    Johnny Ramone – guitarra
    Dee Dee Ramone / CJ Ramone – baixo, backing vocal
    Tommy Ramone / Marky Ramone / Richie Ramone – bateria



    comandorock162005-1

     
  • carames 10:56 em 09/01/2012 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , capa de discos, , E se quem morre sumisse também da capa dos discos?, , , , , , the clash,   

    E se quem morre, sumisse também da capa dos discos? 








     
  • carames 0:07 em 05/12/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , Discos clássicos com capas alternativas, , , , , , , , , , the clash, ,   

    Discos clássicos com capas alternativas 











     
  • carames 0:02 em 24/11/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 311, , Burning London The Clash Tribute, , ice cube, , moby, no doubt, , , , silverchair, the clash, the mighty mighty bosstones,   

    CD – VA: Burning London The Clash Tribute 1999 


    Este é, certamente, o melhor disco tributo que já ouvi. Não o melhor tributo ao The Clash, me refiro ao melhor tributo já feito. É verdade que com as músicas do Clash fica difícil fazer versões ruins, mas temos exemplos de sobra de tentativas frustradas ao longo do tempo que transformaram homenagens em afrontas.

    Não é o caso de Burning London The Clash Tribute lançado em 1999 e que reúne 15 hits dos britânicos como Should I Stay or Should I Go (rap na voz de Ice Cube), White Riot (folk classudo do Cracker) e a anárquica versão do Rancid para Cheat.

    Mas nada se compara ao contraste entre o petardo London’s Burning (ainda mais pesada na interpretação do Silverchair) e a melancólica leitura de Moby para Straight to Hell. De quebra, Guns of Brixton, Rock the Casbah e Tommy Gun (não creditadas no cd) completam a patada.

    Melhor, só Joe Strummer e cia.

    Tracklist:
    01 Hateful – No Doubt
    02 This Is Radio Clash – The Urge
    03 Should I Stay or Should I Go – Ice Cube/Mack 10
    04 Cheat – Rancid
    05 Train in Vain – Third Eye Blind
    06 Clampdown – Indigo Girls
    07 Rudie Can’t Fail – The Mighty Mighty Bosstones
    08 (White Man) In Hammersmith Palais – 311
    09 Lost in the Supermarket – The Afghan Whigs
    10 White Riot – Cracker
    11 London’s Burning – Silverchair
    12 Straight to Hell – Moby/Heather Nova
    13 The Guns of Brixton – Unwritten Law
    14 Rock the Casbah – Ranking Roger & Pato Banton
    15 Tommy Gun – Face to Face


     
  • carames 1:06 em 20/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , paul newman, , the clash   

    Dia Mundial da Fotografia 

    Para celebrar o dia da fotografia, segue a dica de um ótimo site sobre o tema: The Impossible Cool com modelos bastante conhecidos.
    The Beatles

    Bob Dylan

    Humphrey Bogart

    Jim Morrison (The Doors)

    Joe Strummer (The Clash)

    Neil Young

    Paul Newman & Clint Eastwood

    Paul Newman

    Paul Simonon (The Clash)

    Jimi Hendrix

     
  • carames 17:45 em 07/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , Green Day eleita a melhor banda de punk rock da história, , , , , , social distortion, the clash   

    Green Day eleita a melhor banda de punk rock da história 

    Os leitores da revista Rolling Stone americana escolheram as dez melhores bandas punk da história. Em primeiro lugar ficou o Green Day, deixando pra trás The Clash, Sex Pistols e Ramones, precursores do gênero na segunda metade dos anos 1970.
    Resta saber o critério adotado pelos leitores, já que a banda (certamente a mais bem sucedida comercialmente entre as citadas) adotou visual e sonoridade mais pop do que o hardcore de discos anteriores como Dookie (1994) ao contrário de outros que se mantiveram fiéis ao estilo.

    01 Green Day

    02 The Clash

    03 Ramones

    04 Sex Pistols

    05 Dead Kennedys

    06 Iggy and The Stooges

    07 Black Flag

    08 The Misfits

    09 Social Distortion

    10 Bad Brains

     
  • carames 13:50 em 06/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , london calling, , , , the clash   

    The Clash nos jogos olímpicos 2012 

    London Calling, música clássica do The Clash presente no álbum homônimo da banda lançado em 1979 será o tema dos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres. A escolha é curiosa (embora a intenção seja atrair turistas) pois sua letra é cheia de críticas sociais e não vende uma Londres muito bela.

    Chamada de Londres
    Chamada de Londres para as cidades distantes
    Agora aquela guerra está declarada e a batalha começa
    Chamada de Londres para o submundo
    Saiam das tocas garotos e garotas
    Londres chama, agora não olhem pra nós
    Aquela falsa Beatlemania comeu poeira
    Londres chama, veja nós não temos balanço
    Exceto pelo som do cacetete
    A era do gelo está vindo o sol está sumindo
    Degelo é esperado e o trigo está nascendo fino
    Máquinas param de funcionar, mas eu não tenho medo
    Pois Londres está afundando e eu vivo perto do rio
    Londres chama para a zona de imitação
    Esqueça-o, irmão, você pode ir sozinho
    Chamada de Londres para os zumbis da morte
    Desista de resistir e dê outro suspiro
    Londres chama, e eu não quero gritar
    Mas quando estávamos conversando eu vi você cochilando
    Londres chama, veja nós não temos auges
    Exceto por aquele com os olhos amarelados
    Agora se ligue nisso
    Londres chama yeah, eu estava lá também
    E vocês sabem o que eles disseram?
    Bem, algo ali era verdade
    Londres chama no topo do dial
    Depois de tudo isso você não vai me dar um sorriso?
    Londres chama
    Nunca me senti tão igual

     
  • carames 0:07 em 02/08/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , jornal da globo, nelson motta, , , , the clash   

    Punk fazendo aniversário (até parece) 

     
  • carames 3:05 em 27/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , , , , , , black crowes, , , , , , burzum, , , , , , , , , , , hole, , , , , , , limp bizkit, , , , , , , , , , , , , , , , , significado nome das bandas, , the clash, , ,   

    Origem do nome de algumas, várias, bandas… 

    AC/DC – A irmã de Angus e Malcolm Young, Margaret, criou o nome. Aparentemente ela achou a sigla em um eletrodoméstico, e achou que casava bem com a banda, visto que tinha a ver com eletricidade (AC/DC é um indicativo de corrente contínua e alternada). Depois descobriram que era também uma gíria que designava bissexuais mas já era tarde. São infundadas as versões de que o nome seria uma sigla para Anti-Christ/Dead-Christ (anticristo, cristo morto).
    Aerosmith – O nome Aerosmith não significa absolutamente nada. Foi proposto por Joey Kramer e segundo Steven Tyler foi o único nome entre vários propostos que ninguém odiou.
    Alice In Chains – Paródia masoquista de Alice no País das Maravilhas. A idéia inicial (que nunca chegou a acontecer) era de tocarem covers de Slayer usando vestidos.
    Anthrax – É o nome de um microorganismo desenvolvido para guerra bacteriológica. Ficou famoso após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, quando a banda chegou a cogitar mudar de nome.
    Audioslave – Primeiro, a banda foi batizada Civilian. Mas acontece que já existia uma banda de nome Civilian, e foi preciso procurar outro nome. Chris Cornell (vocalista) sugeriu Audioslave e ninguém na banda ousou discordar. Só que também já existia um Audioslave. Desta vez, a banda resolveu entrar em acordo com a banda homônima para continuar sendo Audioslave. (Colaborou: Leonardo Apolinário)
    B. B. King – Abreviatura para “Blues Boy King”.
    Beastie Boys – Beastie quer dizer animalesco. Porém o nome dessa banda é na verdade um acrônimo para “Boys Entering Anarchistic States Toward Internal Excellence” (Rapazes Entrando em um Estado Anárquico Visando a Excelência Interna).
    Black Crowes – O nome original da banda era Uncle Crowe’s Garden, tirado de historia infantil.
    Black Flag – A bandeira preta é a bandeira dos piratas. É também uma marca de inseticida. Quando Adam Ant tocou na Califórnia, membros da banda distribuiram bottons com os dizeres “Black Flag kills ants!” (Black Flag mata formigas). Ainda segundo Henry Rolins, se inspiraram no nome do Black Sabbath.
    Black Sabbath – Um Sabbath Negro é uma reunião de bruxas e feiticeiras. A banda se chamava Earth e resolveu assumir o nome de uma música composta por Geezer Butler, inspirada em um suspense do novelista Denis Wheatley.
    Blur – A banda na verdade se chamava SEYMOUR porem uma das condições em seu primeiro contrato era de se mudar o nome para um contido em uma lista oferecida pela gravadora. Blur foi escolhido como a melhor opção.
    Bob Dylan – Seu nome verdadeiro é Robert Zimmerman. Achando o nome excessivamente étnico e sendo grande admirador do poeta Dylan Thomas, ele mudou para Bob Dylan.
    Burzum – Significa “Mais Trevas” na língua fictícia inventada por JRR Tolkien para seu livro “O Senhor Dos Anéis”. Essa banda de Black Metal está atualmente desativada pois seu fundador está descansando na penitenciária após ter assassinado Euronymous da banda Mayhem.
    Bush – Alusão a “Sheperd’s Bush”, bairro em Londres.
    CBGB’s – Templo Nova Yorquino para o new wave, punk e thrash. O nome completo do lugar é CBGB and OMFUG, lendo “Country, Bluegrass, Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers”.
    Clash – Tirado de manchete do jornal “A Clash With Police”. Paul Simmon teve a idéia e todos concordaram.
    Dead Kennedys – Kennedys mortos era uma alusão aos assassinatos do presidente John Fitzgerald Kennedy e seu irmão senador Robert Fitzgerald Kennedy. Uma citação famosa de East Bay Ray (guitarrista) sobre este assunto: “Um Show dos Dead Kennedys no dia 22 de novembro, aniversário da morte de John Kennedy, não seria de mau gosto? Claro! Mas os assassinatos também não são de mau gosto?”
    Engenheiros do Hawaii – Tudo começou em 1984 na Faculdade de Arquitetura em Porto Alegre, onde o grupo estudava. Existia uma rixa entre o pessoal de arquitetura e engenharia. Os estudantes se envolviam em rixas curriculares, filosóficas, estilos de vidas, etc. Enfim, o pessoal da arquitetura inventou um apelido para acabar com os inimigos. “Todo estudante de arquitetura é meio arrogante, acha que os engenheiros estão abaixo. Tinha um pessoal na engenharia que usava aquelas roupas de surfista, e, para irritá-los, nós fazíamos questão de chamá-los de ‘engenheiros’ e, mais do que isso, ‘engenheiros do hawaii’, que é um paraíso meio kitsch”. Na época, havia uma explosão de bandas punk, todas com nomes heróicos entre elas: Cavaleiros do apocalipse, Virgens Nucleares, Titãs, etc. Disse Humberto: “Sempre me assustou essa coisa heróica da música pop, porque te leva a ser meio semideus. Engenheiros do Hawaii era um nome desmistificador, ninguém nos levaria muito a sério. É um nome que até hoje nos protege de nos encararem como sacerdotes”. (Colaborou: Leandro Silva)
    Exploited – Explorado.
    Faith No More – Fé Nunca Mais. O nome anterior era Sharp Young Men, que depois mudou para Faith No Man quando seu crooner era Mike “The Man” Morris. Quando Morris saiu em 1982, evoluíram para Faith No More.
    Foo Fighters – Gíria originada durante a Segunda Guerra Mundial significando UFO’s (OVNI’s). A palavra Foo é uma corruptela do francês “feu” significando “fogo” ou “fou”, significando “insano”. Dizem que tudo começou quando um grupo de pilotos da aeronáutica tentaram atirar em possíveis UFO’s.
    Green Day – Trata-se de uma referência a maconha. Um dia verde é um dia em que você deixa de fazer suas obrigações para ficar fumando. Também cotado como inspiração, uma placa no filme “Soilent Verde” escrito “Green Day”. A banda se chamava Sweet Children.
    Guns N’Roses – Tirado dos nomes de Tracii Guns e Axl Rose ou de suas respectivas bandas, LA Guns e Hollywood Roses.
    Heavy Metal – Termo criado pelo autor beatnick William Burroughs nos anos sessenta sem nenhuma relação a música. Steppenwolf em “Born to be Wild” é o primeiro a usá-lo, “Heavy Metal Thunder”, referindo-se ao barulho alto do motor das motorcicletas.
    Hole – Frase da mãe de Courtney, “Você não pode seguir com um buraco (hole) na cabeça só porque teve uma infância ruim”.
    Iggy Pop & The Stooges – Iggy adotou este apelido em 64/65 no High School (2º Grau) por conta de ser o baterista da banda The Iguanas. Essa banda chegou a lançar um compacto em 1965. Stooges é homenagem aos Três Patetas (The Three Stooges).
    Iron Maiden – O nome “Iron Maiden” foi tomado do filme “The Man in The Iron Mask”. A “donzela de ferro” é um instrumento de tortura composto de uma caixa repleta de lanças pontiagudas em seu revestimento interior onde o condenado era trancafiado. “Donzela de Ferro” é também um dos apelidos da ex-primeira ministra inglesa Margareth Tatcher.
    Johnny Rotten – “Joãozinho Podre” ganhou seu apelido por causa dos seus dentes poderes.
    Kiss – Significa Beijo. O nome foi escolhido por soar perigoso e sexy. O acrônimo “Knights In Satan’s Service” (“Cavaleiros a Serviço de Satã”) foi uma inteligente e lucrativa maneira para ajudar evangelistas a colocarem o medo de Deus no homem comum.
    Korn – Varias versões propagadas pela própria banda. Referente a lenda urbana sobre um homem que comeu milho estragado e teve diarréia. Corruptela para Kiddy Porn (Pornografia Infantil). Ou não quer dizer nada mas a banda gostou do nome assim mesmo.
    Led Zeppelin – O baterista do the Who, Keith Moon, achou que a banda de Jimmy Page, que ainda se chamava The New Yardbirds, era pesada como chumbo e flutuava como um Zepelim. Daí Lead Zeppelin (Zepelim de Chumbo). Um Zepelin trata-se de um balão dirigível em forma de charuto. Mais tarde o nome foi mudado para Led Zeppelin para não ter dúvidas quanto à pronúncia.
    Limp Bizkit – O nome Limp Bizkit surgiu durante uma conversa entre o vocalista Fred Durst e um amigo que diz que seu cérebro parece um “limp biscuit” (uma bolacha amolecida). Ele gostou da idéia e adotou o nome.
    MC5 – “Motor City Five” são cinco hippies de Detroit, cidade cujo o apelido é Motor City pela pesada industria automobilística existente.
    Megadeth – Depois de sair do Metallica, Dave Mustane formou sua banda e a batizou com um nome inspirado no termo militar “megadeath”. Uma megadeath é a morte de um milhão de pessoas, portanto, exemplificando, a Segunda Guerra Mundial obteve 80 megadeaths.
    Metallica – Lars Ulrich ajudava um amigo bolar o nome de um metal fanzine. Uma das sugestões foi Metallica que não foi aproveitado para a revista. Lars então pegou para ele.
    Motorhead – Cabeçote de motor. Gíria para quem está sempre tomando anfetamina e nome de uma poderosa anfetamina que o vocalista Lemmy usava quando fazia parte da banda Hawkwind. Era também o nome de uma das músicas deste seu primeiro grupo.
    Muddy Waters – Águas Lamacentas. Seu nome é McKinley Morganfield e ganhou seu apelido em uma referência as águas lamacentas do Mississippi de onde ele vem.
    Nirvana – Estado avançado de espírito na cultura hindú.
    Nofx – Forma simplória para “no effects” (“sem efeitos”). Uma banda punk honesta não quer mesmo muita parafernália tecnológica no som.
    Offspring – Tiraram o nome do filme B “The Offspring – They Were Born To Kill” (Os Decendentes – Eles Nasceram Para Matar).
    Pearl Jam – Uma das prováveis origens do nome Pearl Jam tem a ver com uma geleia (jam em inglês) feita pela avó de Eddie Veder (chamada Pearl) cuja composição incluía peyote. Outras versões informam que Pearl Jam seria gíria, significando esporra. Eles quase se chamaram de “Mookie Blaylock” em homenagem a um jogador de basquete.
    Pennywise – Nome do palhaço no livro “It” de Stephen King.
    Pink Floyd – O nome Pink Floyd é a junção dos nomes de dois antigos músicos de Blues, Pink Anderson e Floyd Council (Dipper Boy), que influenciaram Syd Barret. Syd nomeou a banda com o nome de um dos discos da dupla, The Pink Floyd Sound, mais tarde abreviado para Pink Floyd. Por pouco eles não se chamaram de “Anderson Council” ou “Megadeath”.
    Radiohead – Tirado da música “Radio Head” dos Talking Heads.
    Rage Against The Machine – A primeira banda do vocalista Zack De La Rocha se chamava Inside Out, e chegou a lançar um CD. O nome do segunto CD desta banda seria Rage Against The Machine, mas esse segundo CD nunca chegou a ser lançado. Zack então aproveitou o nome para a sua nova banda.
    Ramones – O Beatle Paul McCartney usou o pseudônimo Paul Ramone durante a primeira excursão dos Beatles à Escócia. A banda tomou emprestado dele o sobrenome.
    Rolling Stones – Pedras Rolantes. Brian Jones escolheu o nome por causa da frase “A rolling stone gathers no moss” (Pedras rolantes não criam limo) e da música Rollin’ Stone, ambas frase e canção de Muddy Waters.
    Rush – Estavam todos preocupados pois já tinham uma apresentação marcada porem ainda não tinham nome. O irmão mais velho de John Rustley deu como suggestão Rush.
    Sex Pistols – O nome da banda foi baseado no nome da loja de Malcolm McLaren (Sex). É também uma conotação para o pênis.
    Soulfly – Alma Voa. Max Cavalera homenageou seu afilhado falecido.
    Supergrass – Grass (grama) é gíria para maconha.
    Ultraje à Rigor – Durante uma festa em que se apresentavam, Roger pensou em Ultraje, mas achou punk demais para a época. Resolveu perguntar a Edgard Scandurra (então guitarrista da banda), que chegou no meio da conversa e, sem entender direito a pergunta, disse: “Que traje? O traje a rigor?”
    White Zombie – Título de filme B estrelado por Bela Lugosi.
    ZZ Top – De acordo com o livro “Z.Z Top: Bad and Worldwide”, o nome foi inspirado num poster do bluesman texano chamado Z.Z. Hill. Queriam também um nome que sugerisse o melhor (“top”).

    O post completo e o significado do nome de outras bandas você confere no blog da Putzgrila

     
  • carames 1:07 em 06/07/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , 4 de julho de 1976, , , primeiro show, , , , , the clash,   

    Um noite que entrou para História da música 


    A noite de 4 de julho de 1976 (aniversário da proclamação da independência americana) entraria para História, ao menos da música punk. The Clash fazia seu primeiro show em Sheffield (naquela ocasião sem impressionar muito) e, em Londres, os Ramones tocavam pela primeira vez na Inglaterra no Roundhouse.

    Com o primeiro disco na bagagem, os Ramones (quatro caras uniformizados com jeans rasgados, jaquetas de couro e cabelos compridos) desembarcaram no Reino Unido levando sua música veloz e simples.

    Mais tarde naquela noite seu show tinha na platéia, entre os 3000 presentes que esgotaram os ingressos, nada mais nada menos que integrantes do Sex Pistols, The Clash e The Damned para confessar a Joey Ramone e Cia que sem Ramones (disco de 1976), suas bandas não teriam existido.

    Set list do show:
    01 – intro
    02 – loudmouth
    03 – beat on the brat
    04 – blitzkrieg bop
    05 – i remember you
    06 – now i wanna sniff some glue
    07 – glad to see you go
    08 – gimme gimme shock treatment
    09 – 53rd and 3rd
    10 – i wanna be your boyfriend
    11 – havana affair
    12 – listen to my heart
    13 – california sun
    14 – judy is a punk
    15 – i don’t wanna walk around with you
    16 – today your love tomorrow the world

    Nos bastidores, os Ramones costumávam fazer uma pegadinha. Como diria Dee Dee Ramone em sua biografia Coração Envenenado, eles costumavam urinar na bebida antes de oferecer aos convidados.

    Reza a lenda, que nesta foto, Johnny Rotten estaria segurando um copo da tal bebida batizada.

    Segue um trecho do áudio deste show histórico e uma performance do Clash, anos mais tarde.


    Fonte das fotos:
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_1
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_12
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_11
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_10
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_9
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_8
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_7
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_6
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_5
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_4
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_3
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_2
    uploads%2F2016%2F7%2F1%2Framones_1

     
  • carames 0:56 em 05/06/2011 Link Permanente | Resposta
    Tags: , , fresh fruit for rotting vegetables, , melhores discos punk de estréia, , punk's not dead, , , the clash,   

    Os 5 melhores discos de estréia (punk) 

    A Ultimate Classic Rock divulgou uma lista com o que considera os 10 melhores álbuns de estréia mas acabou deixando o punk de lado. Justiça seja feita:

    1: ‘Ramones’ – Ramones

    Pedra fundamental do punk. Bastaram 29 minutos de música e três acordes para quatro novaiorquinos do Queens fazerem história.

    2: ‘Nevermind the Bollocks, Here’s The Sex Pistols’ – Sex Pistols

    Influenciados pelos Ramones, Johnny Rotten e cia fizeram um dos melhores discos da história e de quebra afrontaram a realeza britânica.

    3: ‘The Clash’ – The Clash

    Política e incendiária mistura de rock e ska.

    4: ‘Fresh Fruit for Rotting Vegetables’ – Dead Kennedys

    Um petardo contra o governo Reagan e a classe média americana conservadora.

    5: ‘Punk’s not Dead’ – The Exploited

    Resposta dos moicanos escoceses à música new wave do começo dos anos 1980.

     
c
escrever novo post
j
post seguinte/ comentário seguinte
k
post anterior/comentário anterior
r
Resposta
e
Editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
vá para login
h
mostrar/ocultar ajuda
shift + esc
Cancelar
%d blogueiros gostam disto: